Dezembro - 2023 - Edição 298

Quando devo usar “te” ou “ti”?

Não há coração apaixonado que não se desencante com uma declaração de amor do tipo “Eu ti amo”.
Não se enganem mais ao empregar os pronomes oblíquos te e ti. A forma ti, com “i”, é tônica, já a forma te, com “e”, é átona. Não ajudou muito, não foi?
Vamos tentar esclarecer de outro modo.
Ti sempre é acompanhada de preposições (a, contra, de, em, por etc.). O mesmo não ocorre com te. Exemplo: Eu te amo é Eu amo a ti.


Sem cor

“Gabriel comprou três calças laranjas. ”
Aposto como era de outra cor! As cores que têm nome de objetos (laranja, gelo, limão, vinho, violeta, rosa) não vão para o plural, uma vez que são substantivos adjetivados, ou seja, derivam de palavras originalmente substantivas, que podem funcionar como adjetivos se estiverem qualificando outro substantivo, ficando sempre invariáveis.
Frase correta: “Gabriel comprou três calças laranja.”

Novembro - 2023 - Edição 297

Dançarino

“Henrique achava que era um exímio pé-de-valsa, mas pisou no pé de sua acompanhante na festa.”
Escrevendo assim, não tem como dançar bem.
Não se emprega o hífen nas locuções substantivas.
Frase correta: “Henrique achava que era um exímio pé de valsa, mas pisou no pé de sua acompanhante na festa.”


Esse ou este

Esse, essa, isso são usados para objetos que estão próximos da pessoa com quem se fala, ou seja, da segunda pessoa do singular ou plural. Em relação ao tempo, é usado no passado ou futuro.
Ex.: Você comprou essa pulseira que está no seu braço?/ Esse trabalho será de muita alegria./ Isso que você pegou na geladeira é de comer?
Este, esta, isto são usados para objetos que estão próximos de quem fala, ou seja, da primeira pessoa do singular ou plural. Em relação ao tempo, é usado no presente.
Ex.: Esta pulseira é sua. / Isto que está na minha mesa é do seu irmão?

Outubro - 2023 - Edição 296

Viagem perdida

“Gisela vai para New York fazer compras para as amigas.”
Não é errado utilizar a grafia da cidade estadunidense na sua forma original, mas é recomendável que os topônimos de línguas estrangeiras sejam substituídos pela sua tradução na língua portuguesa.
Frase correta: “Gisela vai para Nova Iorque fazer compras para as amigas.”


Instabilidade empresarial

“Lucas está apreensivo com a recessão que assusta o emprezariado.”
Tem que ter medo mesmo!
Empresário se escreve com s, logo, seu substantivo derivado – empresariado também é escrito com s.
A única exceção é catequizar – substantivo derivado de catequese.
Período correto: “Lucas está apreensivo com a recessão que assusta o empresariado.”

Setembro - 2023 - Edição 295

Areia perigosa

“Alessandra devia saber dos riscos de nadar na lagoa que se formou no antigo areial.” Que perigo! Ainda maior, já que o vocábulo não existe. Observe: Usa-se a vogal e e não a vogal i, antes da sílaba tônica, nos substantivos e adjetivos derivados de substantivos terminados em –eio e –eia ou com eles tenham relação direta. Ex.: aldeão (aldeia), candeeiro (candeia), entre outros. Frase correta: “Alessandra devia saber dos riscos de nadar na lagoa que se formou no antigo areal.”


Relendo Fernando Pessoa

“Quem não vê bem uma palavra não pode ver bem uma alma.” Só uma pessoa com a sensibilidade de Fernando Pessoa poderia escrever dessa forma. Ele foi um amante da língua portuguesa e deixou ao mundo um grande legado através de suas obras. Ler e entender Fernando Pessoa é um privilégio.

Padrão

O esforço é grande e o homem é pequeno:
Eu, Diogo Cão, navegador, deixei Este padrão ao pé do areal moreno E para diante naveguei.
A alma é divina e a obra é imperfeita.
Este padrão sinala aos ventos e aos céus Que, da obra ousada, é minha a parte feita:
O por-fazer é só com Deus.

E ao imenso e possível oceano Ensinam estas Quinas, que aqui vês.
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português.
E a Cruz ao alto diz que o que me há na alma E faz a febre em mim de navegar Só encontrará de Deus na eterna calma O porto sempre por achar

Agosto - 2023 - Edição 294

Sem cor

“Gabriel comprou três calças laranjas.” Aposto como era de outra cor! As cores que têm nome de objetos (laranja, gelo, limão, vinho, violeta, rosa) não vão para o plural, uma vez que são substantivos adjetivados, ou seja, derivam de palavras originalmente substantivas, que podem funcionar como adjetivos se estiverem qualificando outro substantivo, ficando sempre invariáveis. Frase correta: “Gabriel comprou três calças laranja.”


Aquém de x Além de

Gisela quer comprar um móvel, mas não sabe bem como avaliar o bem: “O valor da cômoda estava aquém de seu preço, mas Gisela pagou mesmo assim.” Veja: aquém de = abaixo de, inferior. “O valor da cômoda estava além de seu preço, mas Gisela pagou mesmo assim.” Veja: além de = acima de, superior. Esperamos que a próxima compra da Gisela seja bem equilibrada.

Julho - 2023 - Edição 293

Fedido

“Ingrid não queria ficar perto do irmão, que estava mal-cheiroso.”
Não creio que estava fedido, escrevendo assim.
Não se emprega o hífen nas palavras compostas em que o advérbio mal se liga ao elemento seguinte iniciado por consoante. Ex.: maldisposto, malnascido etc. Frase correta: “Ingrid não queria ficar perto do irmão, que estava malcheiroso.”


Estar, está e esta

Para não errar nunca mais:
Estar: verbo estar no infinitivo pessoal.
Ex.: Faço de tudo para estar o resto da minha vida empregado.
Está: verbo estar na 3ª pessoa do singular.
Ex.: Ela está animada para a formatura.
Esta: pronome demonstrativo.
Ex.: Esta mulher ficou preocupada com a demora do conserto do seu carro.

Junho - 2023 - Edição 292

Conhecendo Fernando Pessoa

O poeta Fernando Antônio Nogueira Pessoa era português. Nasceu em Lisboa, em 1888. Seu pai teve ascendentes judeus.
Os primeiros estudos foram feitos em Durban, na África do Sul, pois, após a morte de seu pai, sua mãe se casou novamente, indo para o continente africano para acompanhar o marido.
Em 1903, Fernando Pessoa recebeu o Prêmio Rainha Vitória, destinado ao melhor ensaio de redação.
Fez o curso de Letras quando retornou a Lisboa. Viveu muito a multiplicidade literária por meio da criação de heterônimos (1911). Foi o grande escritor que influenciou as gerações posteriores, tanto em Portugal como no Brasil. Faleceu em 1935, vitimado por uma cirrose hepática, resultante do abuso do álcool.


Relendo Fernando Pessoa

Padrão
O esforço é grande e o homem é pequeno:
Eu, Diogo Cão, navegador, deixei
Este padrão ao pé do areal moreno
E para diante naveguei.
A alma é divina e a obra é imperfeita.
Este padrão sinala aos ventos e aos céus
Que, da obra ousada, é minha a parte feita:
O por-fazer é só com Deus.
E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês.
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português.
E a Cruz ao alto diz que o que me há na alma
E faz a febre em mim de navegar
Só encontrará de Deus na eterna calma
O porto sempre por achar.

Maio - 2023 - Edição 291

Você precisa saber

Os participantes do encontro vieram dos mais diferentes locais. Observe: nomes de lugar (topônimos) que devem ser escritos com hífen:
Iniciados por verbo – Passa-Quatro; iniciados com os adjetivos grão e grã – Grã-Bretanha, Grão-Pará; com os nomes ligados por artigo – Baía-deTodos-os-Santos, Trás-os-Montes.
Atenção: nos demais lugares não se usa o hífen – América do Sul, Feira de Santana, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Rio Grande do Sul, Belo Horizonte, Mato Grosso do Sul, América do Norte etc.


O x da questão

“Lorena pediu um mixto quente, que chegou frio.”
Nem poderia estar agradável. Usa-se s e não x depois de i e u, em final de sílaba que não seja final de palavra: mis-to.
Frase correta: “Lorena pediu um misto quente, que chegou frio.”

Abril - 2023 - Edição 290

Mau agouro

“Após a vitória da seleção brasileira em um jogo amistoso, um jovem comentou com os amigos: se o Brasil manter esse ritmo conquistaremos a taça.”
Nada disso! Desse jeito não dará certo. O verbo manter está conjugado erradamente. O tempo certo é o futuro do subjuntivo: mantiver / mantiveres /mantiver /mantivermos / mantiverdes /mantiverem.
Período correto: “Após a vitória da seleção brasileira em um jogo amistoso, um jovem comentou com os amigos: se o Brasil mantiver esse ritmo conquistaremos a taça.”


Falando difícil!

“O técnico exprobou os jogadores do time que chegaram atrasados para o treino.”
Não adiantou! Os jogadores não o entenderam e a forma verbal “exprobou” não é correta. O verbo é exprobrar e significa censurar, logo exprobrou.
Período correto: “O técnico exprobrou os jogadores do time que chegaram atrasados para o treino.”

Março - 2023 - Edição 289

Mudança

“O rapaz se julga realizado porque é Bacharel.”
Tudo bem, mas não aprendeu a nova regra: as titulações devem ser escritas com letra inicial minúscula, logo, o certo, agora, é bacharel. Período correto: “O rapaz se julga realizado porque é bacharel.”


Vale a pena lembrar

O atual Acordo Ortográfico determina que os nomes dos dias da semana e dos meses do ano devem ser grafados com letra minúscula, a não ser que iniciem uma frase. Já as datas cívicas devem ser registradas com letra maiúscula. Exemplos: O dia 1º de janeiro de 2024 cairá numa segunda-feira.
O Sete de Setembro representa muito para os brasileiros.

Fevereiro - 2023 - Edição 288

Cabeça quebrada

“Geiza levou um tombo e quebrou o crâneo.”
Coitada! Escrevendo dessa forma, o machucado ficou maior. A grafia correta da palavra é crânio com i.
Frase correta: “Geiza levou um tombo e quebrou o crânio.”


Diariamente

“Mariana não come arroz e feijão no seu dia-a-dia.”
Dessa maneira, vai acabar com inanição. Veja: conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, não se emprega mais hífen na expressão dia a dia (locução substantiva).
Frase correta: “Mariana não come arroz e feijão no seu dia a dia.”

Janeiro - 2023 - Edição 287

Audiência cancelada

“Inês foi à Câmara falar com o vereador da cidade.” Exerceu sua cidadania, mas poderia evitar o pleonasmo. Se André procurou o vereador (cargo eletivo municipal), só pode ser da cidade (município).
Frase correta: “Inês foi à Câmara falar com o vereador.”


Padaria prejudicada

“Aurélio queria aumentar a faixada da sua padaria, mas o arquiteto achou melhor deixar como está.”
Não vai conseguir o que deseja. A palavra fachada está escrita de forma errada.
Frase correta: “Aurélio queria aumentar a fachada da sua padaria, mas o arquiteto achou melhor deixar como está.”

Dezembro - 2022 - Edição 286

Substituição ruim

“No treino, ao invés de o jogador previamente escalado, colocaram outro no ataque.” Não deu certo! A expressão “ao invés de” está mal empregada.
Observe:
“ao invés de” significa ao contrário, mostra uma situação oposta;
“em vez de” quer dizer, no lugar de – é uma substituição.
Período correto: “No treino, em vez de o jogador previamente escalado, colocaram outro no ataque.”


Parada inesperada

“A paralisação do transporte público atrapalhou as vendas no mercadinho.”
As vendas não melhorarão, escrevendo dessa forma.
O substantivo paralisação deriva do verbo paralisar por sufixação (tema paralisa + sufixo ção). Existe uma regra simplicíssima quanto à ocorrência de isou de iz antes da terminação infinitiva em – ar.
Os verbos terminados em isar derivam de nomes (substantivos ou adjetivos) cuja sílaba final apresenta s: análise-analisar, aviso-avisar, improviso-improvisar. Portanto, parálise (paralisia)-paralisar.
Os verbos terminados em izar (sufixo verbal que indica ideia de assemelhar, conformar, converter, tornar) derivam de nomes cuja sílaba final não apresenta s: legal-legalizar, álcool-alcoolizar.
Principais exceções (principalmente por razões etimológicas): catequese-catequizar, síntese-sintetizar, hipnose-hipnotizar.
Frase correta: “A paralização do transporte público atrapalhou as vendas no mercadinho.”

Novembro - 2022 - Edição 285

O Brasil é um país turístico e inúmeras línguas convivem com a nossa língua portuguesa nas mais variadas regiões. Muito justo que façamos o possível para entender os estrangeiros que aqui chegam, mas fazemos um apelo: não nos esqueçamos da língua pátria, tão linda, entretanto tão maltratada por tantos...


Diariamente

“Heloísa não come macarrão no seu dia-a-dia.”
Dessa maneira, vai acabar com inanição.
Veja: conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, não se emprega mais hífen na expressão dia a dia (locução substantiva).
Frase correta: “Heloísa não come macarrão no seu dia a dia.”

Outubro - 2022 - Edição 284

Festa ruim

“Mariana disse que não ia mas na festa de aniversário da sua prima.”
Não deve ir mesmo, escrevendo dessa forma. Há muita confusão com o emprego das palavras mas e mais. A conjunção adversativa mas possui sentido de oposição. Deve ser utilizada para criar relação de oposição entre duas orações. Como sinônimo de porém, contudo. Para acrescentar alguma informação necessária para o entendimento.
Ex.: “Essa rua é muito bonita, mas está mal preservada.”

Já a palavra mais é advérbio, significando em maior quantidade ou intensidade.
Deve ser utilizada para dar sentido de maior quantidade, maior intensidade. Para criar uma relação de adição. Antônimo de menos.
Ex.: “Quanto mais eu rezo, mais assombração me aparece.” (ditado popular). Frase correta: “Mariana disse que não ia mais na festa de aniversário da sua prima.”


Conta errada

Jussara, chamando o neto para entrar no brinquedo do parque de diversões:
“Jonas, é só três pessoas.”
E a concordância verbal, como fica?
Jussara deveria ter dito: “Jonas, são só três pessoas.”

Setembro - 2022 - Edição 283

Turismo

“O turista sul africano se perdeu na praia de Copacabana.”
A culpa foi a falta de hífen. Deve-se usar hífen para ligar duas palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente um vocábulo, mas encadeamentos vocabulares: sul-africano. Outro exemplo: O turismo no eixo Rio-São Paulo é grande.
Frase correta: “O turista sul-africano se perdeu na praia de Copacabana.”


Redundância I

Um conhecido apresentador de televisão entusiasmou-se tanto com a alegria da pessoa sorteada que disse: “Observem o sorriso no rosto dela...”
Sorriso poderia ser em outro lugar?




Agosto - 2022 - Edição 282

Problema dermatológico

“A eczema do rosto da idosa não melhorou depois da aplicação da pomada que lhe foi receitada.”
Não há remédio que cure “a eczema”. Esta palavra é masculina: o eczema.
Período correto: “O eczema do rosto da idosa não melhorou depois da aplicação da pomada que lhe foi receitada.”


Perfume ruim

“Laiane não gostou da fragancia do perfume que ganhou.”
Nem poderia! Não existe o vocábulo “fragancia”, o termo correto é fragrância.
Frase correta: “Laiane não gostou da fragrância do perfume que ganhou.”




Julho - 2022 - Edição 281

Viagem furada

“William vai para New York fazer compras para a família.”
Não é errado utilizar a grafia da cidade estadunidense na sua forma original, mas é recomendável que os topônimos de línguas estrangeiras sejam substituídos pela sua tradução na língua portuguesa.
Frase correta: “William vai para Nova Iorque fazer compras para a família.”


Cedendo

Alice disse para Marcos: “Ou chegas cedo ou não cedo.”
Perfeito! Cuidado com os homônimos perfeitos (palavras de grafia igual e significado diferente).
No primeiro caso: cedo é referente ao advérbio de tempo.
No segundo caso: cedo é o presente do indicativo do verbo ceder (eu cedo, tu cedes, ele cede, nós cedemos, vós cedeis, eles cedem).




Junho - 2022 - Edição 280

Sem nota

“Uma e outra aluna erraram o trabalho passado pelo professor.” Se não fosse o problema do erro, estaria tudo certo. A expressão uma e outra admite o verbo no plural, o que é mais usual, mas no singular também está certo. Observe no singular: “Uma e outra aluna errou o trabalho passado pelo professor.”


Atenção na estrada

“Heloísa hesitou na hora de optar pela rodovia Niterói Manilha, pois achava que estava muito esburacada.” Prudência sempre é bom! Veja: Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. Ex.: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo etc. Frase correta: “Cláudia hesitou na hora de optar pela rodovia Niterói-Manilha, pois achava que estava muito esburacada.”




Maio - 2022 - Edição 279

Retificando

“Confirmo que o valor estava correto. Os fatos retificaram a previsão do departamento.” Melhor verificar novamente. O vocábulo foi utilizado erroneamente no período. Veja: Ratificar – significa confirmar, comprovar. Retificar – significa corrigir, emendar. Período correto: “Confirmo que o valor estava correto. Os fatos ratificaram a previsão do departamento.”


Suspensão justa

“O atraso constante da aluna implicou em suspensão por dois dias.” A punição seria mais justa se o complemento do verbo implicar estivesse certo. Este verbo, no sentido de acarretar, é transitivo direto, logo o seu complemento – objeto direto – não admite preposição. Frase correta: “O atraso constante da aluna implicou suspensão por dois dias.”




Abril - 2022 - Edição 278

Pizza ruim

“Mariana pediu uma pizza grande de mussarela.”
Essa pizza esfriou...
Muçarela vem do italiano muzzarela. Ao ser aportuguesada, os dois zz passam a ser ç, logo, muçarela.
Frase correta: “Mariana pediu uma pizza grande de muçarela.”


Regência verbal

Alguns verbos possuem mais de uma regência, como, por exemplo, o verbo custar:
a – no sentido de ser custoso, ser difícil: é regido pela preposição a.
Ex.: “Custou ao mecânico para entender o problema do carro.”
b – no sentido de acarretar, exigir, obter por meio de: usa-se sem preposição.
Ex.: “O apartamento custou-me todas as economias.”
c – no sentido de ter valor de, ter o preço: usa-se sem preposição.
Ex.: “Mansões custam caro.”

...Leia Mais.




Março - 2022 - Edição 277

Para nunca mais esquecer

Sufixo misto é aquele em que, na sua formação, os elementos etimológicos de origem são associados com outros elementos vernáculos. No caso de –iano e –iense, é resultado da combinação dos sufixos –ano e –ense com um i, cuja origem é a analogia com palavras em que esses sufixos figuram precedidos de i, que faz parte da raiz da palavra. Ex.: horaciano (Horácio) e italiano (Itália).


Sinal perigoso

“Matilde pediu ao médico dermatologista para retirar a berruga do rosto.”
Melhor assim! Veja: ambas as formas estão corretas e existem em nossa língua.
Porém, o termo verruga é mais utilizado.

Fevereiro - 2022 - Edição 276

Cheque cancelado

“Marcelo não aceitou o pagamento do corte de cabelo em xeque.”
Nem poderia! Veja: xeque (risco) e cheque (documento bancário) são palavras homônimas homófonas e heterógrafas, ou seja, têm som igual e grafia diferente.
Frase correta: “Marcelo não aceitou o pagamento do corte de cabelo em cheque.”


Regência verbal

Alguns verbos possuem mais de uma regência, como, por exemplo, o verbo custar:
a - no sentido de ser custoso, ser difícil: é regido pela preposição a.
Ex.: “Custou ao balconista para entender o que o médico escreveu na receita.”
b - no sentido de acarretar, exigir, obter por meio de: usa-se sem preposição.
Ex.: “O sítio custou-me todas as economias.”
c - no sentido de ter valor de, ter o preço: usa-se sem preposição.
Ex.: “Iates custam caro.”

Janeiro - 2022 - Edição 275

Olha a concordância!

Apresentando o jornal matutino, uma belíssima repórter escorregou na concordância, dizendo: “É milhares de visitantes.” A jornalista deveria ter falado: São milhares de visitantes... Isso é que se chama “fechar o tempo”.


Curiosidade

Cacografia é a escrita errada das palavras, o oposto de ortografia (escrita correta). Procure escrever certo, evite a cacografia.

Dezembro - 2021 - Edição 274

Peça ruim

“Marcelo foi com a noiva na estréia da peça de teatro tão aguardada.”
Não será sucesso de audiência!
Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba).
Período correto: “Marcelo foi com a noiva na estreia da peça de teatro tão aguardada.”
Atenção: essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis


Descida perigosa

“Luana escorregou feio ao descer a escada, pulando os degrais de dois em dois.”
Não poderia evitar o acidente, escrevendo dessa maneira. O plural de degrau é degraus. O de troféu é troféus.
Frase correta: “Luana escorregou feio ao descer a escada, pulando os degraus de dois em dois.”

Novembro - 2021 - Edição 273

Professora substituta

A professora que queríamos contratar recusou a oferta.”
Que pena! Contudo, a construção está perfeita!
Veja: Que é um pronome relativo quando: substitui um substantivo, evitando a sua repetição; estabelece uma relação com o substantivo que substitui; aparece após o substantivo que substitui; pode ser substituído por o qual, a qual, os quais ou as quais.
Exemplos: “Os meninos que foram encontrados na mata estavam perdidos”; “Já acabei de ler o livro o qual você me emprestou”; “Estão aqui os sapatos os quais foram arrecadados na campanha”.


Intervenção necessária

“A polícia militar interviu na discussão do casal em frente à farmácia.”
É sempre bom contar com a ajuda da polícia, mas, desse modo, não há intervenção que dê jeito! Interveio é a forma correta! Portanto, devemos usar como referência o verbo vir para conjugar o verbo intervir”. Por isso, se dizemos veio, então interveio (e não interviu). Frase correta:
“A polícia militar interveio na discussão do casal em frente à farmácia.”




Outubro - 2021 - Edição 272

A crase e seus erros mais comuns

1. “Ricardo veio ao Rio à serviço.”
Não se usa crase antes de palavra masculina (serviço).
Frase correta: “Ricardo veio ao Rio a serviço.”
2. “Acabamos chegando à uma boa conclusão.”
Não se usa crase antes de artigo indefinido (uma).
Frase correta: “Acabamos chegando a uma boa conclusão.”
3. “A mensagem é endereçada à Vossa Majestade.”
Não se usa crase antes de pronome de tratamento.
Frase correta: “A mensagem é endereçada a Vossa Alteza.”


Existindo

“Ele só precisa ezistir para me completar.”
Acho que ela nunca existirá. Existir se escreve com x, embora tenha som de z, ao ser pronunciado.
Frase correta: “Ele só precisa existir para me completar.”




Setembro - 2021 - Edição 271

Acabou em pizza

“Maria Fernanda disse que não comeria a pizza calabreza de jeito algum.”
Esse prato nem existe no cardápio! A grafia correta é calabresa, com s. Frase correta: “Maria Fernanda disse que não comeria a pizza calabresa de jeito algum.”


Pizza

“Luciana pediu uma pizza grande de mussarela.”
Essa pizza esfriou...
Muçarela vem do italiano muzzarela. Ao ser aportuguesada, os dois zz passam a ser ç, logo, muçarela.
Frase correta: “Luciana pediu uma pizza grande de muçarela.”




Agosto - 2021 - Edição 270

Modernismo

“A moçada atual não conhece um candieiro”, disse a avó para sua neta, surpresa com o objeto.
Nem poderia, porque a palavra “candieiro” não existe.
O vocábulo correto é candeeiro. Frase correta: “A moçada atual não conhece um candeeiro”.


Aprendizagem

“O treinamento em serviço auxilia para a auto-aprendizagem.”
Será mesmo? A “auto-aprendizagem” escrita desse jeito não melhora nada na vida de um profissional.
Quando um prefixo termina em vogal (auto) e o segundo elemento começa por vogal diferente (aprendizagem), não se admite o uso do hífen – autoaprendizagem é a forma certa.
Período correto: “O treinamento em serviço auxiliar para a autoaprendizagem.”




Julho - 2021 - Edição 269

Compra mal feita

“Marcela foi à livraria e comprou um livro extra-escolar.”
Dessa forma, o livro não acrescentará nada.
Não se usa hífen quando prefixo termina com vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento.
Período correto: “Marcela foi à livraria e comprou um livro extraescolar.”


Suspensão

“O atraso constante dos trens implicou em multa diária, aplicada pela agência reguladora de transportes.”
A punição seria mais justa se o complemento do verbo implicar estivesse certo.
Este verbo no sentido de acarretar é transitivo direto, logo o seu complemento – objeto direto – não admite preposição.
Frase correta: “O atraso constante dos trens implicou multa diária, aplicada pela agência reguladora de transportes.”




Junho - 2021 - Edição 268

Trabalho de grupo

“Preocupado com o trabalho em grupo, o aluno escreveu que eles tem que se dedicar muito.”
Exatamente, precisam estudar muito! O verbo ter, na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo, é acentuado. Observe: ele tem / eles têm
Período correto: “Preocupado com o trabalho em grupo, o aluno escreveu que eles têm que dedicar muito.”


Acabou o trema!

Acreditamos que não seja motivo de problema. Muito pelo contrário. A maioria das pessoas não gosta daqueles dois pontinhos. Portanto, será com tranquilidade que todos os esqueceremos. Porém, há nomes próprios em que o trema será mantido como em Müller, Hübner etc.




Maio - 2021 - Edição 267

Via errada

“Estou em vias de fechar o negócio”, disse um sócio a outro. Desse modo, não creio que a negociação se concretize.
A locução correta é em via de, e significa “a caminho de”; “prestes a”.
Frase correta: “Estou em via de fechar o negócio”, disse um sócio a outro.


Péssima estreia

“Ganhamos o jogo, mas o jogador novato estreiou mal, cometendo aquele pênalti.”
Não me admira a má estreia. O verbo estrear é irregular, isto é, tem alteração do radical ou variação nas desinências em relação ao modelo. Veja a conjugação correta, no pretérito perfeito do indicativo: Eu estreei/ tu estreaste / ele estreou/ nós estreamos/ vós estreastes/ eles estrearam.
Período correto: “Ganhamos o jogo, mas o jogador novato estreou mal, cometendo aquele pênalti.”

Abril - 2021 - Edição 266

Frio intenso

“Eleonora não quis sair do chalé, porque a temperatura ambiente era de zero graus.”
Não ia sentir frio, escrevendo dessa maneira.
Zero está no singular, portanto, o substantivo grau deve acompanhá-lo na flexão.
Frase correta: “Eleonora não quis sair do chalé, porque a temperatura ambiente era de zero grau.”


Cuidado com o leão!

“Flávio estava tranquilo, pois estava quites com a Receita Federal.”
Cuidado, escrevendo assim, o “leão do Fisco” vai lhe pegar na “malha fina”!
Quite deve concordar com o substantivo a que se refere.
Se for no singular, podemos dizer que “o contribuinte está quite com a Receita Federal”, por exemplo.
Já no plural, “os contribuintes estão quites com a Receita”.
Período correto: “Flávio estava tranquilo, pois estava quite com a Receita Federal.”

Março - 2021 - Edição 265

Contrato Desfeito

“Eduardo queria destratar o contrato firmado com o inquilino da sua casa, mas não conseguiu.”
Escrevendo assim, claro que haverá dúvida!
A palavra foi usada de forma equivocada.
É um caso de palavras parônimas (vocábulos parecidos na grafia e pronúncia).
Veja: destratar (insultar, maltratar), distratar (desfazer contrato firmado).
Período correto: “Eduardo queria distratar o contrato firmado com o inquilino da sua casa, mas não conseguiu.”


Atrasada

“O atraso constante da aluna implicou em suspensão por dois dias.” Seus pais devem ter ficado muito tristes.
A suspensão seria mais justa se o complemento do verbo implicar estivesse correto.
Este verbo, no sentido de acarretar, é transitivo direto, logo o seu complemento – objeto direto – não admite preposição.
Frase correta: “O atraso constante da aluna implicou suspensão por dois dias.”

Fevereiro - 2021 - Edição 264

Impressionante!

Um famoso apresentador, a respeito de um badalado desfile de modas: “Olha que impressionismo!”
Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX.
Impressionante é um adjetivo, que significa o que impressiona; que causa admiração.
O apresentador deveria ter dito: “Olha que impressionante!”


Cuidado com a disenteria

Se o Sebastião pedir a “sua chefa” para sair mais cedo para ir ao hospital fazer o teste de COVID, não terá autorização, pois “a chefa”, só como piada.
O certo é a chefe, ou o chefe.
Sebastião ficou tão nervoso que teve disenteria. Dor de barriga mesmo!
Disenteria é uma palavra cuja grafia suscita dúvidas, até porque a maior parte das pessoas pronuncia o primeiro e com som de i. Mas não duvide, a grafia correta é disenteria.
Espero que o teste do Sebastião tenha dado negativo!

Janeiro - 2021 - Edição 263

Atrasado

“À partir de hoje, não aceito mais suas desculpas”, disse Ana Clara ao irmão que chegara atrasado.
A crase ocorre apenas quando há a contração do artigo definido a com a preposição a. Na locução a partir de, não há artigo definido, há apenas a preposição a, não havendo assim contração que origine a crase.
Dica! Uma forma fácil de decorar que não ocorre crase em “a partir de” é que nunca há crase antes de verbos.
Frase correta: “A partir de hoje, não aceito mais suas desculpas”, disse Ana Clara ao irmão que chegara atrasado.


Companhia ruim

A prima de Mariana era sempre chamada de desmancha-prazer nas festas do condomínio.”
Será que a menina é tão chata assim?
Alguns substantivos compostos são usados somente no plural e este é um deles.
Período correto: “A prima de Mariana era sempre chamada de desmancha-prazeres nas festas do condomínio.”

Dezembro - 2020 - Edição 262

Conta errada

Alice, chamando o neto para entrar no brinquedo do parque de diversões:
“Marcelo, é só três pessoas.”
E a concordância verbal, como fica?
Alice deveria ter dito: “Marcelo, são só três pessoas.”... Leia mais

Lima limoeiro

“Luísa queria cortar a lima usando uma lima.”
Não acho que a lima seja a ferramenta adequada, uma pequena faca seria melhor, de todo modo, a construção da frase está perfeita.
Veja: Podemos ver a aplicação das homônimas perfeitas (grafia e som iguais, porém com significados diferentes). Lima (ferramenta cuja lâmina metálica é lavrada de finas estrias dentadas, para, por fricção, polir, desbastar ou serrar um metal ou outro material duro).
Lima (Pequena árvore (Citrus aurantifolia) rutácea, cítrea; fruto da limeira)... Leia mais

Novembro - 2020 - Edição 261

Autorreflexão

“Sabrina é adepta da autorreflexão, o que certamente a ajuda diante das dificuldades do dia a dia.”
Perfeito! Além de cuidar da mente e do espírito, a língua portuguesa agradece a ortografia (grafia correta).
autorreflexão – quando o prefixo termina em vogal (auto) e a segunda palavra começa com R (reflexão), este R precisa ser duplicado.
E mais: dia a dia não tem mais hífen. ... Leia mais

Local perfeito

“O espaço recém concluído ficou muito bonito.”
É verdade, mas a forma “recém concluído” está errada, pois falta o hífen: recém- -concluído – os nomes compostos cujo primeiro termo é recém exigem o hífen.
Frase correta: “O espaço recém-concluído ficou muito bonito.” ... Leia mais

Outubro - 2020 - Edição 260

Areia perigosa

“Valentina devia saber dos riscos de nadar na linda lagoa que se formou no antigo areial.”... Leia mais

Pórtico errado

“Seja bem vindo! Assim é recebido o turista quando chega ao pórtico de entrada da bela cidade.”
Isso não pode ser! ... Leia mais



Setembro - 2020 - Edição 259

Inverno rigoroso

“Melissa adorou a viagem para os EUA, mas não aprovou a temperatura abaixo .... Leia mais

Cuidado com o leão

“Jonas perdeu o prazo de entrega do Imposto de Renda, agora precisa resolver esse... Leia mais


Agosto - 2020 - Edição 258

Cuidado com a crase!

“Márcia foi a casa dos avós para lhes fazer uma visita, mas não os encontrou.”... Leia mais

Cooperação

“Dinorá não quis coperar com a amiga na distribuição das quentinhas aos mais necessitados.”... Leia mais


Julho - 2020 - Edição 257

Advogado enrolado

“Era reconhecido como advogado abalisado pelas suas petições apresentadas ao Juri.”... Leia mais

Irritação

“O rapaz estava muito irritado e xingou o amigo, logo se desculpando, dizendo: fiquei fora de si.”... Leia mais


Junho - 2020 - Edição 256

Limpeza pesada

“Laiane arreou os móveis depois que o chão da sala secou.”
Desse modo, não tem limpeza que dê jeito!
Novamente, vemos o uso inadequado de vocábulos em contextos diversos.... Leia mais

Refeição indigesta

“Isac preparou frango cosido para o almoço de domingo.”
Cuidado! Será que não esqueceu uma agulha lá dentro?
Cozido e cosido são duas palavras corretas.... Leia mais



Maio - 2020 - Edição 255

Café da manhã

“Luísa queria café-com-leite, mas só tinha suco na geladeira da casa da avó.” ... Leia mais

Ainda sobre o hífen

No geral, as locuções não possuem hífen, mas algumas exceções continuam por já estarem consagradas pelo uso



Abril - 2020 - Edição 254

O USO DOS PORQUES

Por que – O por que (separado, sem acento) tem dois empregos distintos:
Quando for a junção da preposição por + pronome interrogativo que, terá o significado de “por qual motivo” ou “por qual razão”:
Ex.: “Por que você não vai ao clube?” (por qual razão).... Leia mais

VIR OU VIER

A conjugação vir causa muita confusão, pois envolve verbos diferentes.
A conjugação pode estar relacionada ao verbo ver (que significa enxergar) e ao verbo vir... Leia mais


Por Arnaldo Niskier – Ilustrações de Zé Roberto