“A lei brasileira premia quem manda e não quem obedece.”
- Ruth de Aquino

“A vida é muito curta para ser pequena.”
- Benjamin Disraeli

“Os governos suspeitam da literatura porque é uma força que lhes escapa.”
- Emile Zola

Dezembro - Edição 298

O super vice-presidente da República

O médico Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho nasceu em Pindamonhangaba em 7 de novembro de 1952. Quando jovem, teve discreta participação no movimento estudantil. Recebeu de um amigo o convite para se candidatar a vereador. Foi eleito com cerca de 5. 000 votos – um recorde para a cidade do interior de São Paulo da época. Geraldinho, como o governador ainda é conhecido em Pindamonhangaba, a 145 km de São Paulo, no Vale do Paraíba, cursava medicina na vizinha Taubaté e, segundo seus colegas da época, não pensava em se candidatar sequer ao grêmio estudantil da faculdade...

Estruturas paralelas

O paralelismo é o nome que se dá a uma construção sintática em que se coordenam segmentos de mesma estrutura ou de estrutura semelhante. Em outras palavras, o princípio do paralelismo é o de que só se podem coordenar segmentos homólogos. Por exemplo: abaixo (frase 1), não se respeitou o paralelismo porque se coordenou um adjetivo (viajado) e uma oração (que tem muita experiência)...

Entrevista com Luiz Gustavo Copolla

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Dilermando de Assis em Bela Vista

Vivemos num planeta sob o signo da tragédia. Muitas são as adversidades, os flagelos, os desastres, os dramas. Os gregos trouxeram as tragédias, peças que apresentavam histórias tensas, de final infeliz, nascidas das paixões humanas para o palco das arenas...

Inteligência Artificial: felizmente é perfeita

Se nós, humanos, não soubéssemos reagir ao inesperado, já teríamos sido aniquilados há muito.
Há uma nova obsessão global chamada “inteligência artificial generativa” (IAG), que alguns, erradamente, reduzem ao ChatGPT. Reconheço o perigo que espreita, sobretudo, porque pode estar ao serviço de pessoas com intenções malévolas...

Quero ser um bem-te-vi

Ser racional?
Envergonha-me ser humano,
Esse ser irracional.
Mais burro que o próprio burro.
Menos racional do que um tucano.
Ao invés da fala, preferirei o esturro.
Ou serei um marciano...

Soneto de Natal

“Mudaria o Natal ou mudei eu?”
Machado de Assis


Mudaria o Natal ou mudo iria
mudar sempre o menino o mundo em tudo?
...

De bibliotecas e livrarias

Bibliotecas e livrarias. Repositórios do conhecimento humano de antes do advento dos bancos de dados. Precisasse-se de informação qualquer, ia-se à biblioteca, solicitava-se um livro à bibliotecária, folheava-se-o, outras informações saltando-lhes das páginas, levando a outras mais. Os bancos de dados funcionam de maneira semelhante, à exceção da ajuda da bibliotecária: é o procure você mesmo...

Posse na Academia Brasileira de Cultura

Foi marcante a cerimônia de posse dos 13 novos integrantes da ABC (Academia Brasileira de Cultura), no campus da Fundação Cesgranrio, no Rio de Janeiro. No evento, os destaques foram as ministras Sonia Guajajara e Margareth Menezes, dos Povos Indígenas e da Cultura, respectivamente, e a artista Liniker, a primeira mulher trans a assumir um lugar na instituição...

As diversas faces do tempo em Tinteiros da Casa e do Coração Desertos, de Diego Mendes Sousa

Logo no primeiro poema deste livro original do escritor Diego Mendes Sousa, temos o tema que vai percorrer todo o livro – o tempo – não em seu rosto único, mas em suas faces múltiplas, desdobrando um tema de uma nota solitária em toda sua amplidão de significados e matizes...

Lá se foi um líder...

Afirmo, sempre, que “o gênio habita o mundo da simplicidade.” E nessa vastidão que os gênios dormem para sonhar as suas quimeras, verdadeiras utopias para os mortais. Todavia, sonhos inimagináveis irrompem para eles, como fossem relâmpagos nos céus da memória, transcendentes da materialidade telúrica, com visões que ultrapassam o incognoscível da gnose humana. Os gênios são solitários em seus pensares!...




Novembro - Edição 297

Correia da Serra, um sábio entre os sábios

Conviveu com os grandes cientistas da sua época e com intelectuais e políticos proeminentes das principais capitais da Europa e dos Estados Unidos. As comemorações do segundo centenário da morte desta personalidade do maior prestígio permitem evocar a relação com brasileiros como José Bonifácio, que impulsionou a independência do Brasil...

Nobel de Literatura 2023

O prêmio Nobel de Literatura 2023 foi concedido ao dramaturgo norueguês Jon Fosse, “por suas obras de teatro e prosa inovadoras que dão voz ao indizível”, destacou a Academia Sueca...

Livros de Suassuna concorrem ao Prêmio Jabuti

Aos 81 anos, o ex-senador Ney Suassuna, primo do saudoso acadêmico Ariano Suassuna, resolveu investir na carreira literária, candidatando-se à Academia Brasileira de Letras. Paraibano radicado no Rio de Janeiro, o senador suplente e ex-ministro também é escritor, ensaísta e poeta...

Os efeitos das mudanças na cena literária de hoje

A cena literária de hoje não é a mesma de ontem. A frase pode parecer de efeito ou banal. Mas condensa o que ando pensando a respeito do atual tsunami de “escritoras” e “escritores” que assolam o país. Penso que o fenômeno é interessante e merece, pelo menos, uns pitacos de quem perpassa pelo universo da escrita...

Krenak, primeiro representante dos povos originários na ABL

O ambientalista, líder indígena e escritor Ailton Krenak é o primeiro representante dos povos originários a ser eleito imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL). O autor da trilogia formada por Ideias para Adiar o Fim do Mundo, A Vida Não É Útil e Futuro Ancestral, editada pela Companhia das Letras, vai ocupar a cadeira de número 5, vaga com morte do historiador José Murilo de Carvalho, aos 83 anos, ocorrida em agosto...

Quem lê livro é livre – a capital do livro será no Rio de Janeiro

Vivemos bons ventos na produção literária e vendas de livros em todo o país, após anos de grandes dificuldades. O sucesso da 40ª Bienal Internacional do Livro realizada recentemente no Rio de Janeiro fechou com expressivos números: mais de 600 mil visitantes, e quase 6 milhões de livros vendidos, recorde absoluto de vendas, com média de nove livros por pessoa...

Introdução

No meu entender, há três maneiras de escrever sobre literatura. A primeira é a dos escritores que escrevem sobre si mesmos e suas obras – são autobiografias, diários e outros textos autorreferenciais de ficcionistas, poetas ou dramaturgos...

Começou mais uma guerra

Abra os olhos. Não dá pra desejar Bom Dia. Fomos dormir e na madrugada, distante, mas como se fosse bem ao nosso lado, a festa de música eletrônica é interrompida por bombardeios e ataques de todos os lados. Estamos em guerra também, de alguma forma....

Antiguidades, modernidades e livrarias

Não sou assim tão antigo, mas já começo a me ressentir da falta que fazem certas pessoas e determinados estabelecimentos. Ficarei pelos últimos: em certa época ir ao Rio de Janeiro foi para mim sinônimo de visitar a Guitarra de Prata e outras casas de comércio musical, na rua da Carioca, e a Modern Sound de Copacabana, na altura da Santa Clara...

Noites brancas e pretas

Um meteoro cruzou o céu de minha cidade. Foi um estouro cintilante. Um fragmento interplanetário. Uma aparição fugaz, cheia de filamentos, como uma lâmpada acesa e quente na atmosfera daquela noite. Noite de estrelas cadentes, de desejos que pulsaram como bólidos em meu peito. Há noites brancas e pretas. As noites brancas são cheias de angústia, de vazio, de aridez e secura...

De sinônimos e antônimos

A sinonímia é a propriedade que têm dois ou mais termos, expressões ou palavras reais e instrumentos gramaticais de se empregarem um pelo outro sem prejuízo do sentido, dependendo do contexto. Por essa definição entende-se que existem dois tipos de sinonímia: a das palavras reais e a dos instrumentos gramaticais...

Ve[dor] de estrelas

Maldormido chão.
Maldormido céu
sem nuvens.
Maldormida lua....

Desjardim, Muito Além do Farol do Fim do Mundo, o terceiro romance de uma trilogia estupenda de Silas Corrêa Leite

Desjardim, Muito Além do Farol do Fim do Mundo é um dos primeiros livros escritos por Silas Corrêa Leite, romance que compõe uma trilogia depois de O Marceneiro – A Última Tentativa de Cristo e Ele Está no Meio de Nós. Um crime grave cometido, e o meliante fugindo como se querendo voltar ao começo da louca jornada da vida que fez e levou, e fazer tudo diferente...

Reflexões nas madrugadas insones

Os tempos mudaram!
Arrastamo-nos aos poucos, quase lentamente.
Começamos a observar melhor o transcorrer dos momentos,
O valor do esplendor silente da senectude....

Palavra

Por ela o universo foi feito
Ela transborda e alaga o nosso peito
E às vezes confunde até o mais culto dos sujeitos
É casa, vulcão de lava
Ombro amigo, anjo sem asas
Esconderijo...




Outubro - Edição 296

Entrevista com Roberta Barreto de Oliveira

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Fluminense e alunos do Fundão

Tomei um voo para o Rio de Janeiro para celebrar os 50 anos de formatura da primeira turma de Engenharia de Produção da UFRJ, para qual dei aulas em 1972. Ao lado de outros dois colegas do mestrado e de Itiro Iida, um professor trazido de São Paulo, ficamos responsáveis por 4 disciplinas, tendo que preparar apostilas e materiais didáticos....

O ônibus laranja

Se a gente soubesse antes…
Se a gente soubesse antes… Teria medo de viver? Os fatos adversos empanariam a sutileza do belo, a ingenuidade, as surpresas, o alento, os adágios, o crescendo do que viria a ser? Quando a gente percebe que tem um filho especial, sente uma dor muito grande – pelo profundo receio do que a vida vai lhe roubar, das dificuldades que o esperam, das superações constantes que lhe serão exigidas...

O Livro do Desassossego (e do metaverso) de Pessoa

Vem de longe minha relação com Fernando Pessoa. Aluno de literatura do professor Brandão, na terceira série do segundo grau do Colégio Cearense, em Fortaleza, escolho o texto para o trabalho de conclusão do curso, os versos de “Aniversário”, do heterônimo Álvaro de Campos:
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos, Eu era feliz e ninguém estava morto....

Fiandeira – Raquel Naveira

São palavras de Raquel Naveira na apresentação de sua obra Fiandeira: “Sou uma fiandeira, / Vivo à beira / De tudo aquilo que é frágil, / Que parece fiapo /Ou que está por um fio.” Com essa autodenominação, Raquel Naveira junta-se à longa lista de fiandeiras da literatura universal e, da mesma forma que elas, invoca a figura singular das Deusas Tecelãs que fiam e entrelaçam não só a vida humana, mas também o destino do mundo, pois a poeta sul-mato-grossense sabe-se mulher habilidosa em seu ofício ao fiar, tecer e construir o universo que a rodeia...

Um tiro contra o Imperador

No dia 14 de julho de 1889, o centenário da Revolução Francesa foi devidamente comemorado no Rio de Janeiro. Mas as festas tiveram inesperado desfecho: um tiro no Imperador D. Pedro II. O Imperador, sua consorte e a Princesa Isabel deixavam o Teatro Santana, no Rio de Janeiro, após assistirem a um concerto, quando ecoaram brados de Viva a República...

Angelo Venosa na Casa Roberto Marinho

A obra de um dos maiores expoentes da arte contemporânea brasileira pode ser apreciada até o dia 12 de novembro, na Casa Roberto Marinho. A mostra panorâmica Angelo Venosa, escultor, sob a curadoria de Paulo Venancio Filho, ocupa os 1.200m² de área expositiva do instituto cultural no Cosme Velho, Zona Sul do Rio de Janeiro...

O Dicionário Aurélio

Um dos mais vendidos e consultados dicionários de língua portuguesa, editado em papel, é o do Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, que tem mais incoerências, falhas e erros do que se possa imaginar. O sucesso desse dicionário talvez se deva menos ao critério que norteou sua confecção do que ao fato de ser um volume único, e, portanto, mais facilmente manuseável. O de Caldas Aulete é em cinco volumes; o de Laudelino Freire, em quatro; o de Cândido de Figueiredo, em dois; o de Moraes Silva, o melhor de todos, também em dois. O de Silveira Bueno, embora num volume só, é ruim demais; o de Celso Luft, incompleto; o de Macedo Soares, em dois, e esgotado...

Um homem de vidro

Na rua vi um homem.
Parecia frágil, fino, transparente.
O homem tinha roupas largas,
Desproporcionais.
Se o vento batia forte,
O homem quebrava...

Babel (In)finita de Gilberto Schwartsmann

Uma viagem pela história da literatura Ocidental está disponível ao público amante dos livros até o dia 19 de novembro, na Academia Nacional de Medicina, no Rio de Janeiro.

Trata-se da seleção de obras do acervo do bibliófilo, médico oncologista e escritor gaúcho Gilberto Schwarstmann, que disponibilizou 300 obras de sua coleção...




Setembro - Edição 295

Heloísa Teixeira Imortal

Foi como Heloísa Teixeira que a professora e ensaísta Heloísa Buarque de Hollanda tomou posse na Academia Brasileira de Letras (ABL). O uso do sobrenome de família no lugar do que a tornou conhecida, tomado do seu ex-marido, é uma iniciativa com a qual a nova imortal homenageia a mãe...

Posse de Ricardo Cavaliere na ABL

Um dos maiores filólogos do país, Ricardo Stavola Cavaliere tomou posse na cadeira número 8 da Academia Brasileira de Letras (ABL), no lugar da escritora Cleonice Berardinelli, que morreu em janeiro deste ano, aos 106 anos. Eleito em abril, com 35 de 38 votos possíveis, Cavaliere também é membro da Academia Brasileira de Filologia...

O corvo

Foi depois da chuva com rajadas de vento e trovões que o corvo pousou em minha janela. A ave negra dos românticos, a que costuma planar sobre os campos de batalha a fim de devorar a carne dos cadáveres, a astuta mensageira da morte saída da escuridão, pousou em minha janela....

Origem dos nomes dos dias da semana

Há três tipos de nomes para os dias da semana: os da astronomia ou planetários, os da mitologia nórdica e os numerados, reminiscência da tradição cristã de numerar os dias a partir do sábado...

Uma rendeira nunca está sozinha

Originário da Europa e trazido para o Brasil pelos portugueses, o ofício das Rendeiras de Bilro se espalhou pelo Brasil e no Espírito Santo, onde existem relatos e imagens de mais de um século que registram as rendeiras na Barra do Jucu, Guarapari, Conceição da Barra, São Mateus e Colatina. Essa tradição das rendeiras de bilro teve diminuída sua produção a partir dos anos 1970, e mesmo assim algumas rendeiras continuaram fazendo rendas....

Relembrando Millôr

Aproxima-se o centenário do nascimento de Millôr Fernandes, humorista, desenhista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista brasileiro. Muitas serão as homenagens que lhe serão rendidas, com absoluta justiça....

Às vezes, a última oração é a que abre portas

Poema / Prece

Da cabeça
Aos pés
Eu me cubro
de Amor e Fé
Eu sou a luz
Que nenhuma sombra
Pode encobrir
Nenhuma flecha
Pode ferir...

“Sobre História”

“Aquilo que os historiadores investigam é real; sem a distinção entre o que é e o que não é, assim não pode haver história...

Natália Correia: a intervenção literária e política

A criação literária de Natália Correia possui dois componentes fundamentais: o pendor lírico, ao aprofundar os sentimentos mais íntimos, e a sátira escaldante e corrosiva para ajuste de contas com poetas, escritores, artistas, políticos e outras pessoas que detestava.

Adeus ao acadêmico José Murilo de Carvalho

Considerado um dos maiores intelectuais brasileiros, o acadêmico, historiador e cientista político José Murilo de Carvalho morreu aos 83 anos, em consequência da Covid-19. Um dos grandes intérpretes do Brasil, José Murilo era membro da Academia Brasileira de Letras (ABL)...

Café não se troca!

Saulo Ramos era jornalista em Santos, mas jornalista verdadeiramente militante em A Tribuna, o jornal de maior circulação na cidade. Fazia de tudo, era uma espécie de coringa que a secretaria do jornal usava para qualquer assunto. Jânio era prefeito de São Paulo e frequentava o Guarujá, onde o velho Gabriel, seu pai, tinha uma casa de praia....

A literatura infantil de Ester Abreu

A busca de harmonia entre pessoas, animais e a natureza
Ester Abreu Vieira de Oliveira nasceu em Muqui, em 31 de janeiro de 1933, há noventa anos. Graduada em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Espírito Santo (1960), especialista em Filologia Espanhola (Madri), especialista em Português Superior – Universidade de Lisboa (1968), mestra em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1983), doutora em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994)...

Si vis pacem, para bellum

Se desejas a paz, prepara-te para a guerra (si vis pacem, para bellum), adágio latino atribuído a Flávio Vegécio, está inscrito na Acta apostolicae sedis, promulgada pelo Papa Pio XII (Decretum – 1.7.1949.), revista pelo Papa D. Giovanni XXIII (in Dubium – 4.4.1959.)....




Agosto - Edição 294

Educação: empreendedorismo, sustentabilidade e inovação para a sociedade inclusiva

O importante economista do início do século passado, Joseph Alois Schumpeter, em seu livro Teoria do Desenvolvimento Econômico, expõe com clareza um pensamento que denominou de “fenômeno fundamental” do desenvolvimento...

Cícero e a palavra

As palavras estão carregadas de dinamite. Ninguém provou tanto esse poder quanto Cícero, o filósofo, orador, político e advogado da antiguidade romana. Em minhas duas formações acadêmicas, Direito e Letras, deparei-me com ele, com sua figura de toga branca e cabeça coroada de louros, com seus ensinamentos...

O pai eterno de João Silvério Trevisan

“Quantos caminhos um homem deve andar/ Pra que seja aceito como homem/ Quantos mares uma gaivota irá cruzar/ Pra poder descansar na areia...”, diz a canção de Bob Dylan. Assim foi, e de certa forma tem sido, a trajetória do escritor brasileiro João Silvério Trevisan (1943-...). Nesses quase oitenta anos de vida, andou por caminhos tortuosos, desde a infância em Ribeirão Bonito, no interior de São Paulo, onde foi até apedrejado pelos colegas, e vagou...

Funções do numeral cardinal

O nome cardinal vem do adjetivo latino cardinalis, que significa “principal”, de onde a expressão cardinales numeri, isto é, “números principais, que servem de base a outros”. É da palavra cardinalis, latina, que vem o substantivo cardeal para designar o prelado religioso e o adjetivo que designa os pontos principais de orientação (pontos cardeais)...

Desumanidade humana

Aquele (a) ao relento da madrugada sofre espiritualmente deitado (a) no espaço tijolado do jardim.

Coberto (a) com uma lona plástica...

Muito sal, pouca luz

“Está bom, mas está com muito sal”. Foi a única frase que meu marido pronunciou durante o almoço. O restante do tempo, ele revezou entre o silêncio apático e o olhar interessado nas mensagens que chegavam em seu telefone. Eu já devia ter tomado uma decisão. Não é de hoje que sei que ele se alimenta de outras histórias. Eu relevei com receio das crianças, quando eram crianças. Hoje, nossos filhos estão casados. Moramos apenas nós dois. Eu não dependo dele para nada. Ganho, inclusive, mais do que ele....

Escorpiano

Chovia muito naquela noite. Rando Merla dirigia com cuidado, olhava os retrovisores, a sua esquerda, a sua direita, a coluna de carros que seguia atrás obedecendo o limite de velocidade, sem nenhuma transgressão, exatamente como seu Mapa previra. Pensou em baixar os olhos e olhar para o Mapa impresso...

Mattoso e Herculano

Há dias falecia, aos 90 anos, o historiador José Mattoso, expoente dos estudos históricos em Portugal. Especialista na época medieval lusitana (em especial na história das ordens religiosas e da aristocracia dos séculos X a XIII), Mattoso tinha formação beneditina, tendo vivido vida monástica antes de pedir e obter dispensa dos votos para se dedicar ao estudo da História. Não há dúvida da importância da sua obra também para a historiografia brasileira, sendo ele, como foi, um dos grandes intérpretes das intrincadas redes de relações humanas e institucionais que condicionariam nossa conformação como nação. Dentre outros trabalhos de importância tanto para a historiografia...

A paixão da imagem

Não é exagero dizer que o público que visitou a exposição A Paixão da Imagem, do artista plástico Mario Mendonça, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, saiu apaixonado. Considerado o maior artista brasileiro de arte sacra contemporânea, Mario Mendonça ofereceu aos visitantes a oportunidade de apreciar a ligação luminosa do artista, que sempre se dedicou à figura do Cristo, com o sagrado...

A grande reportagem à volta do mundo

A aventura, nos mares ainda desconhecidos e nas terras ainda ignoradas, de Fernão Mendes Pinto, relatada na Peregrinação, possui a fluência, a agilidade e o imprevisto de uma grande reportagem...

Quem controla a mídia?

As vacinas teriam sido aplicadas, mas com certas reservas históricas, conforme se vê em charge, adiante aludida, risível por sua própria essência meramente lúdica.O Conselho Federal de Farmácia, no Brasil, afirmou, segundo estudo da People´s Vaccine Alliance – PVA, que “as vacinas contra a Covid-19 estão gerando um lucro combinado de US$ 65 mil por minuto para a BioNtech, Moderna e Pfizer”. (CFF, Notícias Gerais, 19 de novembro de 2021)...




Julho - Edição 293

Gabriel Chalita toma posse no Pen Clube do Brasil

Gabriel Chalita, da Academia Paulista de Letras, foi empossado como membro efetivo do Pen Clube Do Brasil. Na cerimônia de posse, Chalita foi recepcionado pela escritora e historiadora Mary Del Priore, também membro da instituição...

Uma noite com Rita Lee na Estação Cidadania

Rita lia
Rita ria
Chorava, esbravejava, esperneava, denunciava, cantava... ah, como cantava!
Cantava os amores, as dores e as alegrias dela e nossas.
Rita, um espírito cantante, vibrante, andante e mutante;
Mulher de garra, atitude e leveza; cria da Mãe Natureza!
...

Afonso Arinos e o buriti perdido

Como outros treze colegas, tive a oportunidade de participar do II Encontro de Escritores em Arinos, coordenado pelo poeta e prosador Napoleão Valadares, autor de vários livros, entre eles História de Arinos. Durante todo o dia 19 de março último, foi fecundo o evento literário, que contou com o apoio do prefeito Marcílio Almeida. Auditório lotado, numerosos estudantes e professores. Além deste amanuense, foram palestrantes os escritores Edmílson Caminha, Marcelo Perrone Campos e Xiko Mendes. ...

A arte de escrever um grande romance

A leitura de A arte de Driblar Destinos, de Celso Costa, recém-lançado em Portugal e obra vencedora o Prémio LeYA 2022, conduziu-me a fazer uma analogia com o que defendeu Vladimir Maiakovski a respeito da criação poética, e considero perfeitamente aplicável à prosa do autor: “Eu/ à poesia/ só permito uma forma:/ concisão,/ precisão das fórmulas/ matemáticas.”...

O Ensino Médio: A minha opinião

Os últimos dez anos apresentaram mudanças profundas que incluem transformações na vida social e no trabalho enquanto muito pouco ou quase nada mudou na educação.

O Ensino Médio brasileiro, sem nenhuma identificação com o seu entorno social, não corresponde em qualidade e quantidade às expectativas dos alunos e do mercado de trabalho...

O adjetivo [-zinho] e a flexão interna

Alguns autores consideram que o [-z] de [-zinho] é uma consoante de ligação, e que, portanto, [-zinho] seria apenas um alomorfe, isto é, uma forma diferente do sufixo [-inho], esquecidos de que os nomes em [-inho] só flexionam o sufixo, como em papelinhos, pastorinhos, florinhas, anelinhos, ao contrário dos nomes em [-zinho], em que a base também é flexionada: papeizinhos, pastorezinhos, florezinhas, aneizinhos. Assim, o plural de barzinho, mulherzinha e pastorzinho é barezinhos, mulherezinhas e pastorezinhos, por exemplo, únicas formas aceitáveis pela norma, ainda que, na fala popular, se empregue o plural sem flexão da palavra base...

Francisco Acayaba Gê de Montezuma

Um mestiço que venceu preconceitos tornando-se uma das figuras mais importantes do Império

Em época tão trepidante quanto o I e II Reinado, um personagem importante invadiu a cena urbana e a Corte: o “mulato”. A palavra, então, já designava “mistura de branco com preto”, e é encontrada nos documentos da época sem maiores adjetivações. Amácula não advinha da associação com os animais como repetem erradamente alguns. Mas do “baixo nascimento”, da modesta origem familiar...

Conceição

A cultura sul-mato-grossense foi profundamente marcada por duas mulheres notáveis de nome “Conceição”: Conceição dos Bugres e Conceição Ferreira.

Conceição dos Bugres era uma escritora primitiva, uma mulher rude, de mãos toscas, cheias de veias e sulcos que se confundiam com a madeira, com a cera das abelhas...

Fazer rir é uma arte

Fazer rir é uma arte que alguns escritores sabem bem manejar por excelência. O humor é diferente da ironia. Aproxima as pessoas, materializa-se e estimula movimentos em quem o recebe com uma carga de efeitos paralinguísticos, e faz jorrar o riso. Enquanto a ironia, não diz literalmente o que pretende, deixa parecer ser outra coisa, contém um teor de intelectualidade crítica, distancia as pessoas com uma carga de sarcasmo e não provoca a gargalhada. Para a maior parte das pessoas, o escritor humorístico é o que faz rir...

Tá tenso. Tá, sim, senhoras e senhores

Tá tenso aí? Tem até rolado uns medos mais esquisitos? Anda olhando para os lados, já não atende celular na rua nem por decreto? Anda de carro com os vidros fechados ou, se tem recursos, mandou fazer blindagem dupla? Se arrepia só pela aproximação de uma moto ou uma bicicleta? Está tenso. A impressão não é só minha ou sua, parece ter mesmo a ver com o clima geral. Pior, clima local, nacional, mundial...




Junho - Edição 292

Cinco anos da Casa Roberto Marinho

Para marcar o aniversário de cinco anos (completados no dia 28 de abril), a Casa Roberto Marinho inaugurou três exposições com obras do modernismo brasileiro e de arte popular, que ficarão em cartaz até o dia 16 de julho, no casarão da Rua Cosme Velho, número 1105...

Almanaque ecológico

A promoção da cultura oceânica é uma das metas da Unesco para a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (Década do Oceano), que a Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou para os anos de 2021 a 2030. Esse período corresponde à última fase da Agenda 2030 – um plano de ação estabelecido pela ONU em 2015 para erradicar a pobreza e proteger o planeta, que contém 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs)...

Colaboradora do Jornal de Letras recebe a Medalha da Inconfidência

Depois de três anos suspensa em função da pandemia, a tradicional solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência, no feriado de Tiradentes, em Ouro Preto (MG), voltou ao seu formato tradicional. Com a presença de autoridades, artistas, políticos e intelectuais de todo o país, o governo de Minas Gerais caprichou na realização da 71ª cerimônia de premiação...

Afonso Duarte: a ambição de ser europeu

A poesia afirma-se na palavra que desperta outra palavra, mais outra e outras mais enquanto se manifesta o ímpeto do diálogo interior. Fixa o que surpreende o poeta a cada momento: as pulsões da terra na sua diversidade, o voo e o canto dos pássaros, a exuberância das árvores e das flores; o curso dos rios, a inquietação do mar....

3 anos de atraso, Chico Buarque recebe Prêmio Camões

O cantor, compositor e escritor Chico Buarque de Hollanda recebeu, no dia 24 de abril, com três anos de atraso, o Prêmio Camões, a mais prestigiosa distinção na área da literatura em língua portuguesa, que lhe foi conferido em 2019. A entrega aconteceu no Palácio Nacional de Queluz, em Sintra, Portugal, em cerimônia da qual participaram, entre outras autoridades, os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa...

A cantora francesa

Ela fazia aniversário no primeiro dia do outono. Como esquecer? Ela não gostava de falar sobre a idade, a não ser quando estávamos apenas nós. Então, ela lamentava os anos que nos separavam. Eu dizia não me importar. E a acariciava com tanta decisão que ela virava a conversa para outro assunto. Eu era estudante universitário, e ela uma atriz, uma atriz que cantava músicas francesas...

Ricardo Cavaliere é eleito imortal

O filólogo Ricardo Cavaliere foi eleito para a cadeira número 8 da Academia Brasileira de Letras. Com 35 votos (contra dois do quadrinista Mauricio de Souza e um voto em branco), ele vai substituir a saudosa professora Cleonice Berardinelli, que morreu no dia 31 de janeiro, aos 106 anos. A especialista em literatura portuguesa foi a sétima mulher a ser eleita para assumir a cadeira. O filólogo era visto como uma boa opção, já que a instituição tem a tradição de fazer substituições com quem tem especialidades parecidas com as de seu antecessor. A Cadeira 8 tem como fundador o professor e poeta Alberto de Oliveira...

Sistema, norma, estilo

Há gramáticos, entre os quais Napoleão Mendes de Almeida, que repudiam como erradas as expressões tevê a cores e tevê de cores, e recomendam apenas tevê em cores, sob a alegação de que, no Brasil, não se diz tevê a preto e branco, mas apenas tevê em preto e branco. Na verdade, a expressão tevê em cores é menos vernácula do que tevê a cores, já que tevê em cores me parece um galicismo (Cf. télé en couleurs). Em Portugal, diz-se televisão a cores/a preto e branco. Ora, as preposições a, de e em, com frequência, se podem intercambiar em várias expressões...

Espelho das metamorfoses de um país

Em seu novo romance, Querida Cidade (Ed. Teodolito, Lisboa, 2023), que surge após um interregno de quinze anos sem publicar, cuja edição portuguesa foi lançada em fevereiro em Póvoa de Varzim, no evento internacional Correntes D’Escritas com a presença do autor, Antônio Torres dá continuidade a uma cartografia peculiar dos sertões geográficos e psicológicos e do seu interior territorial e emocional a partir de sua ancestral Junco, atual Sátiro Dias...

Modiano e a busca de identidades obscuras

Dentre os grandes prêmios literários, o Nobel mantém indiscutível prestígio. Atribuído pela primeira vez em 1901, ganhou um autor francês, o poeta e ensaísta Sully Prudhomme. Na última edição, de 2022, ganhou igualmente uma autora francesa, a romancista Annie Ernaux. Nesses cento e vinte anos de concessão do prêmio, em que foram distinguidos cento e dezenove indivíduos, autores francófonos foram os mais laureados, arrebatando dezesseis deles...

Lamentações

O que me faz chorar? De onde vem essa necessidade de exprimir por meio de lamentos o que está preso na minha alma? De me derramar em desespero esta noite, as lágrimas correndo como ribeiros pelo meu rosto?...

Fundação Oscar Araripe

A eleição da escritora Heloísa Buarque de Hollanda para a vaga da saudosa Nélida Pinõn, na cadeira 30 da Academia Brasileira de Letras, foi marcada por uma campanha inusitada, que trouxe ao noticiário o nome do artista plástico Oscar de Alencar Araripe. O pintor fora o primeiro a lançar, oficialmente, sua candidatura, um dia depois de realizada a sessão de saudade, em homenagem à acadêmica, no dia 2 de março...

Pílulas para o silêncio (Parte CCC)

Encontrei-me noite passada com o companheiro Acácio. Nunca o vira tão soturno: cabisbaixo, frente a um livro aberto, sem lê-lo, e com uma xícara de café a esfriar sobre a mesa. Isso numa cafeteria aqui próxima.
Ao tentar quebrar tão incômodo silêncio, saudando-o com um discreto boa-noite, Acácio, com os olhos marejados, vaticinou:
— A mediocridade está tomando conta de tudo, Clauder Arcanjo!...




Maio - Edição 291

ADeus, Elizabeth

Não conheço os três filhos nem os quatro netos. Gostaria de conhecer. Gostaria de abraçar, abraçando tantas famílias enlutadas pelas despedidas de seus amados em cenários de violência. Uma escola jamais poderia ser um cenário de violência. E foi. E justamente uma escola, Thomazia Montoro, que leva o nome da mãe de Franco Montoro, o governador dos gestos concretos de respeito e afeto aos professores...

O espelho bisotado: um diálogo de textos

O contista, romancista, jornalista brasileiro e membro da Academia Brasileira de Letras, que possui uma vasta produção literária e com quem sempre estou em contato, Ignácio de Loyola Brandão, recebeu nossa crônica Penteadeira, que começa assim: “Restaurou a antiga penteadeira, com o espelho de cristal bisotado e a banqueta de couro, que ficava no quarto dela, a sua mãe. Muitas vezes a filha a viu frente ao espelho, que lhe parecia baço, coberto de pó. A mãe abria potes de cremes, passava unguentos, o rosto lambuzado de grumos. Que esperava encontrar naquelas geleias? Juventude eterna? Mucos verdes escorriam em sua pele. Havia frascos de perfume, meio abertos, violentos, exalando odores fortes em estranha alquimia...

Um Dia Chegarei a Sagres

A literatura de Nélida Piñon (1937-2022) é uma odisseia empreendida com o espírito do tempo. Seu cabedal narrativo possui sagacidade e sensibilidade. Nélida Piñon arvora as suas metáforas a serviço da aventura vocabular e da feitiçaria verbal, com uma fecundidade estética fascinante...

Rui, entre o homem e o mito

Desde menino, ouço falar em Rui Barbosa: o brasileiro mais inteligente, baiano genial, o Águia de Haia, que ao chegar à conferência de paz, na Holanda, perguntou em que língua queriam que discursasse, e que, em Londres, pôs na porta da casa um anúncio, “ensina-se inglês”... Histórias que acabam por encobrir a História, processo de mitificação...

Lourenço 23

O centenário do nascimento de Eduardo Lourenço, cujas comemorações terão início a 23 de maio, vão celebrar, em congressos, seminários e em colóquios, a obra e a intervenção cívica de uma das mais notáveis personalidades da cultura portuguesa. A Biblioteca Nacional de Lisboa tem em preparação uma exposição bio-bibliográfica, que pretende ser a mais exaustiva possível...

Dona Olímpia de Ouro Preto

“Chega um momento em que a vida é distância, e tudo é tarde.”
Abgar Renault, no poema Última Thule

Dona Olímpia – quem diria? – virou tema de escola de samba da Mangueira e brilhou na Avenida Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, em 1990. Na verdade, o fato não foi de todo surpreendente, já que Dona Olímpia era uma figura alegre, carregada de flores e com aquele grande chapéu florido, e senhora de uma boa e animada conversa...

O inventor de verdades

As Aventuras de Alice (no País das Maravilhas e Através do Espelho) oferecem ao leitor mais atento algumas sugestões para a explicação de importantes problemas linguísticos, psicológicos e até biológicos. Lewis Carroll não era um especialista da linguagem. Por isso mesmo, o que me chamou a atenção foram duas verdades inventadas por ele, ambas de interesse para o estudioso da linguística ou da semiótica

Abril, mês dos livros

T. S. Elliot (1888-1965), poeta inglês de origem norte-americana, publicou, em 1922, A Terra Devastada, sua obra-prima. Pelo conjunto da obra, ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, em 1948. Nesse livro, ele afirma: “Abril é o mais cruel dos meses, germina lilases da terra morta, mistura memória e desejo, aviva, agônicas raízes com a chuva da primavera.” No hemisfério norte, abril equivale a outubro, para nós. E o tempo refletido no poema é o pós-primeira guerra, com a Europa devastada, “terra morta”, brotos ressurgindo com a chuva da primavera. “O mais cruel dos meses” refere-se à memória, o passado ruim, e o desejo de vida que renasce...

Caminho das águas

Que em 2023 você tenha fôlego suficiente para mergulhar na piscina dos seus sonhos; no mar dos seus desejos e no oceano de suas realizações.
Que você encontre forças para nadar contra as correntes; sabedoria para aproveitar o fluxo das correntezas e humildade para aceitar as lições das águas...

Direto da Revista

Antes de ser abatido a tiros, em maio de 1957, o deputado Gabriel Quadros chegou a sair no braço com o feirante José Guerreiro, numa disputa pela paternidade de gêmeos. A mãe das crianças, Francisca Flores, casada com o feirante, dizia que eles eram filhos do deputado. Por causa do escândalo, Jânio, o então governador de São Paulo, ameaçou encerrar a carreira política...

Rembrandt e seu médico

ores flamengos do medioevo. Entre os séculos XV a XVII, a região de Flandres reuniu verdadeiros expoentes da pintura mundial, entre eles Rubens, Anthony van Dick, Jacob Jordaens. O que se pretende registrar é a figura do médico de Rembrandt – Ephraim Bueno...




Abril - Edição 290

Acadêmico Arnaldo Niskier é homenageado em Portugal

O Acadêmico Arnaldo Niskier recebeu uma bela homenagem na Academia das Ciências de Lisboa, onde proferiu a palestra A Educação no Brasil – da Companhia de Jesus aos dias de hoje, onde foi muito aplaudido. Selecionamos uma parte do texto:
“Os primeiros colégios e ‘aulas de ensinar a ler e contar’, criados pelos jesuítas em várias localidades do Brasil, a começar pela cidade do Salvador, eram mantidos com sacrifício, mediante esmolas e donativos especiais...

Gavetas da alma

Guardo nas gavetas da alma sentimentos tantos que, por vezes, deixo de lado o tempo de fora para viver o de dentro. Desde criança, fui acumulando. Nem sabia o que ficava, quando, o que não ficava, partia. Guardo sorrisos de dias simples que explicaram o nascer e o morrer. Nascem as manhãs e, com elas, os perfumes de esperança de viver sem medo....

Entrevista com Rosana Lanzelotte

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

A intervenção de Niskier para a transformação do Brasil

Arnaldo Niskier, que é – e há muito, no Brasil, – uma das maiores autoridades em matéria de Educação e de Ensino, encontra-se em Portugal para estabelecer contatos institucionais e uma comunicação na Academia das Ciências, de cuja Classe de Letras é sócio correspondente brasileiro. O tema abrange a história do passado e a problemática do presente. Subordinada ao tema genérico Da Companhia de Jesus à Educação no Brasil nos Dias de Hoje, Arnaldo Niskier, como, aliás, se verifica em numerosos ensaios críticos que tem publicado, não se escusará de abordar...

Sobre linguagem neutra

A gramática é como um edifício, você mexe na parte externa, que é a pintura, que são as palavras, mas não na estrutura, ou seja, na parte interna. As novas palavras ou expressões que nos chegam, na constante evolução da língua, surgem da necessidade que temos de nomear algo que passou a fazer parte da nossa realidade...

O acadêmico Guimarães Passos

A Academia Brasileira de Letras já serviu de tema a obras literárias – inclusive de ficção, enfocando fatos ou personagens que têm a ver com a Casa. É o caso, sem maiores esforços de memória, de Farda, fardão, camisola de dormir, de Jorge Amado, ele mesmo acadêmico. Fábula, aliás, a chamou o autor baiano...

Festa da Penha agora patrimônio cultural dos capixabas

Maior evento religioso do estado do Espírito Santo, a Festa da Penha na sua 453ª edição desse ano acontecerá no período de 09 a 17 de abril, com o tema Com Maria, Chamados a Servir, tendo na sua identidade visual símbolos capixabas, com destaque para o colibri, frutos do café e cacau, como também a imagem de fiéis em romaria...

500 anos se passaram...

“Demorou 500 anos, mas vocês chegaram lá...”: assim o presidente da Academia Mineira de Letras, Rogério Farias, deu posse ao primeiro índio, Ailton Krenak, como membro permanente de uma academia de letras no Brasil. Reconhecido como filósofo, poeta e escritor, o novo imortal é um líder indígena, ambientalista, da etnia krenak, do norte de Minas Gerais. Ailton é um dos nativos de raiz que mais tem lutado pelos direitos civis e de raiz dos povos da floresta no Brasil...

Casos da Fazenda do Retiro

Jornalista e escritor, Villas-Boas Corrêa nasceu no Rio de Janeiro, no bairro da Tijuca, em 2 de dezembro de 1923. Na pia batismal, Luiz Antônio VillasBoas Corrêa. Faleceu na cidade natal em 15 de dezembro de 2016, aos 93 anos de idade. Formou-se em Direito pela UFRJ, em 1947. Foi jornalista político por toda a vida, desde 1948. Trabalhou em vários jornais, como A Notícia, Diário de Notícias, Jornal do Brasil, O Dia, O Estado de S. Paulo...

Ruy Castro toma posse na ABL

O escritor e jornalista Ruy Castro tomou posse na Academia Brasileira de Letras, em concorrida cerimônia no Petit Trianon, na sede da instituição, no Centro do Rio. O evento, exclusivo para convidados, foi transmitido ao vivo pelo site da ABL e pelo canal de Youtube da instituição...

Particularidades da nossa língua

Há muitas curiosidades a respeito do português nas várias regiões em que é falado. Uma boa ideia dessas curiosidades está na coletânea Estudos Linguísticos Crioulos – reedição de artigos publicados no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, com introdução e notas de Jorge Morais-Barbosa (Lisboa: Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 1967)...

Academia de Ciências de Lisboa

Cá estamos na terra de Camões, novamente, a participar das atividades da quase tricentenária Academia das Ciências de Lisboa, ora presidida pelo dinâmico presidente José Luís Cardoso, a suceder as notáveis figuras presidenciais de Adriano Moreira, Luís António Aires – Barros, Artur Anselmo, Carlos Salema e dentre todos o mais longevo – Júlio Diniz –, que a dirigiu por vinte e sete anos...




Março - Edição 289

Adeus a D. Cleo

Acadêmica mais longeva da ABL, Cleonice Berardinelli morreu de insuficiência cardíaca, aos 106 anos, no dia 31 de janeiro, entristecendo sua legião de alunos e admiradores, como os colegas Ana Maria Machado, Zuenir Ventura, Domício Proença e Antônio Carlos Secchin.
Uma das maiores especialistas do mundo na obra de Fernando Pessoa e em literatura portuguesa, a professora foi a sexta ocupante da cadeira nº 8, eleita em 16 de dezembro de 2009, na sucessão de Antônio Olinto...

João e a esmeralda

O sol descansava as névoas e iluminava. O entardecer não tardaria a chegar. O entardecer havia chegado. Foi o que ouvi de João.
Sentado em um banco de madeira velho, remexia os pensamentos e acenava, com educação, aos passantes que caminhavam na praia quase vazia.
Parei um pouco e sentei ao seu lado. O sorriso havia feito o convite...

O ar dos meus desejos: labirintos da escrita de Ana Arguelho

Finalmente em minhas mãos O Ar dos meus Desejos, o livro da professora e amiga de longa data, Ana Arguelho. É preciso, antes de tudo, escrever um pouco sobre nossa amizade. Colegas de ofício, demos aulas de literatura e fomos revisoras por muitos anos da editora da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)...

Entrevista com Sonia Mattos

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

O poder transformador da arte

Quando o então presidente da província de São Pedro do Rio Grande do Sul, Manoel Antônio Galvão, em 1833, doou um terreno, no centro da capital, Porto Alegre, para as obras do Theatro São Pedro, a população não era mais do que vinte mil almas. O sonho, contudo, era o de ter na cidade um grande teatro, que abrigasse com dignidade as diferentes manifestações culturais...

Glória nas alturas

A jornalista Glória Maria é um ícone da profissão, reconhecida como inspiração para mais de uma geração de mulheres negras. Causou comoção nacional a morte da jornalista Glória Maria, no dia 2 de fevereiro. Considerada um dos maiores símbolos do jornalismo brasileiro...

Encontro marcado com Lygia Marina

Em 1981, o Instituto Lusíadas, do meu amigo e colega professor Paulo Peroba, levou a Fortaleza quatro grandes cronistas brasileiros, para um seminário de literatura que ficaria na história. Ana Maria e eu os recebemos no aeroporto: Fernando Sabino, Rubem Braga, Otto Lara Resende e Paulo Mendes Campos. Todos passageiros do mesmo avião...

Dias quentes do verão de 2023

Dias quentes, fervidos, ferventes, fervorosos, agitados. Precisamos justamente de um refresco; por favor, como conseguir?
Ainda irão demorar nessa toada de justificativas, enganos...

Amazônia Perpétua

Continuará: Ela é eterna;

Dispensa o formo crematório das essências:

cena da imprudência humana...

Orçamento nacional

Costumo afirmar que o tempo não integra a Natureza, porquanto ele é uma criação dos homens. Eterna dualidade – o homem e o tempo!
Sol e lua, marcadores dos períodos diurnos e noturnos...




Fevereiro - Edição 288

CIEE-Rio sob nova administração

Foi emocionante a cerimônia de posse da nova Diretoria do CIEE- Rio, no dia 04 de janeiro de 2023, quando, pela primeira vez na história da instituição, uma mulher assumiu a presidência. A psicóloga Andréia Niskier Ghelman foi escolhida pelo Conselho Administrativo para dar continuidade à eficiência e à dedicação do pai...

O embelezador de cotidianos

João era o nome do meu tio. O mesmo do João, primo de Jesus, que anunciava no deserto.
Desde cedo, sempre imitei meu tio. Achava bonito o como ele embelezava suas falas, seus cotidianos....

Acreditação de instituições de ensino

A Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, representou, sem dúvida, inestimável contribuição para o aprimoramento da educação brasileira e, em particular, uma provocação inovadora à melhoria do desempenho das instituições de ensino superior. A sua regulamentação no campo da competência federal...

Entrevista com Natuza Nery

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

O livro de Olavo Bilac que retorna ao leitor

Cento e vinte e oito anos depois da primeira e única edição completa, retorna ao leitor o belíssimo livro de Olavo Bilac (1856-1918), intitulado Crônicas e Novelas e publicado pela Editora Liberdade, de Ouro Preto. Essa obra em prosa foi escrita quando da passagem de Bilac por Ouro Preto em 1893 e publicada em 1894....

Pelé

Parte agora o grande atleta,
talvez vibrando, talvez
sorrindo, como outras vezes
ele partiu para o abraço
depois do seu gol de placa.
...

Sobre O Velho e o Mar

Nesta época do ano, os que vivemos no litoral costumamos ter mais contato com o mar – ou no mínimo, vá lá, com pessoas ocupadas nas nossas praias. Lembro-me então de um nicho literário que prezo, o dos livros que têm o mar como temática. Joseph Conrad, Jack London, Hermann Melville, Peter Benchley, autores que me vêm mais facilmente à memória. Entre inúmeras obras, lembra-me a História Trágico-marítima, Tubarão, Moby Dick e O Velho e o Mar, este último até pelo título...

Carnaval e cinzas na poesia de Manuel Bandeira

Manuel Bandeira (1886-1968) soube mesclar tradição literária e ruptura, passado e presente, em sua obra poética. Em 1917, após uma luta feroz contra a tuberculose, que o impedira de estudar arquitetura e o tornara um jovem deprimido, quase inválido, publica A Cinza das Horas, um dos marcos fundamentais do Modernismo...

Missiva para Nélida Piñon

“A poesia é uma espécie de regresso a casa”. Paul Celan

Poeta,
teu destino
é golpeado
à faca!
...

Particularidades da nossa língua

Há muitas curiosidades a respeito do português nas várias regiões em que é falado. Uma boa ideia dessas curiosidades está na coletânea Estudos Linguísticos Crioulos – reedição de artigos publicados no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, com introdução e notas de Jorge Morais-Barbosa (Lisboa: Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 1967)...




Janeiro - Edição 287

A viagem da saudade

Foi minha filha que me disse. E foi com ela que sonhei um sonho despertador de memórias. Era um dia de escola, dia de professora iluminada criar espaços para florescimentos. Disse minha filha que ela contou uma história e, na história, havia uma viagem no tempo. E o tempo da visitação dos viajantes era decidido pelos próprios viajantes....

Dafne

Abro a porta. É de noite. É uma porta antiga, com chavão do século XIX, do tempo em que o frufru dos vestidos das sinhás e sinhazinhas recendia na noite o perfume de suas águas de cheiro. É um quarto escuro, penumbroso. É um quarto vedado, um aposento defeso aos olhares de estranhos....

Linguagem neutra

No meu último livro Pequenos Estudos de Língua(gem) (2.ed. São Paulo: Opção, 2021), tentei mostrar, de maneira sutil, que os que advogam uma linguagem neutra, como “querides alunes”, em que o feminino e o masculino se fundem numa desinência única, partem de um equívoco – confusão entre gênero e sexo – e do desconhecimento da própria língua – a formação do masculino em português a que acresceu o neutro latino...

Neruda

Neruda,
Escrevo-te esta carta
Porque preciso de ajuda,
Poderias me enviar da Ilha Negra
Um punhado de peixes cintilantes,
Um sopro de vento salgado,
O som dos sinos
De quem entra
Em teu jardim?
...

Andejo

Pela estrada vem a boiada com o tropeiro
a soprar o berrante na nuvem de pó no vaguear da madrugada.
Ele, com a chibata flexível e longa, fustiga o gado que muge
indisposto sob a luminosidade da lua cheia.
...

Entrevista com Lauro Moreira

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Mãos femininas que ajudaram a tecer a nossa Independência

Era setembro e soprava
Pelos campos os fortes
Ventos das mudanças
Nas águas cristalinas
Do riacho Ipiranga
Borbulhavam notícias
Da mais real importância
O tempo em sua oração e
As sementes ansiando a luz
No escuro do chão
Clamavam por uma firme
Tomada de decisão
...

Reflexões sobre a arte da escrita

Bibliófilo, exímio poeta, professor que é uma referência para diferentes gerações de seus muitos alunos, crítico literário de enorme importância para a literatura brasileira, acadêmico de atividade constante, Antonio Carlos Secchin presenteou seus leitores, neste ano de 2022, com uma de suas facetas (ao menos até agora) de menor evidência em sua profícua produção: a de prosador. Em seu livro mais recente,...

Adolescente matou duas professoras e uma criança. Ou seja: vai acontecer de novo

Adolescente invadiu duas escolas no Espírito Santo, atirou em 11 pessoas e matou duas professoras e uma criança. Por todos os canais abertos e fechados, pululam especialistas em tudo. Psicólogos, Psiquiatras, Psicanalistas Religiosos, Políticos Policiais e os “analistas” de tudo tentam emplacar uma “explicação”....

Cinzas no mundo

Os semitons são as expressões do esmaecimento das realidades das cores. O mundo acinzentado é uma degenerescência da miscelânea da cor branca e da ausência da luz (cor negra), raízes únicas da cerebração, frente ao universo da visão humana....




Dezembro - Edição 286

Em busca de uma terra para chamar de sua – Parte II

Lendo agora o romance de estreia da cearense Raquel de Queiroz, entende- -se por que ele fez estragos nos espíritos da sua época. O Quinze foi publicado em Fortaleza em 1930 e causou sensação pelo drama que descreve: o embate entre o homem e a natureza no trágico destino de um povo assolado pela grande seca de 1915, que estava longe de ser a última....

Navegar é preciso

Chegou ao fim, no último dia 5 de novembro, a 4ª Delegação ABMES Internacional – Portugal Experience. Após dois anos de espera e muita expectativa, as missões internacionais da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior finalmente puderam ser retomadas...

Para minha prima, Eugênia

Prezada prima, peço que compreenda o meu afastamento já que não compreendo o afastamento da sua razão. Ao contrário do que você diz, não sou radical. Sou radicalizado no território sagrado que conquistei com dor. Eu não estou entre a direita e a esquerda, entre este ou aquele candidato. Eu estou entre o que me desrespeita a alma e agride minha gente e o que representa um sopro de esperança e de liberdade em território tão arrasado. Prima, eu, como você, sou nordestino. Nascemos no interior das Alagoas. Pobre, vi minha mãe, sua tia, maltratada por um médico e sonhei ser médico...

Ossos

No laboratório de nossa escola, havia um esqueleto. Ele ficava bem na frente, pendurado por uma haste de metal, com seu sorriso irônico, seu ar pensativo de quem já penetrou o segredo do além. Enquanto o professor de Ciências dava aula sobre a clorofila das plantas, ele balançava levemente como se fosse, a qualquer momento, acenar com seus dedos descarnados. Eu me esforçava para pensar que era semelhante a ele e que não era, ao mesmo tempo...

Entrevista com Cora Rónai

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura......

Resgatando Carolina Nabuco

Já tive oportunidade de registrar em texto opinião do romancista espanhol Arturo Pérez-Reverte sobre protagonismo feminino em obras de ficção. Disse o festejado autor em entrevista que se pode ler na internet que “hoyelhombre está agotado como limón de paella, ya se ha escrito todo sobre él”. A incisiva afirmação sinaliza um aparente pouco interesse atual por histórias protagonizadas por personagens masculinos: antes, estaríamos ansiosos por personagens femininas – o que soa natural, ante o crescente protagonismo das mulheres em todas as áreas. Seja como for, a constatação de Pérez-Reverte se revela hoje uma tendência editorial mundo afora...

A dama da medicina

Com a posse na Academia Nacional de Medicina de uma das vozes mais importantes da ciência brasileira, a pneumologista e pesquisadora Margareth Dalcolmo é a quinta mulher na instituição e a 8ª na história da associação, que existe há quase 200 anos....

Natal, em 50 palavras

A narrativa de Teixeira Gomes a propósito de uma ceia de pescadores, dentro de um barco, no Algarve, convoca a memória dos que partiram e já não voltam mais e a presença dos que se encontravam longe e deviam estar perto....

Silviano Santiago vence o Camões

O ensaísta e poeta mineiro Silviano Santiago, aos 86 anos, venceu o Prêmio Camões 2022, um dos maiores reconhecimentos da literatura em língua portuguesa. A 34ª edição do prêmio, organizado pelos governos de Portugal e do Brasil, dará ao vencedor 100 mil euros. O júri responsável pela escolha é formado por representantes do Brasil, de Portugal e de países africanos de língua oficial portuguesa....

Moqueca, a marca do capixabismo

A experiência de saborear uma moqueca de peixe capixaba bem preparada, com todos os temperos que aguçam o nosso paladar, é marcante. De acordo com os historiadores, a moqueca é de origem indígena antes mesmo da chegada dos portugueses ao Brasil. A palavra moqueca é derivada do tupi “pokeka”, que significa “enrolado”, onde usavam o peixe enrolado em folhas, e assados em um tipo de forno “moquém”. Assim como outros pratos da gastronomia capixaba...

Mendoza e seus vinhos

Alguns anos atrás, a convite do diplomata Sérgio Couri, do Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), honrado embaixador brasileiro, à época Cônsul Plenipotenciário do Brasil em Mendoza, na Argentina, a Academia de Letras de Brasília desenvolveu pioneiro e internacional encontro lítero-cultural...




Novembro - Edição 285

Em busca de uma terra para chamar de sua – Parte I

Andavam para o Sul, metidos naquele sonho. Uma cidade grande, cheia de pessoas fortes (...). Chegariam a uma terra desconhecida e civilizada, ficariam presos nela. E o sertão continuaria a mandar gente para lá.
Graciliano Ramos – Vidas Secas


O tema central deste ciclo que aqui se inicia – Vozes do Nordeste – puxa memórias, pede leituras e releituras, leva as amigas e os amigos ouvintes a ponteios de viola, rasgar de sanfona, sopros de pífanos, zabumba, xaxados, xotes, maracatus, baiões, forrós, cantigas de roda;...

Prêmio Nobel de Literatura

Em 2008, o Prêmio Nobel de Literatura foi concedido a um francês – Jean-Marie Gustave Le Clézio, romancista, ensaísta, escritor de livros infantis, autor de mais de 40 obras, entre elas: Deserto, Estrela Errante, O Processo de Adão Pollo, Índio Branco, O Caçador de Tesouros, Diego e Frida, A Febre...

Voejam insetos

Sem porteiras e pedágios; no espaço; em grandes quantidades; coloridas, brilhantes, vivas, em estilo “heliconae”, ziguezagueando para todos os lugares, sem direcionamento fixo. Mas voltam, sim! E as pálpebras dos seres humanos ficam abertas, segundos sem piscar; as retinas abrem as membranas para os olhos enxergarem as maravilhosas borboletas que revoluteiam nas várias direções livremente...

Açores

Açores: arquipélago no meio do Oceano Atlântico. Ilhas dançam sobre o mar. Destroços de um continente formado por lavas vulcânicas, caldeiras que viraram rios e chuvas de pedras pomes. Paisagens que impressionam: campos verdes, vilas de pescadores, areias com fosforescências ao sol, restos de antigas embarcações, touceiras de hortênsias azuis, vinhedos cultivados entre as rochas. Nessas praias naufragaram navios, aportaram as caravelas dos Descobrimentos, saltaram marinheiros, corsários, escravos, fidalgos, condenados e todo tipo de aventureiros. Os portugueses começaram a povoar as ilhas por volta de 1432. Ali ingressaram também flamengos, bretões, norte-africanos. Construíram castelos, fortalezas, fortes, redutos, trincheiras, em meio a raios e furacões...

Entrevista com Laurentino Gomes

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura......

História e ficção

Como os limites entre ficção e História continuam a me ocupar, extraio do meu Breves Notas Quase-literárias (2017): “Anoto do excelente O teatro de Camilo, de Luiz Francisco Rebello (Lisboa: ICLP, 1991) que, estando Almeida Garret, por volta da década de 1830, empenhado na reforma do teatro em Portugal, procurava seguir de perto algumas das balizas fixadas por Victor Hugo no prefácio ao Cromwell. No entanto, segue o autor, nem todas as recomendações observava; por exemplo, o autor português não sacrificava à ‘cor local’ mais que as exigências do enquadramento histórico da ação o exigissem...

Ao Veiga, com carinho. Memória e sentimento.

“Toda a literatura é fantástica. Até o que se escreve sobre ela” (J.J.Veiga)

A partir dos anos 1960, ocorreu um boom dos escritores latino-americanos pelo mundo. Cortázar e Borges, Rulfo e Roa Bastos, Vargas Llosa e Garcia Márquez, dentre muitos outros, escreviam um tipo de literatura a que se chamou “realismo fantástico” ou “realismo mágico”...

A literatura transforma o mundo

O escritor é aquele estranho sujeito que, caminhando por um jardim perfumado, repara em um discreto cheiro de estrume. Ou que, em meio ao esgoto, percebe uma humilde flor que ali nasce. Livros são feitos sobre esses desencontros e perplexidades, sendo errado achar que as distopias são profecias, quando, na verdade, nos alertam. O desconforto é apenas maneira de dizer que o mundo poderia ser melhor, poderia ser justo, poderia ser compreendido. Sobre isso, Fernando Sabino foi magistral quando disse em Um Encontro Marcado, “...como se você procurasse atingir o bem negativamente, esgotando todos os caminhos do mal. É preciso ter pulso, é preciso ter estômago”...

20 conselhos a um aprendiz de poeta

1 – Não espere retorno. Já é uma grande bênção ser um semeador de boas palavras;
2 – Tenha muito cuidado ao utilizar a pena e mais ainda ao usar a fala. O que você escreve ou diz, revela muito sobre quem você é;
3 – Lembre-se que há diferentes tipos de solos onde as sementes da escrita podem cair: os férteis, os pedregosos e os cheios de espinhos;
4 – Use sempre a palavra para edificar e evoluir;
5 – Nem todos vão compreender o que você diz ou escreve. Tenha paciência, pois cada um está em seu grau de evolução;...

Confidências do licaniense

Clauder Arcanjo não guardou escultura do velho santeiro Alfredo Durval nem pedra de ferro como Drummond em Confidência do Itabirano, famoso poema autobiográfico. Mas guardou a fotografia na parede da Matriz de Licânia, sua cidade, e mais prendas que traz para o leitor. São reminiscências guardadas no coração, na memória do menino, na pele, na sola do sapato – tema do seu mais recente livro Confidências Literárias (Mossoró: Sarau das Letras, 2022), em belíssima edição de encher os olhos...

Aniversário do Gonzaguinha

Eu sei que ele morreu e morreu jovem. Sou um homem que sabe das coisas, só não sei como as coisas chegaram onde chegaram. Gonzaguinha, que nasceu no dia em que nasce a primavera, escreveu o amor e a liberdade como convicção de vencer as ditaduras e de resistir: “Nunca se entregue, nasça sempre com as manhãs.”...




Setembro - Edição 283

O Amor na cidade da luz

Foi na Cidade Luz. Toda cidade é luz quando habita uma história de amor. Acordei já ciente do que deveria fazer. Nos dias que antecederam nossa viagem, preparei os dizeres. Nas costuras das nossas vidas feitas uma, só uma palavra cabia, amor; só um verbo a ser conjugado, amar...

Adeus ao gênio Jô

Depois de uma bem-sucedida carreira de seis décadas, com uma incrível capacidade de traduzir, satirizar e divertir o Brasil, o público se despediu, com tristeza, do carioca José Eugênio Soares, o eterno “Jô”. A notícia de sua morte, aos 84 anos, divulgada no dia 5 de agosto, repercutiu tanto na sociedade brasileira, quanto na imprensa internacional. Nascido na cidade do Rio de Janeiro, José Eugênio Soares foi o único filho do empresário paraibano Orlando Heitor Soares e da dona de casa Mercedes Pereira Leal. Pelo lado materno, era bisneto do conselheiro Filipe José Pereira Leal, diplomata e político que, no Brasil Imperial, foi presidente da província do Espírito Santo...

Os discursos acadêmicos

Estamos em plena campanha eleitoral e, nesta época, as falas e os discursos se sucedem. São encontros, cerimônias e eventos em que urge falar para expor ideias – quaisquer que sejam elas, a esta altura. Parece que em todas as ocasiões falar é o que importa, mesmo que à custa da paciência do ouvinte. Ora, a Oratória é uma arte, e sendo assim tem regras próprias para que da tribuna ou do púlpito se possa ter na conta de discurso uma fala qualquer...

A posse de Eduardo Gianetti na ABL

Em cerimônia solene no Petit Trianon, na sede da Academia Brasileira de Letras, no Centro do Rio, com transmissão ao vivo pelo site da ABL e pelo canal de Youtube da Instituição, o escritor, professor e economista Eduardo Giannetti da Fonseca tomou posse na cadeira de número 2 da Casa de Machado, sucedendo ao filósofo e professor Tarcísio Padilha, falecido no dia 9 de setembro do ano passado. Os ocupantes anteriores foram Coelho Neto (fundador), João Neves da Fontoura, João Guimarães Rosa e Mário Palmério. ...

O poeta e as cataratas

Lavaste minha alma
Com a brancura de tuas águas
Enquanto corria livre feito
Criança descalça pelo meu
Viajante coração...

Entrevista com Alexandre Valle

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Incomensuravel talento

Até o dia 9 de outubro, o público terá a oportunidade de apreciar a Incomensurável paixão, da artista plástica Isabela Francisco, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema. O título da nova exposição da inesgotável capacidade criativa de Isabela revela o superlativo talento da artista e seu firme compromisso em dialogar com os sentimentos humanos mais profundos....

Panorama literário

No primeiro trimestre de 2022, recebi livros de Josina (Jô) Drumond, Jorge Elias Neto e Matusalém Dias de Moura. Jô Drumond, poeta, ensaística, contista e tradutora, com mais de 20 publicações, me presenteou o livro Poémáqua – Poemas e aquarelas, dividido em três partes: Diversos, Reflexões e Amores, e a obra Simplesmente Mulher....

Uma ponte entre o coração e a consciência

Bravura, persistência e coerência. Aos que me perguntam o que é necessário para continuar acreditando na Arte como potência, essa é a minha resposta. Jornalista há 34 anos, mãe há 29, professora, há 23, e escritora há 11 anos, trago em mim a convicção do quanto a palavra é poderosa. O fio que me conduziu à Literatura evidencia o legado potente das trajetórias que elegi como heroicas. Somos frutos das escolhas de nossos próprios mitos....

Você, amanhã

No Brasil, o exercício da Medicina é regido pela Lei nº 12.842/13, que estabelece:
“Art. 2º O objeto da atuação do médico é a saúde do ser humano e das coletividades humanas, em benefício da qual deverá agir com o máximo de zelo, com o melhor de sua capacidade profissional e sem discriminação de qualquer natureza.
Parágrafo único. O médico desenvolverá suas ações profissionais no campo da atenção à saúde para:
I – a promoção, a proteção e a recuperação da saúde;
II – a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das doenças;
III – a reabilitação dos enfermos e portadores de deficiências.”...




Agosto - Edição 282

O espelho azul

As bordas dos antigos espelhos, geralmente, são douradas ou de uma madeira fosca, com cor de madeira mesmo. A de casa, não sei por quê, tem a borda azul. Desde que me lembro de lembrar, me lembro desse espelho. Grande. Envelhecido já naquele tempo...

José Carlos Oliveira, a atualidade da crônica

A crônica exerce sobre o leitor uma atração natural, talvez pelo talhe esguio da forma e o calor envolvente do conteúdo. Sua ligeireza convida à leitura, e época houve em que os jornais lançavam mão dos cronistas para fidelizar público. Lembra-me aqui um deles, dos bons e argutos que passaram pela imprensa carioca (o que vale dizer, brasileira), numa altura em que a vertiginosidade dos acontecimentos começava a se pôr e a irreverência se revelava uma das vias possíveis para a tradução daquilo tudo ao leitor...

O novo imortal Godofredo de Oliveira Neto

O romancista e professor Godofredo de Oliveira Neto foi eleito imortal da Academia Brasileira de Letras, entre nove candidatos, para a cadeira antes ocupada por Cândido Mendes de Almeida, que morreu em fevereiro deste ano. O catarinense, de 71 anos, recebeu 22 votos e passa a ser o sexto ocupante da cadeira 35...

Crer ou descrer, eis a questão

Oriunda de família extremamente religiosa, fui batizada, catequizada e crismada. Repetia como papagaio o que me havia sido ensinado pelas freiras, durante a catequese. “Quem é Deus? Deus é um espírito perfeitíssimo e eterno, criador e redentor do Céu e da Terra.” Na minha ingenuidade, repetia aquilo de cor, sem saber o que era “espírito”, o que era “redentor” e muito menos quem era “Deus”. A distinção entre Céu e Terra era simples. Sabia que o céu era azul e a terra, marrom; que o primeiro ficava acima da minha cabeça e a segunda, sob meus pés...

Faculdade voltada para a Avaliação

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Jorge Caldeira é eleito imortal da ABL

O escritor, editor e sociólogo Jorge Caldeira, de 67 anos, foi eleito, por maioria absoluta de votos, à cadeira número 16, da Academia Brasileira de Letras (ABL). A vaga foi aberta com a morte da saudosa escritora Lygia Fagundes Telles, falecida em abril deste ano. Caldeira concorria com outros nove nomes e recebeu 29 votos. Participaram da eleição 33 acadêmicos, de forma presencial ou por carta. A posse ainda não foi marcada, mas está prevista dentro do prazo de três meses...

Machado de Assis: estátua viva

A pessoa que mais tenho visto e de que me lembro aqui no Rio de Janeiro é o escritor Machado de Assis. Não foi à toa que vim morar na rua das Laranjeiras. Algumas vezes caminho rumo ao Largo do Machado, com suas barracas de livros usados, de flores (e eu “por flor tenho loucura”, como dizia uma música de Cássia Eller); suas mesas de pedra, onde idosos jogam baralho e xadrez; sua entrada do metrô, conduzindo filas intermináveis de gente pelos subterrâneos que levam aos bairros, às florestas, aos estádios, às favelas e às praias. Passo antes pelo concorrido sinaleiro em frente à suntuosa Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, que lembra a de St. Martin em Londres...

Iguana, uma iguaria

Há pessoas que se acostumaram a comer bife de carne de boi ou de porco, de tal forma, que torcem o nariz empinado para qualquer outro tipo de alimento, quando se trata de carne. Aceitam, quando muito, frango. Nem mesmo um bife de fígado. Coelho, paca, javali, capivara – nem pensar! Não sabem o que estão perdendo. Conheço pessoas que têm horror a dobradinha, a caldeirada de frutos do mar ou a buchada de bode à moda nordestina. Também não sabem o que estão perdendo...

As aventuras do conselheiro Aires em Brasília

“É por causa de gente como o senhor, sempre disposto a acomodar,
que as coisas não avançam, Hugo falou.
O senhor é puramente livresco, disse Miguel, no centro da mesa.
Um homem de papel, completou Hugo.
Isso não posso negar, respondi contrariado.” (Pág. 145).

Quem respondeu contrariado foi o conselheiro Aires, personagem-narrador que migrou do romance Memorial de Aires (1908), de Machado de Assis, para o recém-lançado Homem de Papel (2022), de João Almino, seu oitavo romance. Ambos dispensam apresentação...

Longevidade

Esta jovem francesa de Arles, do norte da França, que chegou a conviver com Vincent van Gogh, alcançou a idade de 122 anos, tendo participado de um filme intitulado Vincent e moi. A longevidade sempre foi motivo de permanentes buscas civilizacionais, mormente entre os alquimistas, que imaginavam ser o elixir da longa vida – dito Elixir da Imortalidade, a panaceia universal, curativo de todas as mazelas do corpo humano, a prolongar a vida de forma indefinida...




Julho - Edição 281

A história, o avião, o rei

A editora Harper Collins, do Rio de Janeiro, publicou, em 2019, em tradução de Milena Vargas, o magnífico livro do escritor italiano Alberto Angela, Cleópatra – a rainha que desafiou Roma e conquistou a eternidade...

Verde: a cor favorita de Lygia Fagundes Telles

Mergulhei nos estudos da vida e obra da grande dama da Literatura Brasileira, Lygia Fagundes Telles (1918-2022). Conheci-a há muito tempo, desde a década de 1980, em minhas viagens a São Paulo. O primeiro encontro foi no Museu de Arte de São Paulo, numa Bienal. Quando ela entrou no salão, causou impacto. Seu brilho pareceu-me tão forte quanto o de uma estrela cintilante...

Revista da ABL repaginada

Combinando o clássico e o contemporâneo, a Revista Brasileira, da ABL, mais antiga em atividade no país, voltou repaginada, sob a direção da acadêmica Rosiska Darcy de Oliveira....

Polemistas e liberdade de expressão

Hoje em dia parece que quem não se manifesta nas redes sociais está condenado a não existir; é quase como se a essência do ser tivesse passado a residir na opinião. Só que, opinando sem refletir, bom senso e polidez acabam esquecidos e fazendo falta...

Entrevista com Rosiska Darcy de Oliveira

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

O amor que não tive

Hoje acordei emaranhando palavras carregadoras de sentimentos que o tempo teima em não dispensar. Já faz tempo que ela morreu, minha mãe, dona Sílvia de Albuquerque Quental Cavalcante. Gostava ela de exibir nome e sobrenome. Albuquerque era do pai. Quental Cavalcante, acréscimo do marido, meu avô...

Tancredo Neves e a maldade

Fernando Lyra era grande amigo de Tancredo Neves, que gostava muito dele, por ter um jeito aberto, simpático, corajoso e por ser bom amigo. Todos sabiam que o Fernando Lyra seria ministro do novo governo. Julgava-se até que ele seria o chefe da Casa Civil....

Posse do imortal Paulo Niemeyer Filho

A presença e a importância da ciência foram reforçadas na Academia Brasileira de Letras, com a posse do neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, em concorrida cerimônia, prestigiada por profissionais de várias áreas. O novo acadêmico, autor de livros como O que é Ser Médico e No Labirinto do Cérebro (finalista do Prêmio Jabuti), passa a ocupar a cadeira de número 12, deixada pelo escritor e crítico literário Alfredo Bosi, que morreu de Covid, no dia 7 de abril de 2021....

Com o passaporte da literatura, José Paulo Cavalcanti Filho toma posse na ABL

Advogado, romancista e pesquisador, com mais de 18 títulos publicados, o jurista e escritor pernambucano José Paulo Cavalcanti Filho, de 74 anos, tomou posse na Cadeira 39 da Academia Brasileira de Letras, no dia 10 de junho, em concorrida cerimônia no Petit Trianon, na Casa de Machado. Até o ano passado, a Cadeira 39 também pertencia a um advogado pernambucano: o ex-vice-presidente da República Marco Maciel, falecido em 2021. Os ocupantes anteriores foram: Oliveira Lima (fundador) – que escolheu como patrono Francisco Adolfo de Varnhagen –, Alberto de Faria, Rocha Pombo, Rodolfo Garcia, Elmano Cardim, Otto Lara Resende e Roberto Marinho...

Vida sonâmbula

Não sei se você já percebeu, mas há uma grande paz na imagem de um cachorro dormindo. Eles parecem sorrir. E sonham.
Alguns cachorros sonham com grandes caçadas e até mexem as patas enquanto dormem...




Junho - Edição 280

Dia Internacional da Língua Portuguesa

Os geminianos, criaturas nascidas no signo de Gêmeos, ditos mercurianos, que perambulavam pelos meandros da mitologia grega, representados pelas divindades denominadas Castor e Pólux, denominados diáscoros, filhos de Zeus e Píndaro, marido de Leda, de Esparta, na ambivalência da imortalidade das deidades e na finitude dos mortais, foram guindados como protetores dos navegantes da Grécia Antiga, uma vez que participaram da expedição dos Argonautas. Os desdobramentos mitológicos permeiam estórias infindáveis da deificação milenar de nosso orbe, a projetar as figuras míticas dos gêmeos, protetores dos marujos em alto-mar, a usarem elmos donde espargiam raios de santelmo, luminescência com resplendor de brilhantes faíscas branco azuladas...

Crônicas do Atibaia

A partir de uma seleção de suas crônicas publicadas nas últimas quatro décadas na imprensa de Campinas, Sergio Castanho apresenta, em Crônicas do Atibaia (Pontes Editores, Campinas: SP, 2021), uma visão arguta e sentimental de sua senda situando-a às margens do rio Atibaia, ali radicando as Atibáiades, ninfas do rio Atibaia, que o inspiraram, tal como fizeram as ninfas do Tejo – as Tágides – a Camões, a colocar por escrito seus sonhos...

Entrevista com José Augusto Minarelli

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Adrede

“De Propósito, de caso pensado; intencionalmente; previamente.”
Aurélio Buarque de Holanda Ferreira


“Ooohhhh!”
A gigantesca nave, posicionada na Candelária, expandia seu tamanho e cobria a Presidente Vargas num diâmetro de círculo bastante irregular, emitindo estribilhos sonoros e vários feixes de luz sobre a multidão na Central do Brasil agora silenciosa...

A mulher do trapezista

Ele já se aposentou. O circo já nem mais existe. O trapézio, onde o vi pela primeira vez, sabe lá Deus onde estará descansando. Mas foi assim que fiquei conhecida, “a mulher do trapezista”. Lembro-me daquele dia como se fosse o dia escolhido para o mundo me explicar o sentido do amor...

Rosa numinosa

Rosa Numinosa, o novo livro de Diego Mendes Sousa, é daqueles livros que nos fascinam do início ao fim. São belos poemas escritos com muito esmero e que tocam lá no espaço mais profundo de nossa alma...

Quando os bons silenciam...

Diante do apocalíptico desencadear da violência que diariamente toma de assalto a nossa sociedade, surge uma inquietante pergunta: será que esses terríveis acontecimentos estão nos arrastando novamente para a idade das trevas?...

Há 150 anos nascia Júlio Salusse, o poeta dos cisnes

O fluminense Júlio Salusse escreveu vários sonetos, mas ficou famoso por um apenas, que em outros tempos se tornou um sucesso: Cisnes. Românticas senhoras e moças sabiam-no de cor, suspirosas. Os homens também gostavam. O célebre soneto rompeu o tempo e deu fama a Salusse, como o Soneto de Arvers imortalizara o francês Alex – Felix Arvers. Júlio Salusse tornou-se, para sempre, “o poeta dos Cisnes”. Cysnes (segundo a grafia vigente na época) veio a lume em 1893...

De licor de pitanga e personagens literárias

Estando na capital pernambucana, não se deve deixar de ir à Casa Museu Madalena e Gilberto Freyre, em Apipucos: ali, o escritor instalou o seu recanto. Assim como o fez Jorge Amado no bairro do Rio Vermelho, em Salvador, onde construiu a residência da família, que igualmente se visita. Ambas as casas são endereços famosos e que hoje, com o desaparecimento físico dos proprietários, perpetuam a memória dos seus sucessos e a intimidade dos seus hábitos...

Um São João de reencontros

Na cultura popular brasileira, principalmente no nordeste brasileiro, as festas juninas têm lugar especial, pois, além de valorizarem as tradições locais do país, também revelam muitos elementos históricos, religiosos e mitológicos curiosos, que passam despercebidos. As festas, como todos sabem, seguem o calendário litúrgico da Igreja Católica...

O mistério de Ayanna

Ayanna era uma aldeia como qualquer outra. Tinha casas, ruas e pessoas como em qualquer outro lugar. Vila pequena, pacata, com pouco trânsito, árvores frondosas e crianças brincando na rua. Mas havia uma diferença e um grande segredo. No centro da aldeia, havia uma torre alta coberta com estranhos desenhos coloridos: a torre do destino. No centro da torre, uma estreita escada em caracol, com 365 degraus, levava a um mirante...




Maio - Edição 279

Adeus à grande dama da literatura

Ícone da literatura brasileira, considerada por críticos “a maior escritora brasileira enquanto viva” e uma das mais importantes e notáveis escritoras brasileiras do século XX, Lygia Fagundes Telles também era chamada de “a grande dama da literatura brasileira”...

Lendas do mar

“Quanto menos El Rey espera,
mais eu chego,
noite alta, madrugada, manhã cedo,
na nau catarineta da quimera.”
(Trecho do poema “Um fado cego”, de Donne Pitalurgh.)...

Ossian e os “poemas gaélicos”

Polêmicas atraem a atenção das pessoas, o interesse dos leitores, a curiosidade do público em geral. Nos domínios da Literatura, não são poucas as que se podem listar ao longo dos tempos: de embates entre polemistas nas páginas dos jornais a julgamentos de autores na barra dos tribunais, de acusações de plágio a atribuições duvidosas de autoria, o interessado nesses assuntos tem matéria de sobra com que se ocupar...

Entrevista com Humberto Casagrande - Aprendiz, jovem, mercado de trabalho

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Aracy Balabanian e a Armênia

Perplexos, estamos assistindo a um genocídio, ao extermínio deliberado dos ucranianos pelo russos. Milhares de pessoas em movimento, tentando fugir da zona de combate, cruzando fronteiras, espalhando-se pelo mundo. Algo semelhante aconteceu com a Armênia que, durante a Primeira Guerra, foi tomada pelos turcos otomanos, que acusaram os armênios de serem aliados dos russos...

Obelisco

Sob a coluna em mármore alongada, no ápice a cúpula meia-lua, o ex-presidente Juscelino Kubitscheck de Oliveira, estátua de bronze e em pé, simboliza um abraço à nossa amada Pátria fértil. A bravura, visual expansivo pela construção de Brasília. Fundador – “Tudo se Transforma em Alvorada nesta Cidade. Que se Abre para o Amanhã”...

Milton Campos

O doutor Milton Campos, um dos grandes nomes da UDN, intelectual brilhante, advogado, jornalista, foi deputado constituinte, governador de Minas, senador, candidato a vice-presidente da República, ministro da Justiça. Estava, certa vez, no aeroporto do Rio, quando se aproximou dele uma sessentona, daquelas mulheres engajadas na política:
– Doutor Milton, eu sou da UDN, mas da UDN verdadeira: fui uma das viúvas da rotativa e sou da UDN da calúnia! Da calúnia, doutor Milton, como o senhor!...

Escudos da alma

Decidi, depois de alguma idade, voltar aos bancos escolares. Não que esteja velho. É que os outros, que ocupam comigo os espaços da aprendizagem, ainda engatinham na fascinante aventura da vida. Aventura onde também vivo eu. Eu que, a duras penas, compreendi o significado das cicatrizes. Eu, tantas vezes, feito sem importância na vida dos outros. Amei desesperadamente, o que já demonstra um certo desconhecimento do amar. Gastei partes de mim em súplicas de alguma reciprocidade. Cheguei a dizer: “Sei que você não me ama, não faz mal, eu amo por nós dois.”...

A beleza do instante na poesia de Lourdes Sarmento

Lourdes Sarmento é uma poeta robusta, com preponderância sobre a linguagem. Sua poesia nivela-se pelo silêncio e, ao mesmo tempo, se engrandece pelo tumulto das imagens...

Coração de Medusa de Renata Bomfim

Coração de Medusa (Editora do Autor, 2021) é a última obra poética de Renata Bomfim, que pertence à Academia Feminina Espírito-santense de Letras, e foi presidente na gestão de 2016-2018....

Os ismos da hipocrisia

O episódio Monark abriu a caixa de Pandora. Diante da comparação entre nazismo e comunismo feita pelo presidente Bolsonaro, o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zohar Zonshine, declarou à Folha de S. Paulo que “comunismo, até onde eu sei, não chamou para o assassinato de grupos de pessoas e populações”. Realmente, o marxismo não prega o extermínio em massa. No entanto, fatos históricos contrariam o discurso....

A “Semana de Arte Moderna Capixaba”

Pouca gente sabe (inclusive, no próprio Espírito Santo), mas, de 04 a 10 de fevereiro de 1963, teve lugar, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a “I Semana dos Novos”, com direito até a manifesto, organizada pelos jovens Claudio Lachini, Xerxes Gusmão Neto e Carlos Chenier, os principais expoentes do “Clube do Olho”....

O território do corpo

Descobrir um país
Quando tudo é novo
Na euforia de um eterno começo
Sem medo do perder-se
Entre deltas e picos
Tendo por destino
O território do corpo...

Perdoai-nos

Cascatas e riachos,
Regatos e lagoas,
Nascentes e rios
Perdoai-nos
Oceanos e geleiras,
Mares e montanhas,
Golfinhos e baleias
Perdoai-nos
...




Abril - Edição 278

Renovação na ABL

Aos 125 anos, a Academia Brasileira de Letras (ABL) iniciou com vigor uma nova etapa, com a posse da diretoria eleita para o exercício de 2022. A cerimônia, que antes era realizada de forma simplificada, aconteceu em sessão solene no Petit Trianon, modelo inédito nos últimos anos. Durante a celebração, também foi entregue o Prêmio Machado de Assis de 2021 a Ruy Castro pelo conjunto da obra...

Vozes femininas de há muito

Enquanto as atenções se voltam avidamente para a busca de vozes exóticas (providência, aliás, necessária para a renovação das ideias), podem perder-se outras, tão interessantes quanto, e que podem ter algo de relevante a nos dizer. O fato é que, na Literatura, a voz feminina vem de há muito, e mesmo se revelando ao longo dos tempos em menor quantidade, nada fica a dever em termos de qualidade...

Entrevista com Renan Ferreirinha - Programa reforço Rio da SME

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

A visibilidade de Isabela

Até o dia 3 de junho, com entrada franca, no Museu da Justiça do Rio de Janeiro, o público terá a oportunidade de visitar a concorrida exposição Presenças Invisíveis, idealizada pela artista plástica Isabela Francisco...

O vendedor de livros

Ele andava de vila em vila com a sua estante móvel sobre rodas e seu cachorro de estimação. Em suas prateleiras havia livros de todos os tipos: comédias, dramas, romances, biografias, manuais, glossários, atlas, dicionários, livros sobre artes, história, ciências, poesias, livros sobre todos os assuntos em todos os tempos...

Roberto Carlos outra vez

Neste primeiro volume da biografia Roberto Carlos Outra Vez: 1941-1970 (Editora Record), Paulo Cesar de Araújo parte de extensa e minuciosa pesquisa em documentos, arquivos, acervos e depoimentos para narrar o começo da vida e da carreira daquele que é chamado de “Rei”, da infância de menino pobre no interior do Espírito Santo ao estrelato...

Carta aberta ao senhor da guerra: Vladimir Putin

É fato que ninguém sai vitorioso de uma guerra, ainda que ganhe todas as batalhas, conquiste territórios e cause sofrimento e morte a milhões de vidas humanas. Aliás, ter sangue de inocentes nas mãos não é a melhor maneira de deixar um legado, entrar para a História ou sair de cena depois que as cortinas da existência se fecharem...

A Semana de 40 anos! - Parte II

1922 – A Semana de Arte Moderna e uma nova cidade na ponta da linha Neste ano de 1922, no salão da Pensão Central, no largo da Matriz, diverti-me com os comentários entre sorrisos dos leitores de um exemplar do Correio Paulistano. Era uma reportagem interessante, falando numa tal “arte moderna” que um grupo de escritores, músicos e artistas da pintura e da escultura e outros promoveriam na Pauliceia. E seria no mês que vem, quero dizer, fevereiro. Eu não preciso ler o jornal, pois basta que estejam próximos e já me informo de seu conteúdo; os leitores na pensão, porém, ficaram curiosos: o que é arte moderna? Se um quadro foi pintado hoje, ou se uma música foi composta ontem, é claro que é moderna...

Aprendizagem, a solução para os “nem-nem”

Sem perspectiva no mundo do trabalho ou nos estudos, milhões de jovens brasileiros sobrevivem entre subempregos e ajuda financeira dos pais. A pandemia piorou ainda mais essa realidade, com mais 800 mil pessoas tornando-se “nem-nem”, ou seja, aqueles jovens que não estudam e não trabalham...

O vestido que não usei

Compramos um vestido azul com um discreto decote e uma altura razoável, para não desabrigar os joelhos nem deixar tudo impossível de ver. Ele foi comigo.
Tadeu sempre teve a paciência das horas e a delicadeza da compreensão das imperfeições do outro. Eu abracei a insegurança, desde sempre, e por isso me perdia nos medos das opiniões...

Neila Alckmin, uma pitonisa brasileira

Vaticinar significa realizar vaticínios, prever o futuro, antecipar conhecimentos que ainda irão acontecer, vislumbrar as janelas do Amanhã, atravessando a névoa do incognoscível...




Março - Edição 277

Adeus a Arnaldo Jabor

Internado desde dezembro do ano passado, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC), a notícia da morte do cineasta, cronista e jornalista Arnaldo Jabor, aos 81 anos, no dia 15 de fevereiro, deixou o mundo da cultura entristecido...

Uma casa pelos escritores

Sede do Vice-reino, capital do Império e da República, a cidade do Rio de Janeiro abriga as principais associações culturais brasileiras: por ordem de fundação, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838), a Academia Brasileira de Letras (1897) e o PEN Clube do Brasil (1936). Saem das três, em vária medida, ideias, proposições e realizações imprescindíveis para o que em termos de cultura se produz entre nós...

Entrevista com Merval Pereira

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Casa Mário de Andrade

Entrei com uma pasta cheia de livros no elevador. Uma senhora de cabelos castanhos e óculos dourados cumprimentou-me sorrindo:
– Vai dar aulas?
– Sim, uma oficina poética na Casa Mário de Andrade.
– Na rua Lopes Chaves?
– Isso.
– Morei na rua Margarida, fui vizinha de Mário de Andrade. Minha mãe era amiga de Dona Maria Luísa, a mãe de Mário. Costurava roupas para ela. Muitas vezes, eu era uma menina de uns sete ou oito anos, eu o via tocando piano ou debruçado na janela observando a brincadeira da criançada...

O Anjo

Passeando pela Floresta da Tijuca, João percebeu que aquele graveto tinha uma cor diferente, uma espécie de brilho. Apanhou o graveto e viu que cintilava. “Que coisa curiosa”, pensou. Ele nunca tinha visto um objeto tão comum irradiar uma luz assim tão intensa... No caminho para casa, viu que um cachorro ia ser atropelado....

Adeus a Candido Mendes

Um dos maiores intelectuais brasileiros, o acadêmico Candido Mendes de Almeida morreu, aos 93 anos, na tarde do dia 17 de fevereiro, no Rio de Janeiro, vítima de embolia pulmonar...

Egiptologia & Tutankamón

Irrecusáveis e charmosas pirâmides estão na capital do Egito, Cairo. Turistas das diversas localidades geográficas ficam alucinados quando chegam a esse País. São pontuais em horários e com referência às visitas históricas. Pessoas de diversas faixas etárias, com vestuários próprios de sua procedência...

Semana de 40 anos! - Parte 1

De um ponto favorável, ou seja, não sendo visto nem sentido com clareza pelas pessoas, acompanho a vida de um pacato lugarejo no Sul de Goiás. Isso faz de mim um espectador privilegiado e, ao meu modo, sei como e quando interferir em favor de melhores condições nesse povoado...

A corja internacional

Vivenciamos o século XXI, quando me enviam matéria panfletária do século XX, a espelhar as inovações de Clístenes, de Solon, de Dracon, do regime democrático ateniense, encontradiço nos primórdios do século Va.C., a mostrar-nos que demokratia promana de demos (povo) e de kratos (poder)...

O centenário da Semana de Arte Moderna de 1922

No início do século XX, o Brasil começava a se modernizar. As primeiras indústrias começavam a se instalar na cidade de São Paulo e a produção de café do interior paulista gerava receita de exportação, transformando o estado em novo centro econômico brasileiro. A arte, portanto, precisava acompanhar essas mudanças...




Fevereiro 2022 - Edição 276

A atualidade da Semana de Arte Moderna

“Seria uma semana de escândalos literários e artísticos, de meter os estribos na barriga da burguesiazinha paulista.” Foi assim que o pintor Di Cavalcante, um dos artistas que expôs sua obra na polêmica Semana de Arte Moderna, descreveu o evento artístico e cultural que ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo...

Conversa para quase um poema em prosa

Ele desejou um voo de centelhas
com outros amigos
que pareciam pássaros.
Alguém falou em desengano?
É que ave livre não aceita conchavos
nem o percurso de sempre
na geografia de um céu com favos
a tremular o lábaro de 27 estrelas...

Entrevista com Ancelmo Gois - Trabalhar no que gosta cansa menos

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Cedros

Os cedros são árvores imponentes, imensas, agrupadas como broches verdes. Cones majestosos que se espalhavam pelas montanhas da região mediterrânea. Suas altas folhagens buscavam o sol total, enquanto suas raízes se encharcavam nos regatos. Dos seus troncos sagrados, saíram navios, altares e templos...

Lo-fi e os passarinhos

Ora, para que servem os passarinhos? Para voar, e para cantar! Também para afinar violas. O violeiro maravilhoso, Ivan Vilela, disse que, quando era menino, lá nas fazendas de Minas Gerais, não tinha um diapasão e ele afinava a viola com o canto do saci...

Um Ourives da Linguagem

Em seu percurso literário e existencial, Cunha de Leiradella contabiliza uma bibliografia premiada e bem recebida pela crítica, antes e depois de sua chegada ao Brasil (em 21 de abril de 1958, para escapar à ditadura salazarista), onde viveu mais de quatro décadas, antes de retornar às suas raízes portuguesas...

O escritor aqui ao lado

Não que de perto ninguém seja normal, como há quem diga. Melhor não polemizar. Mas o fato é que o leitor-simpatizante pode muito bem ter seu interesse despertado por dados pessoais do autor a quem admira. A propósito disso, quem nunca se pegou (ainda mais em tempos de motores de busca na internet) fuçando dados sobre um ou outro escritor de sua predileção, ou cuja obra lhe tenha tocado de maneira especial? ...

Homenagem a Lya Luft

A morte de Lya Luft causou comoção no meio literário, na imprensa e nas redes sociais, com a manifestação de diversas pessoas e autoridades. Em nota, a Academia Rio-Grandense de Letras lamentou o ocorrido e lembrou que a escritora havia recebido, há poucas semanas, o título de Escritora do Ano 2021, pelo conjunto da obra...

A eternidade do poeta Thiago de Mello

“Como quem reparte pão, como quem reparte estrelas, como quem reparte flores, eu reparto meu canto de amor. Com uma estrofe apenas, eu me despeço – para permanecer com vocês. Me despeço para permanecer.”...

Operação Walquíria

Vivenciamos tempos atuais com perplexidade e ansiedade, a relembrar os tempos nefastos, hitlerianos, quando um cabo austríaco, das falanges do Império Austro-húngaro, membro do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (uma espécie que lembra um partido brasileiro), com viés assemelhado e condutor das políticas propugnadas pelo Fórum de São Paulo, verdadeira metamorfose ambulante, entre o caos e o Holocausto, a gerar uma das mais horrendas hecatombes do século XX, ou seja – a Segunda Guerra Mundial...

A eternidade do poeta Thiago de Mello

“Como quem reparte pão, como quem reparte estrelas, como quem reparte flores, eu reparto meu canto de amor. Com uma estrofe apenas, eu me despeço – para permanecer com vocês. Me despeço para permanecer.” ...

Operação Walquíria

Vivenciamos tempos atuais com perplexidade e ansiedade, a relembrar os tempos nefastos, hitlerianos, quando um cabo austríaco, das falanges do Império Austro-húngaro, membro do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (uma espécie que lembra um partido brasileiro), com viés assemelhado e condutor das políticas propugnadas pelo Fórum de São Paulo, verdadeira metamorfose ambulante, entre o caos e o Holocausto, a gerar uma das mais horrendas hecatombes do século XX, ou seja – a Segunda Guerra Mundial...




Janeiro 2022 - Edição 275

Posse na Academia Brasileira de Cultura

A cerimônia de posse dos 50 membros da Academia Brasileira de Cultura aconteceu no último dia 1º de dezembro de 2021, na sede da Fundação Cesgranrio, no Rio Comprido. A mesa da sessão inaugural foi composta pelo presidente da instituição, Carlos Alberto Serpa (também presidente da ABC), junto com o Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, o deputado federal Marcelo Calero, a atriz Christiane Torloni e o imortal da Academia Brasileira de Letras Arnaldo Niskier...

Paris é uma festa móvel e deslumbrante

Há sessenta anos, Ernest Miller Hemingway dobrava os sinos da literatura e da história. Em dois de julho, sob o signo de Câncer, o lendário escritor usurpou anos de sua vida com a mesma coragem com que viveu...

Entrevista com gilberto Gil - Imortal

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

A menina que espanava os livros do Imperador

Eram três meninas do Brasil: Isabel, Leopoldina e Rosário. Isabel e Leopoldina eram irmãs, nascidas princesas, herdeiras do trono brasileiro. Eram filhas do imperador Dom Pedro II. E havia Rosário, que também era princesa, mas de outros costados, pois era filha e neta de reis africanos. Nasceu na comunidade chamada Pequena África, no Rio de Janeiro...

Aprendendo a cozinhar

Estou aprendendo a cozinhar a comida do dia a dia. E apaixonada por essa arte. Eu já era cozinheira de fins de semana, fazia um bacalhau à espanhola bem apreciado, e um ou outro prato. Ontem fui fazer o almoço, legumes no forno: no fundo do refratário um pouco de azeite e meias-luas de cebolas. No meio, uma cabeça de alho sem o topo, com as cascas. Em torno, fui arrumando pedaços de berinjela, abobrinha, macaxeira, cenoura, batata, batata-doce, abóbora, banana, pimentões coloridos e cebola em pétalas...

Pandemia e pandemônio

“Cautela, toda cautela – é a palavra de ordem.”
A pandemia, de fato, arrefeceu por conta da vacinação intensa nesses últimos quatro meses. Mas um grave surto de influenza lhe sobreveio, acumulado com o aparecimento inesperado da variante ômicron, que a cada semana traz notícias preocupantes. Como o inesperado primeiro óbito anunciado há poucos minutos pelo premier Johnson, do Reino Unido...

Nuvens

Quantas vezes ouvi que eu era distraída, que andava com a cabeça nas nuvens, absorta em estranhos pensamentos. Estou mesmo debaixo das nuvens: algumas altas como cirros de gelo, outras mais baixas, numa arquitetura móvel de ondas levadas pelo vento fraco. De onde vieram, tão confusas e indefinidas? Do oceano? Da serra azulada? De alguma ilha ou fonte? São concretas, quase posso tocá-las, nesta tarde de verão...

Incunábulo & Predominância

Dia Nacional do Livro: 29 de outubro
e aniversário da Biblioteca Nacional
Pictogramas – desenhos e gravuras que representavam formas do mundo na antiguidade; eram sinais gráficos, sem letras, gravados em tabuletas de argila com estiletes de madeira e pontilhas de ossos dos animais nas formatações verticais e horizontais que deram inicio à escrita....

Minas e as raízes do Movimento Modernista Brasileiro

A propósito do centenário da Semana de Arte Moderna, que ocorre no dia 22 de fevereiro de 2022, cabe rever a expressiva participação de Minas Gerais no Movimento Modernista Brasileiro. Esta história começa em 10 de junho de 1919 quando Mário de Andrade vem a Mariana para visitar o poeta mineiro Alphonsus de Guimarães...

Tempo – O senhor das ações

Parece que foi antigamente, mas foi ontem, em 1891, data de seu ritual fúnebre, pois a esteira do tempo metamorfoseia valores éticos, a tornar vil a cultura e a memória, que se esvaem pelos escaninhos do esquecimento societário...

Quando choveu dinheiro

Um dia começou a chover dinheiro. Como sempre acontecia, os especialistas mais especializados foram convocados. Economistas, meteorologistas e motoristas de taxi criaram um Comitê Interdisciplinar para analisar e solucionar o problema. Eles tinham que agir rápido...

Chamando Bom Jesus da Lapa

Eu era governador do Maranhão e costumava viajar frequentemente ao interior do Estado. Muitas vezes, íamos também a outros Estados: a Boa Esperança, no Piauí, onde se construía a hidrelétrica; a Recife, sede da Sudene, onde, permanentemente, tínhamos assuntos a tratar sobre a Usina Hidrelétrica de Boa Esperança...




Dezembro - Edição 274

Fundação Cesgranrio – 50 anos

A Fundação Cesgranrio está completando 50 anos no mês de outubro. Meio século muito bem vivido, prestando relevantes serviços nas áreas de educação, cultura, seleção de recursos humanos, responsabilidade social. Sempre à frente de seu tempo...

Os prêmios literários de 2021

Estaremos em meio a um boom da literatura africana? Ou, para evitar polêmica: estaremos em meio a um boom de autores de raízes no vasto continente? Autoriza-nos a cogitação a mais recente atribuição de alguns prestigiosos, os mais conhecidos entre nós, prêmios literários de 2021...

O segundo enterro do general Gudin

Este 2021 assinala os 200 anos da morte de Napoleão Bonaparte, na prisão da Ilha de Santa Helena, em 5 de maio de 1821. Impressionante, a história de sua vida, que durou apenas 51 anos...

Entrevista com Margareth Dalcomo - Um tempo para não esquecer

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Fábula malvada

Duas corujas conversavam.
A primeira, uma excelente fabricante de violinos mundialmente conhecidos e premiados.
A outra, uma internacionalmente famosa violinista virtuose, aclamada nos melhores palcos...

Olhar amazônico

A aurora levantou-se faceira e mais que depressa acordou a floresta. A arara vermelha deixou o seu ninho e muito ligeira se pôs a voar. A passarada partiu em revoada e o jacaré-açu procurou um banco de areia onde se esquentar...

Manacá

Moro numa pequena casa, atrás de um pé de manacá. Essa flor dos barrancos é um pouco louca, pois muda de cor. Nasce branca, depois vai passando para o rosa, o lilás até chegar ao roxo macerado. Extravasa um aroma delicado, de mel sugado por pássaros...

Em uma data no mês a imortalidade: Rachel e Fernanda, grandes damas!

Há 44 anos, o Petit Trianon se engalanava para receber sua primeira imortal, Rachel de Queiroz. Os que presenciaram disseram ter sido um grande acontecimento. A bateria da Escola de Samba Beija-Flor e a torcida do Vasco da Gama tomavam conta da Presidente Wilson, centro do Rio de Janeiro, eterna capital cultural do país, a Cidade Maravilhosa. Os jornais de todo o Brasil e revistas destacaram a posse de Rachel...

Tempo das frutas

As árvores aqui estão floridas, um novo tipo de beleza se assentou, beleza em cores no meio da vegetação ressecada. As mangueiras se carregam de frutos verdes que bebem o sol e amadurecem. Bananeiras derramam cachos pequeninos. As frutas do calor se aprontam. Nosso pomar aqui em casa é ainda uma criança, plantamos uma mangueira-moscatel, coqueiros, pés de tangerina, jabuticaba, limão, pitanga, seriguela, banana, abacaxi, abacate, goiaba, falta replantar mamoeiros e um pé de acerola. Tenho o sonho de cultivar uma figueira, adoro figos, os mais doces comi nas areias de Aquiraz....

Jornalismo livre e crítico

Os jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, ganharam o Prêmio Nobel da Paz de 2021 por seus esforços para defender a liberdade de expressão. A Academia Real das Ciências da Suécia anunciou que ambos foram premiados pelos esforços para defender a liberdade de expressão e de informação, “pré-requisitos essenciais para a democracia e a paz duradoura”, conforme afirmou o comitê sueco....

Parasitas, vermes e políticos

A Língua Portuguesa apresenta os dois mais importantes escritores do século XIX: Machado de Assis, em Aquém-mar, e Eça de Queiroz, em Além-mar – ambos argutos, singelos e universais, a abranger o universo multifário e transoceânico das Letras do Condado Portucalense. Singulares na crítica social, no humor e na ironia de cunho docente, professoral, a pontificar o realismo pós-romântico. Os políticos deveriam ler O Crime do Padre Amaro, de Eça, e reflexionar acerca de um aforisma que permaneceu no tempo, qual seja: “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo.”...




Novembro - Edição 273

Prêmio Nobel celebra literatura pós-colonial

Autor de 10 romances, aos 73 anos, o tanzaniano Abdulrazak Gurnah, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, nunca foi editado no Brasil. Ex-refugiado da Ilha de Zanzibar, quarto negro a conquistar a importante premiação, Gurnah mora na Inglaterra desde os anos 1960...

Miguel e Maria

Que bom que você chegou, Maria! Os dias aqui não são dias. Então, não faz tanto tempo que nos despedimos. O tempo aqui não é o tempo. E os espaços são todos. Aqui, Maria, somos nós. E é o que basta. Tudo que não era nosso ficou e você sabe que não faz falta. Antes de você chegar, Maria, você já era daqui. Os sinais da sua paz eram sinais daqui para acalmar os arroubos dos que não compreendem o que fica e o que vai...

Entrevista Ana Maria Esteves Kaiuca - Para que serve mediação

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

A carta da fome

Huang Tung foi sempre um homem bom.
Bom que nem fruteira carregada de frutos maduros em beirada de estrada que é terra de todos. Bom igual a planta de flor perfumada que enfeita o percurso do peregrino à procura de um lugar sagrado. Bom feito o tempo quando abençoa com chuva as plantações de arroz...

Sobre Einstein, Spinoza e Deus

Quando perguntaram a Einstein se acreditava em Deus, ele respondeu: “Eu acredito no Deus de Spinoza.” Fiquei curioso e fui pesquisar. “Que diabo de Deus será esse?” Não sei muito sobre filosofia, mas sei que todo filósofo reflete seu tempo e sua história. Hegel escreveu: “Toda grande filosofia representa seu próprio tempo apreendido em pensamento.” Segundo Nietzsche, “Toda grande filosofia é uma confissão pessoal de seu criador”....

Meia Noite

Quase meia-noite. Aguardo essa hora mágica, em que o relógio soará as doze badaladas. O pêndulo oscilando entre o hoje e o amanhã, a treva e a luz, a vida e a morte...

Por que escrevemos

Refletir sobre a escrita, o ato de escrever, é assunto interminável. Talvez porque desperte interesse semelhante nos dois tipos de pessoas que se ocupam da Literatura: as que escrevem e as que não escrevem. Recentemente falecido, o poeta capixaba Sérgio Blank desenvolveu há alguns anos uma série de encontros com escritores locais para falar da relação de cada um com a escrita. Cronistas, contistas, romancistas, num total de doze escritores, deram um panorama do que se faz atualmente por estas plagas, mas principalmente compartilharam com o público experiências e processos criativos...

Encontro Nacional de Escritores

Havia em Brasília o Encontro Nacional de Escritores. Isso, ali pelas décadas de 1970 e 1980. O encontro se dava de forma tão brilhante que deixava para trás todos os eventos culturais da época...

Os eflúvios de Eros

Mas vos, godo Quijote, ilustre y claro, Por Dulcinea sois al mundo eterno, Y ella, por vos, famosa, honesta y sabia.
(El Caballero del Febo a Don Quijote de la Mancha – Soneto – Prólogo 1ª parte)...

Em Diamantina

“O passado é um palácio construído dentro de cada um de nós, cheio de gavetas onde guardamos nossas memórias.” (Ana Miranda, na crônica “Quando o passado retorna”.) E eis que são dez horas da manhã de uma segunda-feira de março do ano 2000. É meu último dia em Diamantina, de uma temporada de cinco na Pousada do Garimpo. Adeus, breves férias!...

A Gravata, a liturgia e a pandemia

A gravataadereço de vestimenta masculina, tem origens várias, desde priscas eras até a presente data. A moda e as roupas guardam uma ambivalência, prevalente, a demarcar o universo masculino e feminino, caracterizadoras de poder e beleza, enfeixando castas, realezas, cleros e outros segmentos sociais, através dos tempos....




Outubro - Edição 272

Ordem do Mérito ABMES 2021

A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) agraciou três novos Oficiais com a Ordem do Mérito ABMES da Educação Superior. A cerimônia de outorga, realizada por videoconferência, teve transmissão ao vivo pelo Youtube, encerrando a programação de comemoração dos 39 anos da entidade. O diretor presidente Celso Niskier, Grão-mestre da Ordem do Mérito ABMES, destacou a contribuição dos agraciados, agradecendo pelos relevantes serviços ao setor: “Ser agraciado como um Oficial desta Ordem é, acima de tudo, receber o reconhecimento da sua qualificada capacidade e notória dedicação para a realização de tais feitos, que beneficiaram amplamente este tão importante segmento da sociedade.”...

Um vitorioso projeto Social

Eu vi o projeto social “Apostando no Futuro”, da Fundação Cesgranrio, nascer e, nesses 16 anos, nunca deixei de acompanhá-lo. É com emoção que escrevo o artigo de hoje.

Já escrevi, ao longo dos anos de sua existência, sobre a história desse Projeto, que beneficia diretamente cerca de 450 famílias...

Entrevista Rosa Maria Araújo

A nova fase do arquivo do Rio - Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Para valinho, meu sável-madeleine e um cálice de alvarinho

Custei a ter coragem de tocar no voo do poeta para o mistério do Infinito, em 21 de julho de 2021. Foi há pouco e me parece tanto, tanto tempo. Poetas da estirpe de Valinho não podem alçar voos sem volta!!! Só hoje, tive fôlego capaz de expandir o que vivi ao experimentar um singelo sável-madeleine com um cálice de Alvarinho que, neste momento, ofereço a nosso Poeta....

O patrimônio literário das Academias de Letras

Se tomamos o termo cultura no sentido de realização material, de patrimônio palpável, entre as realizações do espírito aí consideradas, há de se incluir a Literatura. Mas assim como a Música, a Literatura pode reunir num só produto os dois sentidos nos quais se toma o termo cultura: o de saberes de uma comunidade e o de produção artística sob regras pré-definidas....

Lembranças de Cabul

Em 2002, fiz parte da primeira missão da ONU/Banco Mundial para reconstrução de Cabul.
Saindo de Nova York, o primeiro destino era Islamabad, no Paquistão. Na manhã seguinte, embarquei num avião da South African Airways fretado pela ONU. Como agora, não havia voos comerciais unindo o Afeganistão ao mundo. ...

O esquecido cronista André Carrazzoni

Quando, na remota adolescência e primeira mocidade, descobri os cronistas, André Carrazzoni estava entre eles. Eles, quem? Humberto de Campos, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Elsie Lessa, Otto Lara Resende, Manuel Bandeira, Rachel de Queiroz, Moacyr Andrade, Alberto Deodato, Henrique Pongetti, Ivan Ângelo, Dinah Silveira de Queiroz, Félix Fernandes Filho, Maluh de Ouro Preto, Vivaldo Coaracy, dentre outros.
Foi quando descobri um livro de André Carrazzoni, intitulado Poesia e Prosa do Cotidiano, edição da José Olympio, 1957. Gostei das crônicas do autor, menos dos poemas, de dolente viés paranasiano, embora aprecie alguns poetas do Parnaso brasileiro, como Bilac e Raimundo Correia....

O sinal da águia: Carlos Nejar sobre o mar do tempo

Mitos fracassados, releituras de fatos, relatos, memórias, lembranças, esvaziamento dos sentimentos, sonhos, pesadelos, transposição, fortuna e miséria, transfiguração, o homem e o lobo, seus subterfúgios, seus alentos desesperados, seus abismos inadiáveis e terríveis.

Na peça O Sinal da Águia (Minotauro, 2021), com raiz penetrante na humana condição ou na condição humana, aberta ao susto do tempo, o narrador onipresente fomenta uma discussão alegórica sobre a realidade e termina por rejuvenescer os múltiplos sentidos da dor, da desesperança e da angústia. Na epígrafe de abertura do romance, o alter ego do escritor Carlos Nejar (1939-)...

A relação de Gabriel Chalita com as Letras

A relação do advogado, filósofo, escritor, palestrante e professor Gabriel Chalita com as letras começou cedo. Aos 12 anos, já percebendo os sentimentos que saltavam das palavras, inspirado pela professora Ermelinda, escreveu o primeiro livro.

Cerca de 90 publicações depois, com quase 10 milhões de exemplares vendidos, na carreira acadêmica já orientou mais de 300 bancas de mestrado e doutorado, sendo sua própria trajetória fonte de inspiração para muitos alunos....

Por que ler Grande sertão: Veredas?

Em tempos de discussão sobre o acesso aos discursos digitalizados (leia-se, internet), em oposição aos registros impressos (livros, jornais e revistas), caberia ressaltar a importância de um clássico da literatura pátria para a formação intelectual de um público leitor, a cada instante mais afeito ao processo de informação via rede social. ...

O Acariciar das mãos

Foi em um dia triste quando, tristemente, senti o peso das mãos duras de um professor.
Era um escolher de crianças para algumas canções que encerrariam o ano em uma escola pequena do interior. E eu queria ser escolhido. Sorri as horas que separavam a hora da decisão. Arrumei o melhor de mim para ser visto e, talvez por isso, exagerei quando ele pediu a voz....




Setembro - Edição 271

Cuidado: você pode estar matando o português

Calma. Não estou me referindo a nenhum compatriota do Luiz de Camões ou do Saramago. Falo do nosso idioma, mais comumente chamado de língua, que melhor classifica um órgão do sistema digestivo...

O sentido da Cordialidade

No Brasil é assim: entra governo, sai governo, e tudo acaba como antes. Nas eleições, o candidato promete honestidade e eficiência. Compromete-se em acabar com a corrupção e as desigualdades sociais, mas o tempo passa e nada acontece. Pior, tudo acontece ao contrário. O eleito, se não era corrupto, acaba se corrompendo para se enquadrar no sistema....

Entrevista - José Augusto Minarelli

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Laços de amizade

Meu artigo, hoje, é sobre um dos sentimentos mais nobres que existe – a amizade, a importância da amizade e a felicidade de ter amigos. Só aplico a palavra amigo aos meus verdadeiros amigos, que para minha alegria foram e são muitos. Feitos ao longo da vida, compartilhando sonhos, emoções, dores, alegrias, tristezas, realizações e decepções. Amizade é conviver sem posse. É o que a diferencia do amor...

Lugares de Letras

Outro dia, lia texto em que a autora, uma jornalista espanhola, perguntava se quem faz as cidades são os que as habitam ou os que as contam. Isto é, as descrevem para outros que lá não vivem, usando-as como cenário para contar histórias....

Entre retalhos

Luciana tem mistério nos olhos e tem cheiro de amanheceres no sorriso. E eu tenho medo e silencio.
Trabalhamos na mesma loja. Outros, também. Outros trabalham.
Ficamos fechados um tempo. Tempo de pausas. A pausa em mim dura desde que desisti de insistir em Sílvia. Foram anos de uma espera e de desenhos de palavras nunca ditas. Era minha vizinha. Sorríamos nos encontros e mais nada....

Homero Massena

O genial e rebelde Homero Gabirobetz Massena (1886-1974) é o expoente máximo no cenário das artes da nossa Vila Velha do Espírito Santo. Nasceu em Barbacena, Minas Gerais, mas adotou Vila Velha como sua cidade preferida, e, com certeza, foi reconhecido por amar tanto a nossa terra, tendo recebido o título de cidadão espírito-santense e muito carinho dos admiradores de sua produção artística. ...

O cachorro

O cachorro sentou-se calmamente na frente do guichê 23.
— Bom, como o senhor pode ver, eu sou um cachorro.
O atendente levantou o olhar.
— Humm? Sim, sim, claro, eu percebo – respondeu o atendente.
— Bem – continuou o cachorro –,tenho a reputação de ser o melhor amigo do homem. Mas sou muito maltratado. Eu queria fazer uma queixa...

Biblioteca dividida

Já fazia quase seis meses que estava tentando organizar a minha biblioteca aqui na Santa Tereza.
Depois de várias tentativas, cheguei à conclusão de que não é questão de organizar, mas simplesmente um problema de espaço: o conteúdo é maior do que o continente...

Amazon acusa remix literário de plágio e censura livro de Messias Botnaro

Em agosto de 2021, a Amazon proibiu a comercialização do livro Tuítes Póstumos de um Herói Nacional, de Messias Botnaro, que constava nas listas de mais vendidos na categoria literatura e política. A empresa nega que tenha promovido qualquer tipo de censura e justifica que o texto viola os direitos autorais de terceiros....

Pobre Vasco

Não, não estou me referindo ao time de futebol, nem ao ex-prefeito de Vila Velha, mas, sim, ao primeiro donatário da Capitania do Espírito Santo, Vasco Fernandes Coutinho, hoje, nome de colégio, em Vila Velha, e o que mais? ...

Xexéo, cronista

Não pretendo aqui reiterar o óbvio que cruzou o país. Xexéo foi um grande em tudo: cronista, escritor, autor teatral, comentarista do cinema, da televisão. E da vida. Para começar, estimaria realçar algumas passagens que me fizeram não apenas admirá-lo como leitor, mas a estimá-lo pessoalmente....




Agosto - Edição 270

Sob o Céu de Belo Horizonte

Jornalista, cronista, ficcionista e memoralista, Pedro Rogério Moreira já apresenta ao público leitor uma vasta bibliografia. Filho da Sra. Ibrantina Brandão Couto Moreira (Dona Brante) e do escritor Vivaldi Moreira, foi criado na convivência com a vasta e seleta biblioteca do pai (vinte mil volumes), em Belo Horizonte, onde nasceu em 1946...

As letras e a música se encontram na Academia de Letras e Música do Brasil

A Academia de Letras e Música do Brasil – Almub, instituição sem fins lucrativos, completará 45 anos de existência em 23 de outubro deste ano. Tem sede em Brasília, DF, e o seu patrono é o fundador da Capital Federal, Juscelino Kubitschek de Oliveira, titular vitalício da cadeira número 1. Seu quadro Acadêmico é composto por 100 (cem) cadeiras, distribuídas para membros titulares, honorários e representantes. Embora conste do regulamento, não temos, no momento, membros honorários...

Música é um ideal de vida - Entrevista com Isaac Karabtchevsky

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Saul de Navarro, um pioneiro das letras capixabas

Neste ano, a Academia Espírito-santense de Letras completa cem anos de existência e incumbiu-me a nossa dinâmica presidente, Profª Ester Abreu, de pesquisar e de divulgar quem foi Saul Navarro, um de nossos pioneiros. Como não podemos sair de casa e nos encontrarmos presencialmente, como sempre fizemos, nos encontramos em reuniões a distância, tudo como manda os protocolos destes nossos tristes dias...

Música e letras

Quantas vezes não lemos nos créditos de um disco “música e letra” de autoria de fulano ou beltrano. Texto (ou letra) e melodia, os componentes da canção. A chamada música popular brasileira já teve prestígio internacional como produto cultural, funcionando como veículo de difusão da língua portuguesa pelo mundo. Mas a produção musical, como tudo na vida, conhece altos e baixos (e não me refiro a questões estéticas, que o gosto muda ao sabor dos tempos)....

Os personagens sedutores de Bret Harte

O maior desafio talvez de um autor de ficção é criar personagens sedutores que encantem o leitor, que segurem a narrativa fazendo-a parar em pé. Alguém faz isso maravilhosamente bem: o norte-americano Francis Bret Harte (1836-1902). Quem não o conhece e não leu seus contos não sabe o que está perdendo. São histórias sensíveis, divertidas, todas repletas do mais belo sentimento humano – a compaixão...

Desterro

Que triste é a pena de desterro, de exílio, de banimento. A expulsão da pátria que amamos para um lugar de solidão, de isolamento, de retiro ermo. Passar de um estado para outro é assustador. Principalmente aquele hiato que é o tempo de nos instalarmos em uma nova realidade, como o peregrino que finca uma tenda no deserto. Não quero baixar muito meu pensamento, nem ter desejos desmedidos. Quero apenas, esta noite, observar as chamas da fogueira e aquecer meu coração...

Gigantes

Todas as vezes que pesquiso manuais de literatura como A Literatura Portuguesa, de Massaud Moisés(1928-2018); História Concisa da Literatura Brasileira, de Alfredo Bosi (1936-2021) ou Teoria da Literatura, de Vítor Manuel de Aguiar e Silva (1939), que recebeu o Prêmio Camões de 2020, penso naquela frase repetida por Isaac Newton (1643-1727): “Se eu vi mais longe, foi por estar sobre os ombros de gigantes.” ...

Tormenta

O vento me convida
Olhar além da minha janela
Vida
Rebeldia
Como pode ser?
Antes calmaria
Agora tormenta...

Réquiem para um poeta granadino

Poema em homenagem ao poeta espanhol Federico Garcia Lorca, uma
das primeiras vítimas da Guerra Civil Espanhola, cujo falecimento completa 85
anos no dia 18 de agosto.
“Não quero ver.”...

Rúbrica ou rubrica – questão de analogia

A analogia é a tendência a nivelar formas aparentadas pela função, pelo sentido ou pela grafia. Dito de outra forma: a analogia é o processo de alteração linguística em que uma palavra ou expressão se amolda a um paradigma por associação morfológica, lexical, sintática ou semântica. A forma “fazi”, por exemplo, dita por uma criança, resulta da analogia com verbos da 2ª conjugação, como “corri” ou “escrevi”. A analogia é, portanto, a influência que uma palavra ou expressão exerce sobre outra, alterando-a...

A boiada passa e ameaça

Esses últimos dias foram excitantes e férteis em notícias. Infelizmente não favoráveis à estrutura de comando (ou desmando?) do país. Não me deterei no frisson que o Datafolha provocou com sua ampla pesquisa sobre Bolsonaro, virado e revirado em mil e uma facetas pessoais, além de perdedor nas eleições de 2022 em todos os cenários. Um espanto....




Julho - Edição 269

Samuel Rawet no seu labirinto

Há 37 anos morria em Brasília, dramaticamente, o escritor Samuel Rawet. Mais especificamente em Sobradinho. Solitário, de ataque cardíaco, aos 55 anos de idade. Ele nasceu em 23 de julho de 1929, na aldeia de Klimontow, na Polônia, de pais judeus. Nome completo: Samuel Urys Rawet...

Pão de açúcar no mar ao entardecer

Beleza!
Águas golpeiam
a escura pedra
com frenéticos toques...

É conversando que a gente se entende

O isolamento adotado em função da pandemia de Covid-19 acelerou o processo de mudança de hábitos que teve início com o surgimento das redes sociais. Refiro-me à diminuição da conversa entre as pessoas. Em vez de prosear, a maioria prefere teclar ou gravar mensagens. No entanto, há quem diga que a comunicação virtual pode comprometer para sempre as relações humanas...

Sandra e os tempos digitais

Entrevista com Sandra Niskier transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado por Arnaldo Niskier no canal Futura...

Vasco da Glória

Mentira muitas vezes repetida se torna verdade. Para desmentir, depois de muito tempo, dá um trabalho... Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado e que não tinha um lençol para se cobrir. Nem precisava com o calorão que faz em Vila Velha!...

As memórias de João Almino: um romance sobre a liberdade e a felicidade

Há tempos venho acompanhando a ascendência romanesca do universo artístico de João Almino (1950-). É espantosa a sua criatividade, tecida com a estilística e a estética de um clássico....

A literatura contra o fascismo na obra e na vida de Ada Gobetti

Ada Prospero Gobetti (1902-1968) foi uma escritora, intelectual, educadora e política italiana, da cidade de Torino, que viveu os conflitos e as dificuldades das duas Grandes Guerras Mundiais, sendo que se envolveu diretamente no segundo conflito. Ela deixou uma obra de grande densidade intelectual na qual figuram livros didáticos e sobre educação, análise literária, livros infantojuvenis (é muito famoso o seu Storia del Gallo Sebastiano), dentre outros... Leia mais

Oásis

Perseguida, fugi para o deserto. Uma terra árida e desolada passou a ser minha realidade de peregrina. Corre em minhas veias o sangue árabe dos beduínos, o vivo amor da independência, a valentia que beira a temeridade, o amor à poesia e me arrisquei. Atravessei as areias escaldantes... Leia mais

Livros - Pergaminhos do amanhã

Perseguida, fugi para o deserto. Uma terra árida e desolada passou a ser minha realidade de peregrina. Corre em minhas veias o sangue árabe dos beduínos, o vivo amor da independência, a valentia que beira a temeridade, o amor à poesia e me arrisquei. Atravessei as areias escaldantes... Leia mais

Manifesto: escreva o seu obituário enquanto há tempo!

Perseguida, fugi para o deserto. Uma terra árida e desolada passou a ser minha realidade de peregrina. Corre em minhas veias o sangue árabe dos beduínos, o vivo amor da independência, a valentia que beira a temeridade, o amor à poesia e me arrisquei. Atravessei as areias escaldantes... Leia mais

Gíria alimentar

O homem, assim como a maioria dos animais, tem dois instintos básicos: o da conservação da espécie e o da conservação do indivíduo. O primeiro, que é o instinto sexual, leva-o a acasalar-se, a constituir família, a ter prole. O segundo leva-o a procurar alimento para manter- -se vivo... Leia mais

A educação pós-pandemia

A futurologia é uma ciência tão fascinante quanto arriscada. Em momentos de transformações profundas como o atual, muita gente se põe a imaginar como será o mundo após a pandemia. Como professor e empreendedor em educação, sou um observador atento e gosto de prestar atenção a sinais que, se não determinam irrefutavelmente o que virá, nos fornecem pistas seguras para antever o futuro próximo... Leia mais




Junho - Edição 268

A Eneida, em português de hoje

Homenagem a Walter Medeiros, um açoriano natural do Nordeste e que foi catedrático da Universidade de Coimbra, ao ser publicada a tradução de uma das epopeias da antiguidade clássica e que influenciou Camões... Leia mais

CIEE São Paulo na Jovem Pan

Entrevista do superintendente Geral do CIEE São Paulo, Humber to Casagrande, sobre Estágio e Aprendizagem no Jornal da Manhã, da Rádio Jovem Pan, transmitida em vídeo através do canal oficial da Jovem Pan, no Youtube... Leia mais

Vasco Coutinho, um personagem injustiçado

Alguns pesquisadores e historiadores defendem que Vasco Fernandes Coutinho, primeiro donatário da capitania do Espírito Santo, morreu pobre e abandonado. Que lhe faltou um simples lençol para cobrir o seu corpo. Que era viciado em mascar o fumo, hábito aprendido com os indígenas, chegando a ser excomungado pelo bispo Sardinha... Leia mais

Entrevista - Antenor Barros Leal

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura.... Leia mais

Entrevista - Celso Niskier é entrevistado pelo jornalista Bruno Thys

Vamos examinar as tendências na educação
O modelo remoto na educação... Leia mais

Harpa

Que instrumento lindo é a harpa. As cordas, numa moldura aberta de madeira, quando dedilhadas, fazem ressoar acordes secretos, misteriosos, tensos. Súbito, a terra liga-se ao céu, o instante a vibrações espirituais, a certeza da morte ao destino eterno. Portais puros se abrem como por encanto... Leia mais

Adeus à madeleine de Proust

Parece “primeiro de abril”, mas não é. Foram realmente publicados no dia 1° de abril de 2021, ou seja, recentemente, novos manuscritos de Proust (1871- 1922), em Paris. Uma surpresa que deixou o mundo proustiano em polvorosa... Leia mais

Tempo de homens partidos

Tempo de comício. De correrias, tiroteios inesperados – havia. Só me lembro daquela sensação de ser levada de um lado para outro, de ficar espremida entre meu pai e minha mãe, na Praça da Sé, sufocada de calor lá embaixo, nos meus 4 anos. A zoeira, o desconforto, a vontade de fazer xixi e de chorar, aquela discurseira toda, as pessoas pareciam estar sempre zangadas – contra quem? ... Leia mais

Palavras que cantam Esperança

Nem tudo é bom, nem tudo é mau. E em ambos os casos há sempre uma lição a se aprender, ainda que nos seja ensinada por um ser invisível aos nossos olhos. Poucas respostas e milhares de perguntas; conhecimento e fé, pesquisas e trabalho, solidariedade, fake news, ganância e ignorância, despedidas sem adeus... Leia mais

O Brasil é um país seríssimo

Depois de 28 anos visitando o Brasil apenas 2 ou 3 semanas por ano, pude finalmente passar 4 meses no início desse ano no Brasil. Quem pensa que morar no exterior faz com que a gente perca contato com a realidade do Brasil está enganado. As fontes de todos em qualquer lugar são as mesmas: mídia e redes sociais... Leia mais

Ironia para o Homo Sapiens

Que soluços golpeiam o cristalino cristal da vida!
E... eis que no ritmo do percurso
O TEMPO se alonga
A VIDA se esvai
O CORAÇÃO estremece flutuante de espera... Leia mais

Rubem Braga e o samba

Para o público em geral, a produção literária de Rubem Braga trata-se de escritos repletos de sentimento, que se ocupam das coisas simples do dia a dia, envolvendo-as num lirismo agradável de ler... Leia mais




Maio - Edição 267

Intercâmbio com Israel

Com os recursos da internet, foi realizada uma live da Academia Brasileira de Letras com a Academia de Letras e Humanidades do Estado de Israel. Do lado brasileiro, participaram os imortais Marco Lucchesi (presidente), Arnaldo Niskier, Celso Láfer, além do presidente da Academia Brasileira de Ciências, Luís Davidovich... Leia mais

Histórias da Academia na correspondência de Machado

Talvez a praticidade do e-mail, o seu papel de indiscutível facilitador da comunicação, lhe retire o caráter de solenidade de que se revestia o envelope chegado pelas mãos do carteiro. A impressão que dá é a de que não se fazem mais confidências profundas, não se juram afetos, como os que ficaram registrados em papel de carta. Nessa perspectiva é que o estudo da correspondência de certas personagens nos revela fatos e sentimentos de outra maneira não resgatáveis da discrição a que lhes relegaria o escoar do tempo... Leia mais

Cacos de vida

Mais uma vez ela me deixa sem chão.
Mais uma vez enfrento a frase que, não poucas vezes, registrei:
“Você desmoralizou.”
“Você” sou eu. Um capacho das emoções precárias, um rastejador de afetos, um implorador de atenções.
.. Leia mais

Entrevista - Carlos Alberto Serpa

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura... Leia mais

Sua Majestade Brás Cubas

Não há ser mais cruel do que uma criança, disse Freud. Com certeza, ele ficaria encantado em ver que tinha razão se pudesse ter lido Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis... Leia mais

Educar é um ato de humanizar a si mesmo e o outro

Podemos observar, de maneira simples ou não, que todo ato de ensinar promove ao outro, a possibilidade de conhecer algo, de apropriar-se de um determinado conhecimento que antes lhe era inviável. Educar também é um ato de influenciar, de conduzir alguém num caminho que não seria possível se fosse sozinho... Leia mais

Reflexões sobre a arte da escrita

O amor à poesia e a generosidade do Professor Antonio Carlos Secchin

Em seu livro Pedagogia da Autonomia, o educador Paulo Freire (1921-1997) nos ensina, dentre outros elementos, a respeito do ato de educar, que ensinar “exige segurança, competência profissional e generosidade”. Ao encontro dessa percepção, de fato, percebo que todos os grandes professores, homens e mulheres que tive a oportunidade de conhecer, são guiados pelos valores do “conhecimento” e da “generosidade”... Leia mais

Os selvagens clarões de Carlos Nejar: a infância, Deus e a palavra

O livro A Tribo dos Sete Relâmpagos (Editora Life, 2020) é uma peça filosófica romanesca advinda da magia verbal de Carlos Nejar (1939-). Dizia Mallarmé que “o poeta aperfeiçoa as palavras da tribo” e Carlos Nejar enfatiza que “de tanto me espelhar nas palavras, elas se parecem comigo”. Assertiva conceitual, porque a narração do livro é um retrato do tempo através dos sonhos e das visões... Leia mais

Homenagem a Alfredo Bosi

A cultura brasileira perdeu um dos seus mais eruditos e ativos integrantes. O acadêmico Alfredo Bosi morreu no dia 7 de abril, aos 84 anos, vítima de Covid-19. Professor, historiador, escritor e ensaísta, crítico de literatura brasileira, Bosi teve uma trajetória acadêmica exemplar. A dedicação às áreas humanas ampliou-se com destaque não só no meio literário e cultural, como também em causas políticas, sociais, educacionais e ambientais... Leia mais

Cronista à beira-mar

A crônica, gênero tipicamente brasileiro, ao menos a que se escreve por aqui, chega primeiro aos leitores pelas páginas da imprensa, o que lhe dá, em maior ou menor grau, uma natureza jornalística. Assim foi com Rachel de Queiroz, na famosa “Última página” da revista O Cruzeiro; Carlos Drummond de Andrade, no Correio da Manhã e, depois, no Jornal do Brasil; Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Rubem Braga, na revista Manchete, e tantos outros cuja prosa aliviava o peso do noticiário político e das análises econômicas... Leia mais

Há 700 anos...

Dante Alighieri, conhecido mundialmente e considerado o maior escritor italiano, faleceu em Ravena, em 14 de setembro de 1321, logo, há 700 anos, acometido por febre malária. Nasceu em Florença (Itália) em maio de 1265, século XIII, vivendo, portanto, entre a Idade Média e a Idade Moderna... Leia mais

É tempo de misericórdia

De forma especial, em 2021, é preciso compreender, independentemente de crença religiosa, que em tudo deve prevalecer o amor ao próximo, de forma a que todas as pessoas tenham direito à vida com dignidade e respeito. Perdoar o outro e também a nós mesmos. Por que, às vezes, somos tão duros e não nos perdoamos, por exemplo quando não atingimos um objetivo?... Leia mais

O inimaginável depois do amanhã

Atualmente, o orbe experimenta a existência de uma população de viventes, que atinge o patamar de oito bilhões de seres humanos cujas ancestralidades se mesclam no tempo difuso da criação, onde a sobrevivência racial é determinada pela mutabilidade comportamental... Leia mais




Abril - Edição 266

Niskier, a navegação no passado com olhos postos no futuro

Caminhamos para um outro mundo muito diferente e que nascerá após o rasto da tragédia. Será melhor ou pior conforme o nosso empenhamento. Dependerá das escolhas e das apostas que hoje fazemos ou não fazemos... Leia mais

Éramos felizes e não sabíamos

Daqui a alguns dias, minha agenda assinala um ano praticamente em isolamento total. Parece mentira!
Como tenho vivido?... Leia mais

Entrevista - João Candido Portinari

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura... Leia mais

Pandemias e o vírus da fome

O terráqueo que perambula pelos cinco continentes do planeta Terra e, inclusive pela submersa Atlântida, há mais de 300.000 anos, tem experimentado no decorrer de sua existência a ocorrência de pestilências das mais variadas espécies, a dizimar os humanoides de forma avassaladora, a extinguir povos... Leia mais

Reflexões sobre a arte da escrita

O Cachorro e o Lobo de Antônio Torres... Leia mais

Velhice

Sinto-me estranha e diferente. Meu corpo mudou ao ponto de me assentarem bem os vestidos frouxos. A tinta preta nos meus cabelos esconde uma brancura externa, enquanto a neve se espalha por dentro de mim. Precisaria de mais vitalidade, de mais esperança no futuro. Meus olhos estão baços de ausências. A cidade onde nasci coalhou-se de fantasmas que me veem caminhando nas ruas. Acenam-me das janelas de antigas casas que foram demolidas.... Leia mais

O Richard Burton que não conheceu Elizabeth Taylor

Muita gente se lembra do ator galês Richard Burton, que foi marido da bela atriz Elizabeth Taylor. Em filme famoso, baseado em peça de Shakespeare, ele foi Marco Antônio e ela, Cleópatra, ficando Rex Harrison com o papel de Júlio César... Leia mais

Convivência na diversidade

À politização exacerbada seguiu-se a polarização radicalizada. É o que vivemos hoje, quando o fato de frequentarmos de nossas poltronas as redes sociais, espaços de convivência que já pouco têm a ver com as praças helênicas e os cafés franceses, favorece o entrechoque de ideias e posições sem a adoção de maiores cuidados, até mesmo argumentativos. Já não se cultiva a politesse, já não se parece usar a gentileza como regra de convivência. Amizades se desfazem, parentescos estremecem, enquanto a profusão de postagens vai passando diariamente pelas nossas vistas. Acontece que, tirando as redes sociais, uma tal situação não é exclusividade do tempo em que vivemos.... Leia mais

Escravatura e racismo. Negros e judeus.

Depois da fuga do Egito, para se livrar da escravatura, o povo judeu continuou a saga do sofrimento por longos anos, de pogroms a perseguições, até o morticínio do terrível holocausto. Os negros permaneceram lá, abanando as várias cleópatras, rainhas menos famosas, e preenchendo, também, os diversos períodos da humanidade, com histórias de dor e exploração... Leia mais

Bibliotecário & Paginação

Palavras que se referem a um mesmo assunto: livros; mas apresentam significados diferentes, de acordo com a característica de cada uma. Para os bibliotecários, é preponderante a bibliognosia: conhecimento prático do livro como as edições, o assunto, autor etc. A paginação é o trabalho de colocar as páginas em ordem numérica.... Leia mais

Figurinhas e figurinhas

Eu nem despertara e a mesadinha já estava sobre a estante. Era de lei aos sábados. Havia sempre a advertência do meu pai: “não gaste tudo, economiza.” Mas quando dizia isso, eu já estava pronto – roupa trocada e café tomado – para a gastança. Até botar o pé na rua, precisava vencer seis andares de escada. Não por falta de elevador, mas de coragem. Desde que experimentara a desgraça de ficar preso em um, com parede em reboco descortinada à frente, só o usava acompanhado.... Leia mais

Lembranças

Em Pernambuco Cultural, Jornal de Letras, 1987, Audálio Alves, jornalista, poeta, escreveu: “Nos últimos anos, começo da década de setenta, a presença da mulher nas letras e nas artes no Recife, cada vez maior pelo nível de produção literária ou artística na cultura pernambucana, cito Maria do Carmo Barreto Campello de Melo, Celina Cavalcanti, Débora Brennand, Maria de Lourdes Hortas, Luzilá Gonçalves, Janice Japiassu, Lourdes Sarmento, Guita Charifker, Leny Amorim, musicista e escritora.” Continua Audálio, “o mesmo poderemos dizer em nível escritural e artístico que apresentam em número bem menor, que se revelam em Ladjane Bandeira, Tereza Costa Rego e Marly Mota seriam suficientes para dizermos a verdade, cada uma vale por cem, tal a altura em que suas artes se colocam hoje, não apenas no espaço pernambucano, mas não há dúvida diante do que se faz no país”... Leia mais

Março - Edição 265

Reflexões sobre a arte da escrita

Educação não é um privilégio: a grandiosa obra de Anísio Teixeira... Leia mais

De uma vez por todas

Deixou a casa às escuras, medindo os passos, para não ser notado. Fechou a porta. Forçou a maçaneta, para conferir se estava mesmo trancada. Por alguma razão, guardou consigo a chave. Alojou a pesadíssima mala no carro. Não olhou para trás... Leia mais

Entrevista - Paulo Betti - Um homem de cultura

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura.... Leia mais

O que significa ser alfabetizado em nosso país?

Que importância é dada por cada pessoa à sua alfabetização? O que é ser alfabetizado em nosso país? Para quem é alfabetizado e a teve na idade certa, nem consegue imaginar o que seria de sua vida sem o domínio da leitura e da escrita, já que essas atividades são naturais no dia a dia e em diversas práticas corriqueiras... Leia mais

Da inquietude à poesia

Era manhã de dezembro de 2019, e um diálogo amoroso com o mar acontecia. Uma pergunta fazíamos um ao outro: Qual caminho percorrer?
Tantas incertezas se confundiam com oportunidades, idas e vindas e recomeços... Leia mais

Museu do Holocausto em Portugal revive a memória da tragédia

A inauguração oficial do Museu do Holocausto em Portugal, na cidade do Porto, o primeiro na Península Ibérica – e que deveria coincidir com a comemoração do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto – foi adiada, devido ao surto, cada vez mais intenso e preocupante, do Covid-19. Portugal tornou-se um dos países com mais mortos por milhão de habitantes e, ao mesmo tempo, com maior taxa de contágio na Europa.... Leia mais

Álvaro Pacheco e Francisco Miguel de Moura: O Tempo e os Fantasmas

Venho proclamar louvores aos tesouros sentimentais oriundos do interior do Piauí. Refiro-me aos escritores da minha predileção: Álvaro Pacheco e Francisco Miguel de Moura... Leia mais

Contas de lágrimas que choraram

As contas de lágrimas (Coix lacryma-jobi), uma planta nativa, são medicinais. A infusão de suas folhas, dizem, serve para doenças renais, pois é um chá diurético. É relaxante e antitérmico.
O plantio se faz pelas sementes lançadas em lugares irrigados. Elas são continhas durinhas, azuladas, com as quais se fazem ornamentos: brincos, colares, pulseiras, e diversos recipientes de adorno.... Leia mais

Aprendiz, eficaz passo inicial na qualificação profissional

Numa economia pressionada pela necessidade de reduzir gritantes falhas na qualificação da força de trabalho – tanto para melhorar os indicadores de produtividade quanto para viabilizar a inclusão social do enorme contingente de brasileiros despreparados para o mercado de trabalho –, o maior desafio... Leia mais

O pesadelo epidêmico

I
Da ponta da caneta
jorrava
um fragmento de sol.
Depois, gemeu
e estilhaçou-se:
era a Covid
comendo a luz.... Leia mais

Poeta Caiçara

Sou de todo mar
Vagas e espumas
Oceanopoema o meu cantar
Sou barco em travessia... Leia mais

Loretando

À primeira neta – na espera.
Aquecida desperta,
Sempre alerta,... Leia mais

Santo pecado

A igreja imponente no alto da colina do castelo, que abrigava o convento de Berlim, iluminada pelos relâmpagos, proporcionando lascas e aços espelhados no horizonte sem fim.
Tarde fria e chuvosa. Densas nuvens cinzentas acumulam-se no horizonte, ameaçando pancadas de chuva... Leia mais

Saudades de Antonio Olinto

Chega o dia de enviar a coluna para o jornal e o blog e as ideias não fluem. Este tempo que vivemos nos deixa assim. Antes alegávamos falta de tempo... Era (é?) uma correria. Hoje, muitos estamos com trabalho em casa (prefiro o português ao inglês). Os dias parecem demorar, mas, têm a mesma velocidade... Leia mais



Fevereiro - Edição 264

Reflexões sobre a arte da escrita

A narrativa do romance Explosão de Carlos Nejar... Leia mais

Sequências

Não é o tempo
que envelhece.
Nós que envelhecemos
o tempo. Depois o tempo... Leia mais

Sangue no jornal

Só aos domingos minha família comia carne. O dinheiro não suportava outra possibilidade. Era minha avó quem determinava a ida ao açougue. Quantos anos eu tinha na época? Sete ou oito, talvez... Leia mais

O início de uma nova era

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, com Fernanda Costa-Moura, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura... Leia mais

Taças

O antigo móvel envidraçado da sala guarda ainda um conjunto de taças de cristal. São lindas essas copas! Algumas maiores, bojudas, outras compridas e altas. Transparentes, de areia e chumbo diluídos, soltam um som agudo ao estalar dos dedos... Leia mais

O anedotário entre os registros da academia

O humor é uma forma de Literatura. Seja que elastizemos o conceito, incluindo aí charges e cartoons, seja restringindo-nos ao sentido mais literal do termo, quando então estaremos nos ocupando dos anedotários como repositório literário. No primeiro caso, lembremos o Lesgens de justice, de Honoré Daumier, coleção de charges publicadas entre 1845 e 1848, retratando de maneira satírica o antigo sistema judicial francês.... Leia mais

Nélida em águas profundas

Ela é uma colecionadora de prêmios, nos dois lados do Atlântico – de alguns dos mais importantes do Brasil, ao Juan Rulfo, do México (o de maior repercussão continental), ao Vergílio Ferreira, de Portugal, e o Príncipe de Astúrias, no qual desbancou uns trinta e tantos nomes mundiais que estavam na lista dos premiáveis, entre eles o norte-americano Paul Auster e o israelense Amos Oz.... Leia mais

No Albamar, outrora

(A Fabio de Sousa Coutinho, escritor, carioca e tricolor.) “A maior fascinação das ilhas sedutoras é serem desabitadas. Lá só moram as gaivotas, os trinta-réis, as aves limpas do mar. E quem ali aportar respira com a liberdade aliviada de um Robinson, prova a bem-aventurança da solidão... Leia mais

Literatura e diplomacia sob o signo de Machado

Machado de Assis é inesgotável. Cada geração continua a relê-lo, a redescobri-lo e a encontrar novos motivos de interesse e de investigação.... Leia mais

Doutor da bocha

O jogo de bocha era uma coisa muito séria quando eu ainda não passava de pirralho em São Paulo. E nem pensar em fazer daquilo brincadeira de final de semana para a garotada. Somente adultos devidamente uniformizados, e apenas homens, podiam entrar nas quadras do sagrado “Palácio da Bocha” do Ipê Clube, em São Paulo... Leia mais

Foi assim

Quem ia já não foi, ficou
O tempo parou na porta de
Do portão para dentro ficamos
Presos em nossas gaiolas de concreto e aço
Forças ocultas, susto, destino?... Leia mais

Viver é lutar

é uma arte.
é intensamente sonhar,
é ter fé em utopias.
é átomo repleto de moléculas.
difusas,
nebulosas... Leia mais

A dimensão de Machado de Assis

O escritor e crítico espanhol Antonio Maura, sócio correspondente da Academia Brasileira de Letras, esteve no Cairo para a conferência “El autor y sus máscaras: Una aproximación a Cervantes y Machado de Assis” (“O autor e suas máscaras: Uma aproximação de Cervantes e Machado de Assis)”, no Instituto Cervantes local... Leia mais

Manga-rosa

Agarrada à minha, a mão de Judith era o que me prendia à vida, onde já não queria estar. Sonhava com o fim do meu tormento, quando voaria para bem longe, sem corpo e sem dor... Leia mais



Janeiro - Edição 263

Homenagem a Joseph Safra

A morte do banqueiro Joseph Safra foi recebida com pesar não só no setor financeiro como em toda a sua legião de amigos e admiradores.
Fundador do Banco Safra, ele morreu aos 82 anos, de causas naturais, no dia 10 de dezembro de 2020... Leia mais

Sobre o que ficou

Sou um decorador inquieto. Pronto. Encontrei um elogio frente a tantas ausências que moram em mim. Inquieto é palavra boa. A ruim é insatisfeito. Decoro a casa dos outros e a minha própria. Ou as minhas... Leia mais

Entrevista Gilda Matosso

Lembranças de Vinicius
Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura... Leia mais

Clarice Lispector e suas revelações epifânicas

Como é bom quando se é jovem e se encontra uma arte à qual nos dedicamos por uma vida inteira! Aos vinte anos, já professora, estudiosa de literatura, descobri Clarice Lispector. Comecei então uma viagem intensa por seus livros, seu fazer literário intimista, sua trajetória... Leia mais

Três dedos de prosa

Nostalgia é um sentimento que acomete grande parte da humanidade. A palavra está nos dicionários, todo mundo conhece, mesmo aqueles que se mantêm ilesos à conhecida patologia. Mas aonde quero chegar? Quero chegar, senhores, à história da palavra... Leia mais

Affonso Cláudio e os sucessores da ancestralidade capixaba

É através da memória que damos significado ao cotidiano e acumulamos experiências. O termo “academia” remonta à Academia de Platão – escola fundada pelo célebre filósofo grego nos jardins que um dia teriam pertencido ao herói Akademus (de onde vem o nome)... Leia mais

Pílulas para o silêncio

Na madrugada, em meio às lembranças das recentes brigas, ela via-se resoluta a quebrar os grilhões que a prendiam a ele.
Na manhã, ao lhe preparar o café, caprichou nas pitadas de sal sobre os ovos mexidos. “Que este sal te ofenda, condenado!”... Leia mais

Adeus a Eduardo Lourenço

Um dos maiores ensaístas de Portugal, Eduardo Lourenço morreu aos 97 anos, no final de 2020. Conhecido pelas análises certeiras da identidade lusitana, o célebre crítico foi muito além da filosofia e da literatura... Leia mais

O rapé de Dona Lúcia

Com um lenço florido no cabelo, saia longa, estampada, azul com flores vermelhas e amarelas, chegava nas casas, antecipando um nascimento. Sentava na cadeira e pedia café. Seus brilhantes e atentos olhos azuis faziam o reconhecimento da casa e da senhora que a esperava ansiosa. De sua saia com grandes bolsos internos, tirava seu rapé para cheirá-lo. .. Leia mais

Título de cidadania aprovado

Para cumprir pontualmente o horário da reunião festiva, final da tarde, o carro guiado por mãos ágeis ganhou rapidez pelos caminhos tantas vezes percorridos na infância da cidade que me acolhe e atiça a memória para as coisas boas que aconteceram. Em dualidade com a menina ruiva que me acompanha, retomamos nossos caminhos de saudades, pela rua onde moramos, ao longo da Rua do Frade, ocupada com cadeiras ao longo da calçada, onde morava o sacristão da Igreja Matriz, pai das minhas colegas do Colégio Santana, Zezita e Creusa de Moura Leal... Leia mais

Tatuada – um miniconto para a quarentena

A campainha tocou três, quatro vezes, impaciente. A sua neta preferida chegou, vovó. E veio para ficar..., cantarolava, do lado de fora, a voz ainda adolescente, mas já decidida. Entre medicamentos e seringas, Renata franziu o cenho, prevendo dias tumultuados. A menina não era fácil: Mimada, cheia de vontade, acha que pode fazer o que quiser, em todo lugar”, comentava com as outras enfermeiras em seus grupos de whatsapp... Leia mais



Dezembro - Edição 262

A última vez

Ontem abandonaram um videocassete na lixeira do meu prédio. Custei a identificá-lo. Pensei, primeiro, tratar-se de um aparelho de DVD antigo. Depois, de um receptor de home theater. Até enfim perceber que era um velho amigo... Leia mais

Abracei Nélida Piñon

A sexta-feira deixava claro que a semana já havia cumprido seu papel. Um frio desnecessário atravessava o início de novembro. E um sol me explicava que o belo mora no alto... Leia mais

Aprisionada pela memória

O mar se descortina
num calmo combate
com as claras areias.
A visão de sua ondulante superfície,
dos pescadores na areia
e dos navios ao longe,
longe de dar-me calma à alma... Leia mais

Educação na pandemia

Não restam dúvidas sobre os males causados pelo coronavírus no mundo, abalos na saúde, na economia, nas atividades sociais, no turismo, enfim, algo surpreendente que transformou o ano de 2020 em período que nunca será esquecido... Leia mais

Inventário de um desassossego

Livro de estreia de André Osório, Observação da gravidade (Ed. Guerra e Paz, Lisboa, 2020) revela-nos um jovem autor português que aos vinte e um anos, impõe-se por uma precoce, mas plena maturidade criativa. Esse conjunto de poemas resulta não apenas do olhar imerso num lirismo muito peculiar, mas também de uma introspecção metafísica... Leia mais

Entrevista - Nélida chegou a Sagres

Entrevista transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier, no Canal Futura. - Nélida Piñon... Leia mais

Noiva

Foi lindo ter-me vestido de noiva um dia! Eu era jovem e pensei: “Agora vou me tornar diferente, serei algo que não conheço, mas posso ser.” Ardi, tive medo, tremi, representei o papel de sedutora.... Leia mais

Por que choro?

No século XV, Diego López de Haro
Em um lamento versejou:
“no lloro por los amores
bordados de disfavores... Leia mais

Taj Mahal

Confesso de público minha grande admiração pelo Taj Mahal, que considero uma das mais belas construções do mundo. A Unesco fez-lhe justiça, declarando-o Monumento Cultural da Humanidade. É um esplendor de beleza, o principal cartão postal da Índia. O cartão-postal da Índia por excelência... Leia mais

Vá rever as flores

Não fique aí
A dondolar a dor
nessa boca de cantos caídos.
Vá saltar os muros
vá rever as flores... Leia mais

Alfabetização pela Imagem

Morreu, neste início de século e de milênio, a educadora Branca Alves de Lima, aos 91 anos, deixando órfãos aqueles que acreditam que a alfabetização com cartilhas não só funciona muito bem como é mais simples do que essa “moda” atual do construtivismo... Leia mais

O centenário clube alemão de Pernambuco

Final da Primeira Guerra Mundial, em 1918, imigrantes alemães chegaram ao Estado de Pernambuco e se estabeleceram como nos ensinou o mestre geógrafo Tadeu Rocha: “entre colinas terciárias sedimentares desde a ponta de Olinda ao norte, os Montes Guararapes e o Cabo de Santo Agostinho ao sul.” Os alemães fundaram, no Recife, em 1920, a primeira sede do Clube Alemão, na Rua do Progresso... Leia mais

Súplica esculpida

Essa interessante imagem, recebida pela internet, poderia servir de ícone para o ano de 2020. Ela pode nos remeter a um pedido de socorro de Gaia (Mãe-Terra) e de seus viventes, que enfrentam dois grandes problemas mundiais na atual conjuntura: pandemia e incêndios florestais... Leia mais

Humidade ou umidade

A Língua Portuguesa é bela, sonante, suave para ouvir-se, cadenciada e múltipla, rica de vocábulos, fonemas e linguajares, tudo amalgamado no cadinho primevo, oriundo da ancestralidade céltica, da regência do período neolítico... Leia mais



Novembro - Edição 261

A educação profissional vista por dentro

Quando vires um homem bom, tenta imitá-lo; quando vires um homem mau, examina-te a ti mesmo. (Confúcio) Aqueles que lidam com a educação profissional em qualquer nível têm sempre presente o enfrentamento de desafios tendo em conta a natureza do modelo educativo adotado e as dificuldades próprias de aprendizagem dos jovens e adultos em busca de empregos imediatos... Leia mais

O Pai

Nossa mão pequena
em sua mão,
semente no fruto
ou fruta em seu cacho.
Nossos brinquedos
cabiam
em seus sapatos... Leia mais

A vida que costumávamos ter

Ontem, fez dois anos sem ela. E ela faz, ainda, aniversário em mim. Não tive o poder da decisão, sequer pude limpar os ditos incorretos, rasurar alguma explicação. Tenho o bom e o ruim do silêncio. Fico quieto tempo demais... Leia mais

Presença da mulher na cultura brasileira

Entrevista com Rosiska Darcy de Oliveira transmitida em nível nacional, no Programa Identidade Brasil, apresentado, por Arnaldo Niskier , no Canal Futura.... Leia mais

Como a Covid-19 está afetando o mercado editorial

Antes de mais nada, é preciso colocar as coisas nos seus devidos lugares: nem tudo é culpa da pandemia. Desde o ano passado, o Brasil já vinha enfrentando diversos problemas na área econômica... Leia mais

A literatura nos diários

É muito comum (se não unânime) em cursos e oficinas de escrita criativa o conselho para que candidatos a escritor mantenham um diário – vá lá, um caderno de notas – que lhes favoreça registrar fatos, ideias e impressões. Algumas pessoas é que tornam esses cadernos num diário, quando uma qualquer consideração de maior monta lhes induza disposição para um “a mais” de rigorismo e de método... Leia mais

Louise Glück conquista o Prêmio Nobel de Literatura 2020

Nobel de Literatura de 2020 por sua “inconfundível voz poética, que, com uma beleza austera, torna universal a existência individual”. Glück é a primeira mulher poeta a receber o Nobel, desde a polonesa Wislawa Szymborska, em 1996.... Leia mais

Tempos de inclemência

Vivemos tempos de inclemência, tempos em que a angústia parece não deixar lugar à poesia. Quando a humanidade está ameaçada por uma pandemia que põe em guarda todos os homens, embora ceife muito mais os mais pobres, deveriam todos, sobretudo depois dos trabalhos de Levi Strauss e Margaret Mead, perceber que só há uma raça, a raça humana, e que somos todos pertença dessa raça triunfante sobre a terra, apesar das ameaças constantes que sobre ela lança a natureza... Leia mais

Madame Lindimar Sorralheiro

Agora já consigo rememorar os fatos, cena a cena: por telefone, Alexandra Sampaio Gomes me disse que foi mesmo Madame Lindimar Sorralheiro quem previu o nascimento dos gêmeos, hoje com oito anos. Gilberto e Gilson são, de fato, lindos... Leia mais

O escritor que não consegui entrevistar

Acabo de reler um livro sobre Porto Seguro, o paradisíaco rincão da Bahia, onde, em 1500, aportou o almirante Pedro Álvares Cabral com sua frota de 13 embarcações, uma das quais (provavelmente a Santa Cruz) comandada por um tal Aires Gomes da Silva, que morreu num naufrágio, na viagem de regresso a Lisboa... Leia mais

Irmã Cleusa, Educadora e Mártir

A história de vida – e de morte – da irmã Cleusa Carolina Rody Coelho (1933-1985) trouxe-me à memória a proposição de Walter Benjamim de que “cada época ao sonhar a seguinte, força-a a despertar”. Benjamim não sobreviveu ao tempo sombrio do nazismo, assim como irmã Cleusa Carolina, professora capixaba que optou pela vida religiosa, sucumbiu lutando pelos valores nos quais acreditava... Leia mais

Dois poemas para novembro – Mês de Finados

Que doloroso é o tempo!
Encontro por toda parte
palavras e imagens perdidas:
no leito que me acolhe... Leia mais



Outubro - Edição 260

A música e o silêncio

Fui eu que pintei esse quadro. Sim. É minha mãe. Uma metade é o seu olhar, quando se casou com meu pai. A outra, é do último dia em que ela cantou. Foi um pouco antes de entrar em cena. E, depois desse dia, foi silêncio... Leia mais

Predestinado

Abel passou a incomodar-se com o seu nome quando a professora de catecismo, numa de suas longas preleções, contou a história dos filhos de Adão e Eva. Ele descobriu que o seu homônimo mais famoso (e mais antigo) havia sido assassinado pelo irmão Caim... Leia mais

À mestra, com carinho

A primeira mestra a gente nunca esquece. A minha foi dona Tereza, cabeça de algodão, que me ensinou a ler e escrever quando eu tinha quatro anos e meio de idade. Contratei-a eu mesma, pois achava que minha mãe não iria aprovar... Leia mais

Reflexão positiva

Devemos aprender coisa novas, desaprender coisas que não devíamos ter aprendido, reaprender coisas antigas que nós já aprendemos e que serão importantes no futuro. (Silvio Meira) ... Leia mais

Um dia de uma professora rural

Dez e meia: hora da comida familiar. Onze horas: a professora recolhe a sacola com livros e cadernos, revistos à noite. Diante de um sol incandescente, abre a sombrinha e, entre os trilhos da estrada de ferro, caminha em direção à escola.... Leia mais

Um pioneiro de Brasília

“A amizade é como um círculo e como um círculo não tem começo nem fim.” O sentido hermenêutico da frase de Machado de Assis se aplica com toda propriedade ao sentimento que levou o acadêmico José Carlos Gentili, membro da Academia de Letras de Brasília e da Academia das Ciências de Lisboa a homenagear seu saudoso colega Murilo Melo Filho, com a publicação do livreto Murilo Melo Filho – um pioneiro de Brasília... Leia mais

Aos mestres Aos mestres

O lar galego nutriu-me com pão e valores. Abastecida de amor, fui entregue ao Colégio Santo Amaro, de professoras alemãs, para cumprir meu destino educacional. Sob a custódia das madres beneditinas, fui introduzida aos mistérios da educação formal, estaria à salvo da vida à deriva. Aos poucos escalaria os degraus do conhecimento. À sombra dos livros e da escrita.... Leia mais

Canção para a turma de 2011

Aos alunos tão queridos
Que seguiram dia a dia
Os caminhos percorridos
Sempre em busca da poesia, ... Leia mais

Doação de livros para a ABL

“Os livros são abelhas que levam o pólen de uma inteligência a outra”, afirmava o poeta romântico americano James Lowell (1819-1891). A frase acima nos remete aos colecionadores de livros Ivani e Jorge Yunes, que passaram a vida semeando sabedoria. O casal formou um grande conjunto de obras de arte e livros, atualmente conservada na “Sede Groenlândia”, em São Paulo... Leia mais

Entrevista com a velha professora

jornalista chegou cedo, com o bloco de anotações, a caneta, o celular. Eu já a esperava entre meus livros e lembranças. Ela entrou e disse: – Fui sua aluna. Éramos tão jovens, despreparados...
– Perdemos a juventude. Hoje tenho certeza de que nada sei.
Descobri minha progressiva ignorância.
Ela se sentiu um pouco constrangida:
– A senhora me marcou, inspirou-me. Suas aulas.... Leia mais

Um mestre que marcou a vida

Estudei no antigo Ginásio (hoje Colégio) 7 de setembro, em Fortaleza, durante cinco anos, da então quinta série primária à quarta ginasial. Cinco anos que me marcaram fundo, pela presença inesquecível do seu diretor, Edilson Brasil Soárez (1914-1975).... Leia mais

Recordações da Manchete

Em live, o jornalista e acadêmico Arnaldo Niskier foi entrevistado por Ana Maria Ramalho. Eis o resultado: ... Leia mais



Setembro - Edição 259

Amália, tudo o que há dentro de nós

Palavra, a palavra Amália desperta, umas vezes, a euforia e o deslumbramento da festa. O rosto alegre na cidade triste. Outras vezes, essa mesma voz coloca-nos perante estados profundos de angústia e de tristeza que nos fazem descer aos abismos da fatalidade e desespero... Leia mais

Aproximação a autores africanos de expressão portuguesa

A Literatura em geral vem passando por uma fase de acentuada diversificação, em que são criadas demandas por novos autores, novas vozes, novas visões. É certo que o público leitor ficará condicionado a demandas geridas por quem fornece o produto (o livro), dentro das regras de marketing e obedecendo às leis de mercado, mas o comércio de livros pela internet favorece o desenvolver desse processo. Aproveitemos essa tendência... Leia mais

Comadre Jacira – um microconto para a quarentena

Comadre Jacira está desolada. Por conta da quarentena, há três meses não confessa a padre Duílio – como faz há quarenta anos, disciplinada e rigorosa – as terríveis faltas contra Deus e a Igreja que tem cometido em sua rotina de senhora pacata e sozinha, agora mais que nunca. Se fosse só desolada... Leia mais

Dia do escritor

Esta coluna, não diria crônica, é para Matusahila Santiago, in memoriam. Nos dias que passaram, em 20 de julho, tivemos o dia do amigo, da amizade; de Santa Maria Madalena, amiga de Jesus, tantas vezes erroneamente interpretada: em 22, a reconstrução da face de Santa Maria Madalena, equipe que coordenei, em 2015, tendo à frente o designer 3D Cícero Moraes, promoveu, também, a possibilidade de uma revisão histórica da santa a partir dos evangelhos..... Leia mais

Dois poemas

Retrato da mãe

De rosa sentada
no branco banco
com tímido sorriso
pedia a proteção
que tanto deu... Leia mais

Pedro Caetano, o cronista musical de seu tempo

Consagrado por sambas, valsas e marchinhas, compositor teve sucesso gravado por Elis Regina e gravou disco dedicado ao Espírito Santo. Em sua autobiografia, 54 Anos de Música Popular Brasileira – o que fiz, o que vi, Pedro Caetano se definia, de forma bem-humorada, como “um cara que começou logo dando confusão”... Leia mais

Reflexões sobre a arte da escrita

A busca do divino em Trívia de Marco Lucchesi.
Um dos pais da Igreja, São Efraim (ou Efrém, o sírio), que viveu entre 300 a 373 no que hoje conhecemos como Turquia, em algum momento de sua busca espiritual... Leia mais

Sob os cedros do Senhor

olidarizando-me com as vítimas da tragédia ocorrida no Líbano, a explosão do dia 04 de agosto deste ano, que abalou a zona portuária e o centro de Beirute, transcrevo poemas de nosso romanceiro Sob os Cedros do Senhor: ... Leia mais

Uma canção para Diadorim

“Quando você foi embora / Fez-se noite em meu viver”. Assim começa Travessia, de Fernando Brant e Milton Nascimento, que dispensam apresentação. E assim começa o sofrimento de Riobaldo, personagem-narrador de Grande sertão: veredas, (1956), de Guimarães Rosa, autor que também dispensa apresentação – e que morreu em 1967, mesmo ano em que nasceu a famosa canção... Leia mais

A sexagenária poesia de Carlos Nejar

Num tempo de enturvadas incertezas, e que nos parece abrir novos caminhos para o precipício, comemorar um evento literário pode não ter a repercussão de um foguetório de gols de final de campeonato; nem o estrondoso delírio das massas ovacionando os endeusados astros da música sertaneja; mas certamente engalana o âmago de nossas almas, tão ávidas da flor desses mistérios que embalsamam a criação poética... Leia mais

A morte do poeta

Sérgio Luiz Blank (1964-2020), poeta capixaba, foi eleito para a Academia Espírito-santense de Letras (AEL) em junho de 2020, em disputada eleição com outros candidatos inscritos. Alguns de seus amigos o intitulavam de o maior poeta capixaba, título difícil de ser aferido, tal o número de bons poetas capixabas existentes... Leia mais



Agosto - Edição 258

Galáxia dos dias

Galáxia dos Dias, um baú comemorativo da obra do poeta goiano Gabriel Nascente, lançado pela Editora Kelps, reúne toda a poesia do autor. Trata-se de uma caprichadíssima coletânea contendo quatro volumes de mais de mil páginas cada um, com poemas revisados e, alguns deles, ampliados.... Leia mais

Quincasblog, bom a partir do nome...

Há escritores brasileiros que, não bastasse o renome na literatura, mostram-se grandes, também, no exercício da carreira diplomática: Guimarães Rosa, Gilberto Amado, Vinicius de Moraes, José Guilherme Merquior, Antonio Houaiss, João Cabral de Melo Neto, Dário de Castro Alves, Alberto da Costa e Silva, Sérgio Paulo Rouanet, João Almino, Felipe Fortuna... Leia mais

Um século e meio une música e literatura

A ópera Il Guarany de Antônio Carlos Gomes completou 150 anos, no dia 19 de março, de sua estreia em Milão, e completará, ainda, 150 anos no dia 02 de dezembro sua apresentação no Rio de Janeiro. Carlos Gomes, nascido em Campinas, ganhou uma bolsa de estudos de D. Pedro II para estudar na Itália.... Leia mais

O legado romanesco de Elvira Vigna

Tema de minha tese de doutorado, defendida recentemente no Programa de Pós-Graduação em Letras da PUC Minas, sob orientação da professora Márcia Marques de Morais, o legado romanesco de Elvira Vigna compreende dez livros, lançados entre 1987 e 2016.... Leia mais

Criaturas do mar

Há em mim uma veia lusitana que faz com que me sinta uma criatura vinda do mar. Talvez porque tudo sai do mar e a ele retorna. Talvez porque o mar esteja entre mim e Deus neste século. Talvez porque atravesso o mar da vida em um navio frágil.... Leia mais

Visões e reflexões

Desisti de Te achar no quer que seja, De te dar nome, rosto, culto, ou igreja... — Tu é que não desistirás de mim! (José Régio – Biografia)... Leia mais

As coleçoes acadêmicas

Às Academias de Letras cabe – ideia central da sua criação e permanência – o cultivo da língua e da literatura nacionais. Das regionais, e hoje existem Academias de Letras na maioria dos estados, espera-se um especial empenho no cultivo das expressões literárias do seu âmbito de atuação... Leia mais

Prêmio Sesc de Literatura 2020

O escritor carioca Caê Guimaraes, radicado no Espírito Santo, ganhou o Prêmio Sesc de Literatura 2020, na categoria romance, superando 1.358 obras de todo país com o livro Encontro Você no Oitavo Round, que será editado pela Editora Record até dezembro... Leia mais

As plantações e os exageros

Conheço o campo melhor do que a cidade. Lá nasci, lá cultivei a terra, lá vi crescer o alimento. Lá, fui me alimentando de interiores, de paciência, de aprendizagens. Acordávamos o dia nos esquentando de trabalho. E era bom. O cheiro da roça ainda vive em mim. Basta uma pausa e a lembrança me alimenta de tempos bons. Uma pausa... Leia mais

Sugestões de leituras para a tal de quarentena

Nesta terrível temporada da pandemia que assola o mundo, temos tido belos exemplos de solidariedade, de ajuda de todos os tipos, de mutirões voluntários para amenizar o sofrimento. O egoísmo tem dado lugar ao altruísmo e ao heroísmo em benefício do próximo... Leia mais

O continente africano é o maior

Apesar da pandemia do novo coronavírus ser a mais grave crise sanitária de nossa geração, está longe de ser a primeira. Especialmente na África, um continente que enfrentou severas epidemias de malária, tuberculose, cólera, HIV, sarampo e ebola. Todas essas doenças tiraram vidas, mas também forçaram a comunidade científica e médica africana a inovar... Leia mais



Julho 2020 - Edição 257

Centenário do saudoso Castelinho

Com vocação literária comprovada ao longo de seus textos, estendida pelo talento jornalístico, o acadêmico Carlos Castelo Branco teria completado 100 anos no dia 25 de junho... Leia mais

Quem foi Antonio DiasTavares Bastos?

Antonio Dias Tavares Bastos nasceu em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, em 7 de julho de 1900. Os Bastos se mudaram para Vitória em 18 de julho de 1910. O pai de Tavares Bastos, José, era juiz federal, além de autor de obras jurídicas... Leia mais

Reflexões sobre a arte da escrita – Quando a literatura nos fala ao coração

Em tempos difíceis em que a sombra da morte parece se aproximar de muitos de nós, parece-me natural que busquemos algum conforto em textos que possam nos dizer algo diretamente ao coração. Sejamos devotos ou não, a literatura, muitas vezes, nos provê de escritos que, com a abertura correta de nosso espírito, pode muito nos dizer de nós mesmos e nos levar à reflexão de elementos centrais de nossa existência... Leia mais

Leitura em tempos de Quarentena

Em tempos de quarentena, com grande parte da população confinada e impedida de desempenhar os afazeres habituais, sobra tempo para atividades pouco usuais... Leia mais

Uma livreira judia em Berlim

Ela e a mala errante viajaram muito. Ao fugir do nazismo, ambas se perderam e se acharam de maneira inesperada: uma sofrida, a outra, avariada. Saíram às pressas de Berlim, juntas, e se encontraram em Paris, não sem um atraso; depois, em nova fuga, foram separadas em Vichy para se reencontrarem, meses depois em Nice... Leia mais

Planejamento Educacional

Na Grécia Clássica, o uso da razão, da inteligência crítica, promoveu o desenvolvimento individual, o qual era capaz de criar leis humanas que estariam ligadas ao destino dos cidadãos homens livres. A educação grega centrava-se na formação integral... Leia mais

Difícil falar dos sentimentos que nos tocam

De afetos e saudades que nos prendem e emocionam, ressuscito imagens a me dar conta da solidão nesta quarentena. Estou só em meu apartamento. Valho-me do que posso fazer com os meus 94 anos... Leia mais

Relendo Murilo, que soube ler o seu tempo

O sinal terrível do nosso tempo é a ausência de grandeza. Todos se recusam a ser grandes. Não quero, porém, que meu país seja um mendigo ingrato, uma coisa insignificante, ou a pátria dos recalcados e dos raivosos, mas uma nação positiva e criadora, amante do seu grande destino... Leia mais

Pia

Sobravam-me alguns minutos de mais um dia apressado dentro de casa quando subitamente me acometeu o desejo de escovar os dentes. Premência de livrar a boca dos excessos rotineiros, cotidianamente guardados, em plena pandemia. Dirigi-me ao banheiro – era muito próximo, mas tão longe... Leia mais

Os sobreviventes

Há muita diferença entre viver e sobreviver. Viver manifesta a grandeza, a totalidade de nosso ser. Sorvemos bons e maus momentos com força e fé. Encaramos o trabalho como oportunidade de autorrealização, algo semelhante à arte... Leia mais

Dona Arminda – um mini conto para a quarentena

Fui alertado por minha mãe, cuja primeira frase, “você está com tempo agora?”, deu logo a entender que o telefonema não seria rápido. Sua voz soava pausada e grave, como em toda vez que tratava de tema importante, que não poderia, de modo algum, ser esquecido ou negligenciado: ‘Não atrase um minuto. Dona Arminda não tolera a falta de pontualidade. Por isso, acorde cedo e se arrume com antecedência.” Como se tivesse uma lista de recomendações à frente, prosseguiu: “Vá bem-vestido... Leia mais

Pandemia do coronavírus

Surto! Inesperado;
a humanidade recebe contágio;
não sabe como se defender.
Triste ver a mortandade de jovens
e os fracos metabolismos humanos
na vivência da morte antes do tempo;
morrerão amanhã? Ninguém saberá;
talvez seja hoje.
... Leia mais

Fé e coragem

“Uma vela acesa
Acende um milhão
De outras velas
Nem por isso,
Ela diminui a sua chama”
Não reclama,
Proclama a tua fé... Leia mais

Versos em tempos de quarentena

Passou o tempo
de corações solitários
É hora de corações solidários
Anoiteceu grão
Amanheceu flor?
Calma! A VIDA
apenas se transformou
Ninguém está à toa
Deus a todos se doa
Amor é certeza:
Dentro do peito... Leia mais

Perfil

Os seus lábios são beijos; É uma canção de embalar a sua boca! Nas suas pálpebras há um mar de lágrimas ocultas... Leia mais

Sonetos em Crise de Jorge Elias

Neste período de pandemia ocasionada pela COVID-19, Jorge Elias Neto, médico cardiologista, que pertence à Academia Espírito-santense de Letras, Cadeira nº 2 (cujo patrono, Graciano dos Santos Neves, também foi médico) lança pelo correio Sonetos em Crise, com arrecadação voltada a alimentar pessoas sacrificadas pelo coronavírus... Leia mais



Junho 2020 - Edição 256

Hélio Dória: Recorde mundial no Jornalismo

Considerado o principal colunista social do Espírito Santo, o jornalista Hélio Dórea completa, este ano, 65 anos de colunismo diário. Assim que passar o período de isolamento social, imposto pela pandemia do COVID-19, não faltarão motivos para festejar.... Leia mais

Entrevista Izabela Murici

Arnaldo Niskier: Izabela Murici é consultora da famosa Falconi, que tem sede, primeiro, em Belo Horizonte, mas que, hoje, trabalha em todo Brasil cuidando, particularmente, de educação. Você gosta de tratar de educação?... Leia mais

A poética de Nejar

A urgência da leitura tem seu registro em inúmeros pensadores, filósofos e escritores, entre os quais destaco três grandes autores hispânicos: Borges, para quem somos feitos do que lemos; Cortázar, que defende: se não podemos mudar o mundo devemos mudar a função da leitura e Carlos Fuentes, que declara a necessidade de relermos o que já lemos... Leia mais

Saudades de Germano

Germano Coelho foi, sobretudo, um privilegiado pensador. Morreu, aos 93 anos de idade, no Recife, cercado de familiares.... Leia mais

Sabedoria Imortal

Engenheiro de formação, Paulo Penido é de uma família mineira tradicional, um dos gestores da Serveng, empresa de engenharia com importante participação na construção de Brasília. A inauguração da capital do país completou 60 anos este ano, evocando homenagens em todo o Brasil.... Leia mais

A morte de Garcia Roza

“Se você perde a palavra, perde aquilo que constitui o sentido das coisas, o significado das coisas”, declarou, em uma de suas últimas entrevistas, o romancista, contista, professor universitário e psicanalista Luiz Alfredo Garcia-Roza... Leia mais

Isolada nesta casa

Estou isolada nesta casa, no centro do mundo. Escriba, copio textos rituais. Tomo atitude e posição em relação a forças que caminham lá fora: pragas, pestes, epidemias, chuvas malignas, gotículas virulentas, que insistem em entrar pelas portas, pelas frinchas, pelos vãos do telhado e da consciência... Leia mais

120 anos de nascimento de Gilberto Freyre

O tumultuado mês de março surpreendeu o mundo com a proliferação do Coronavírus (COVID-19), que afugentou o círculo terrestre, afastando tudo de todos. Dia 15 daquele mês, aniversário do mestre Gilberto Freyre... Leia mais

Bem melhor - Um miniconto para a quarentena

Ouviu na televisão que já era possível sair. Que o perigo havia passado, finalmente. Procurou checar a informação nos outros canais... Leia mais

Brasília cidade de Clarice

Se Clarice Lispector fosse uma cidade, esta seria Brasília.... Leia mais

Confidências a Clarice

“Todo caso de loucura é que alguma coisa voltou.” (Clarice Lispector, em A Paixão Segundo G.H.). Voltou, quando tudo aparentava o brilho da permanência. O silêncio da rotina... Leia mais



Maio 2020 - Edição 255

O preconceito contra a velhice

É certo que temos uma caidinha por humor. Mesmo em tempos tão tristes de coronavírus, não se pode ignorar que memes engraçados nas redes sociais nos arrancam um sorriso, uma risada ou mesmo uma gargalhada... Leia mais

Adeus a Rubem Fonseca

Em meio a tantas notícias tristes durante a crise provocada pela pandemia do Covid-19, a morte de Rubem Fonseca nos deixou um enorme vazio. Faltam-nos palavras, mas sobram gratidão e reconhecimento por esse autor que, com a intensidade de sua obra, renovou a literatura brasileira no século XX ... Leia mais

Como será a educação em 2030

Juliano Costa é diretor da Pearson Educação do Brasil, e se formou em História e em Educação na Federal de Alagoas, portanto, um homem de múltiplas facetas. Como será a educação brasileira no ano 2030? ... Leia mais

Reflexões sobre a arte escrita

A literatura já tratou bastante da questão de cenários pandêmicos, descrevendo histórias reais ou fictícias sobre como a humanidade pode sofrer sob o jugo de microrganismos a respeito dos quais, na maioria das vezes, tem pouco conhecimento ou controle... Leia mais

Seis propostas para o fim do mundo

O título é óbvia homenagem ao grande autor italiano (nascido em Cuba) Italo Calvino (1923-1985), que escreveu as Seis Propostas para o Próximo Milênio, publicadas postumamente em 1988. Imagine-se o que diria hoje, ante a sua bela Itália devastada pelo coronavírus... Leia mais

O grande desafio

Tenho por hábito arraigado ler antes de dormir – desde os sete anos de idade, quando, sob meu travesseirinho, dormia também o Coração, de Edmundo De Amicis – autor italiano, que muito me influenciou. Mais que isso, costumo dizer que ele forjou meu caráter com belíssimos exemplos de altruísmo, justiça, compaixão, estoicismo, bondade ... Leia mais

O poder da coroa – corona – na atualidade

A palavra “coroa”, do latim corona, radicado no grego korone, tem várias implicações. Em sua origem, designa um círculo, roda, uma grinalda de flores. Mas passou a indicar a coroa dos reis e também o coro de dança e canto no teatro, por sua disposição circular ou em semicírculo... Leia mais

A lição de Antígona

Quando Sófocles, no século V a.C., escreveu Antígona (442 a.C.), que é considerada a mais bela peça do teatro grego, teve em mente apresentar a luta entre a mulher que defendia a família e o homem que defendia o Estado, como analisou Hegel... Leia mais

O invasor

A nave pousou do outo lado da rua, próximo ao mercado de frutos do mar, que, mais uma vez, impreterivelmente às 5h da manhã, abriu as suas portas. Imediatamente o movimento de feirantes tomou conta daquele espaço onde todos os dias centenas de pessoas vinham ... Leia mais

Banhistas

O melhor momento do dia é o banho. Mergulhar o corpo numa água quente, que nos faça regressar ao útero de nossa mãe. Muita espuma, perfume, sal, óleos grossos e folhas de eucalipto podem completar a sensação de calma e ternura... Leia mais

Corpo estranho – um microconto para a quarentena

É uma misteriosa intuição que lhe avisa para agir rápido: ele jamais passaria a quarentena longe dela... Leia mais



Abril 2020 - Edição 254

A Presença da Morte

A morte? A morte sempre tem hora e vez. Não duvido e não duvido mais desde o que aconteceu comigo há três anos, fato que não esqueço, sendo só contar para arrepiar, não de medo, mais por dúvidas, pois sempre restam algumas em tudo... Leia mais

Anamnésis

Dela vem o apelo estético – enfrentamento do passado com imagens. A paz da exatidão da coisa acontecida e, na compulsão da exatidão, a ação destruidora do tempo na melancolia... Leia mais

Caça e Caçador

Passei pela rua Tonico de Carvalho, que leva o nome de meu tio. Ele era caçador e colecionador de armas de fogo... Leia mais

Escritores de Obtuários

O assunto pode parecer meio mórbido, mas tem sua graça. Leitor amigo, você pode não morrer de rir com esta croniqueta, mas, gentilmente, prossiga, e dê graças ao nosso bom Deus por estar vivo. O caso é que surgiu, há tempos, fazendo sucesso, o volume intitulado O Livro da Vida, organizado pelo jornalista Matinas Suzuki Jr., coordenador da coleção Jornalismo Literário da editora Companhia das Letras... Leia mais

Ex-Libris

Não é bom apertar a alma, para ver se sai tinta. O papel continua sendo o assassino de ti e talvez é melhor que a sombra e que suas adagas por antigas vozes vão descalças... Leia mais

Frutos do Concurso Literário

Escritores da Aprendizagem: assim foi batizada a coletânea das obras finalistas do Concurso Literário Professor Arnaldo Niskier, que reúnem os melhores trabalhos de 2013 a 2018... Leia mais

Homenagem a Malaca Casteleiro

Morreu no dia 7 de fevereiro, aos 83 anos, o linguista português João Malaca Casteleiro (1936-2020), coordenador científico do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa. Figura central do novo Acordo Ortográfico, Malaca morreu no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado... Leia mais

Novas Acadêmicas de ES

A cerimônia de posse das escritoras capixabas Manoela Ferrari e Maria Inês Marreco, na Academia-Feminina Espírito-santense de Letras, marcou a comemoração do Dia Internacional da Mulher, na Assembleia Legislativa do ES... Leia mais

O Papa que não gostava de Deus

Eugênio Giovenardi é dos poucos brasileiros capazes de escrever um livro com a riqueza humana e a magnitude literária que põem As Pedras de Roma (Porto Alegre: MaisQNada, 2009) entre os mais expressivos romances da nossa literatura, nos últimos tempos... Leia mais

Observatório Parlamentar da Juventude

Uma característica do deputado Rodrigo Maia é a extrema simplicidade com que age. Isso o faz credor da admiração dos que o cercam. Foi assim que recebeu, em Brasília, num simpático almoço, promovido pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) o título de “estagiário ilustre”. Tive o prazer e a honra de entregar-lhe o troféu, ocasião em que recordei os seus primeiros tempos de estagiário no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais... Leia mais

Rosa Negra

Eram 5h40 quando João dos Anjos acordou, escovou os dentes, tomou café, deu um beijo na esposa, foi até o quarto dos filhos e, em silêncio, pediu que Deus os abençoasse. Depois, pegou seus pertences, dentre eles uma peixeira, pois era açougueiro, colocou junto com sua marmita em seu embornal e saiu para mais um dia de trabalho... Leia mais